Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Geral | Roraima entra em estado de alerta para dengue e chikungunya

Roraima entra em estado de alerta para dengue e chikungunya

Estado expediu notas técnicas aos municípios que devem definir estratégias de reforço nas ações de combate - Foto: Ascom/SesauRoraima ainda não apresentou casos da febre chikungunya, enquanto a dengue tem tido baixa incidência e é considerada sob controle. No entanto, todos os municípios apresentam fatores favoráveis a essas doenças. Além disso, o aumento na transmissão dos dois vírus na Venezuela aumentam as chances de um surto de dengue, consequentemente potencializando o risco da introdução do novo vírus em Roraima, o que coloca o Estado em condição de alerta para as duas doenças.

Entre os fatores de risco, estão a presença do mosquito Aedes aegypti (transmissor das duas doenças) em todos os municípios e do Aedes albopictus em alguns municípios do Estado. Além disso, o fluxo de pessoas vindas de áreas de transmissão define como alto o risco do aumento da dengue e introdução do chikungunya no território. As informações foram repassadas durante coletiva de imprensa, na manhã desta segunda-feira, 18, na CGVS (Coordenação-Geral de Vigilância em Saúde).

Diante desta situação, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) expediu nota técnica orientando que as Secretarias Municipais de Saúde fiquem alerta para o aparecimento de casos suspeitos, a fim de que sejam desencadeadas as ações necessárias de investigação e controle vetorial. O Estado também pede que os municípios reavaliem seus planos de contingência e se adequem de acordo com as necessidades.

Devido à sua proximidade com a Venezuela, representantes da saúde municipal de Pacaraima foram os primeiros a se reunir com o Departamento Estadual de Vigilância Epidemiológica (DVE), onde foi definida a realização de uma ação naquele município para a eliminação dos focos de reprodução dos mosquitos. O DVE realizará reunião similar com Boa Vista, com os municípios fronteiriços e com os demais. “No momento, há baixa incidência da doença, mas alta infestação pelo mosquito. Portanto, este é o momento ideal para reforçarmos as ações de controle para minimizar os impactos, uma vez que não há como evitar a circulação do vírus no Estado”, lembrou.

O diretor em Exercício do DVE, Joel Lima, lembrou que a Sesau vai oferecer todo o suporte técnico aos municípios e deve atuar de maneira operacional, quando solicitado pelos municípios que não têm condições de oferecer a resposta necessária para o combate. “As unidades de Vigilância Epidemiológica Estadual e Municipais devem definir estratégias para planejar e manter a capacidade de detecção de casos suspeitos e adotar medidas necessárias no processo de investigação para garantir a confirmação dos casos”, disse.

Um fato que requer atenção é que recentemente foi identificado o DENV3 em uma paciente da Venezuela, que foi internada no Hospital Geral de Roraima (HGR). O sorotipo não é registrado no Estado desde 2009, o que deixa todas as pessoas nascidas a partir desse período, além das que nunca foram infectadas, mais suscetíveis à dengue.

O coordenador geral de Urgência e Emergência (CGUE), Álvaro Fortes, lembrou que as unidades do Estado, em especial o HGR – que é o principal hospital do Estado – estão preparadas para suprir as necessidades levantadas pelos planos de contingência no que se refere ao atendimento dos casos notificados como dengue ou suspeitos de chikungunya, evitando possíveis óbitos.

 

 

 

Deixe uma resposta