Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Polícia | Processo administrativo vai apurar conduta de policial preso com drogas

Processo administrativo vai apurar conduta de policial preso com drogas

Coronel Dagoberto Gonçalves - Foto: Secom-RR

Coronel Dagoberto Gonçalves – Foto: Secom-RR

O comandante geral da PMRR (Polícia Militar de Roraima), coronel Dagoberto Gonçalves, determinou a instauração de PAD (Processo Administrativo de Disciplinar) no âmbito da corporação para apurar a conduta do soldado Jeferson Barreto Lima, preso no dia 9 de novembro por porte ilegal de armas e de substância entorpecente.

A prisão ocorreu por volta das 9 horas, quando no veículo dele foram encontrados quatro invólucros de cocaína, além das armas de fogo: pistola marca Taurus, PT-100, calibre.40 pertencentes a carga da PMRR, 10 munições calibre .40 intactas, 11 munições calibre .40 recarregadas e um revólver calibre 38 de propriedade da empresa de Segurança Union Security.

Com prisão preventiva decretada pela Justiça, o soldado Barreto está recolhido no Quartel do CPC (Comando de Policiamento da Capital). O PAD em desfavor do policial ocorrerá no prazo de 30 dias prorrogáveis por mais 20, caso haja necessidade, e tem a finalidade específica de verificar se o policial possui as necessárias condições morais, éticas e disciplinares para o exercício das funções inerentes à corporação.

Reforma disciplinar

Também foi publicada no Diário oficial do dia 19 de novembro a reforma disciplinar da soldado S.S.S pelo crime de deserção. Conforme apuração do Conselho de Disciplina da Corporação, a policial esteve afastada das atividades funcionais desde 23 de maio de 2006 e durante esse lapso temporal, faltou nove vezes a JIS (Junta de Inspeção de Saúde) sem apresentar justificativas.

A policial, desde o ingresso na PMRR, em 07 de janeiro de 2002, foi sancionada administrativamente em três oportunidades, sendo: oito dias de detenção por falta ao serviço; repreensão por fatos ocorridos em julho de 2003 na Pamc (Penitenciária Agrícola do Monte Cristo); e 15 quinze dias de prisão, por ter deixado de se apresentar tempestivamente no Quartel após o seu término de férias, sem justificativa.

A policial também foi condenada pela 1ª Vara da Justiça Militar pela prática do crime tipificado no artigo 187 do CPM (Código Penal Militar), à pena de um ano de detenção, convertido em pena restritiva de direito, no prazo de um ano, junto ao Serviço Médico da Polícia Militar de Roraima, em horário diferente ao do serviço junto a PMRR e frequência a tratamento da dependência química.

A reforma disciplinar da soldado é uma forma de uma punição administrativa, em razão da gravidade das condutas por esta levadas a efeito, bem como por ter sido diagnosticada com depressão grave e dependência de álcool, a qual não tem relação de causa e efeito com a atividade militar, resultando assim, na incompatibilidade para com o serviço ativo da corporação.

Tiana Brazão

 

Deixe uma resposta