Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Política | Prevenção ao suicídio: Procuradoria Especial da Mulher oferece curso nas comunidades indígenas

Prevenção ao suicídio: Procuradoria Especial da Mulher oferece curso nas comunidades indígenas

Deputada Lenir Rodrigues – Foto: Alfredo Maia

O Programa Capacitação Legal, realizado pela Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa do Estado de Roraima (ALE/RR), está ministrando curso de Prevenção ao Suicídio nas comunidades indígenas. No total são oferecidas, por comunidade, 50 vagas. A capacitação é gratuita, com direito a certificado de conclusão de 80 horas.

“Essa temática suicídio é importante porque vai tratar da valorização da vida. Esses grupos de segurança comunitária surgiram por meio uma preocupação da gestão territorial. Observamos eles ajudaram a melhorar a redução do álcool e da droga nas comunidades indígenas. Fomos procurados e estamos oferecendo esse curso de Capacitação Legal, gratuitamente pela Assembleia Legislativa, levando muito conhecimento na área jurídica”, disse a procuradora Especial da Mulher, deputada Lenir Rodrigues (PPS).

Durante o curso os participantes tem a oportunidade de aprender mais sobre as constituições Federal e Estadual, códigos Civil e Penal, Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), prevenção ao suicídio, ao tráfico de pessoas, Lei Maria da Penha e as leis que abordam os direitos dos povos indígenas.

“A pessoa que participa de uma aula recebe o certificado daquela aula. Agora quem participar de todas as aulas receberá o certificado de 80 horas. Essa disciplina, especificamente, prevenção ao suicídio, estamos contado com o apoio do Centro de Valorização da Vida (CVV), entidade não-governamental, cuja instalação tem o apoio da Assembleia Legislativa.

Lenir Rodrigues ressaltou que o CVV tem uma expertise própria de trabalhar a prevenção do suicídio, porque existe no Brasil desde 1962. “O CVV tem muitos anos de experiência e até hospitais administra. Então as psicólogas do Chame e do CVV estarão trabalhando seis módulos de aulas para essas turmas de segurança comunitária indígena”, reforçou a parlamentar.

Marilena Freitas

 

Deixe uma resposta