Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Geral | Prefeitura garante 91% dos medicamentos essenciais em Boa Vista

Prefeitura garante 91% dos medicamentos essenciais em Boa Vista

Somente este ano já foram investidos R$ 14.846.644,99 – Fotos: Eduardo Andrade

A prefeitura de Boa Vista continua avançando na área da saúde, principalmente no que se refere ao acesso aos medicamentos na rede básica. Hoje o município conta com 91% dos itens da Relação Municipal de Medicamentos – REMUME, abastecidos em todas as unidades.

A prefeitura disponibiliza em todas as unidades de saúde 155 itens da lista de medicamentos essenciais e atua com planejamento para que não ocorra desabastecimento. A lista da REMUME pode ser consultada no Diário Oficial do Município de Boa Vista, 4028 de 22 de outubro de 2015. “Desde que assumimos a gestão, esse era um problema constante, as unidades estavam totalmente desabastecidas de medicamentos e outros itens e firmamos o compromisso de conseguir regularizar essa situação”, destaca a prefeita Teresa Surita.

Somente este ano já foram investidos R$ 14.846.644,99 tanto em medicamentos como em materiais médico-hospitalares. “Modificamos todo o sistema de gerenciamento de medicamentos, inclusive a forma de licitação, para que nenhuma unidade fique sem medicamentos. Embora enfrentemos problemas com atrasos de entregas, já que os medicamentos vêm de fora, nenhum grupo farmacológico fica desfalcado. Sempre há um medicamento para fazer a substituição, conforme indicação médica”, explica o secretário de saúde, Claudio Galvão.

Em outubro, a Secretaria de Saúde iniciou a implantação do Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saúde – SIGSS nas unidades, com a finalidade de gerenciar os estoques nas farmácias. A Superintendência de Assistência Farmacêutica – SAF foi a primeira unidade a ser contemplada, em seguida mais nove unidades básicas de saúde devem começar a utilizar o Sistema.

“Este é um sistema que vai nos auxiliar bastante no controle da entrada e saída de medicamentos, fazendo com que a SAF se antecipe nas aquisições e impeça a falta de medicamento nas unidades”, explica Moyses Humberto Carvalho, Superintendente de Assistência Farmacêutica.

Jamile Carvalho

 

Deixe uma resposta