Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Colunistas | Wilson Barbosa | Panorama Esportivo – por Wilson Barbosa

Panorama Esportivo – por Wilson Barbosa

Duvidosa

Grêmio e Vitória não tiveram vencedor. As duas equipes empataram em 1 a 1 – Foto: Rodrigo Rodrigues/Grêmio FBPA

No estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul (RS), Grêmio e Vitória empataram em 1 a 1, neste domingo, em partida válida pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do duelo foram marcados por Patric em posição duvidosa, para o Vitória, e Fernandinho, para o Grêmio. Com o resultado, o time gaúcho alcança os 58 pontos e permanece em segundo na classificação, mas pode ser ultrapassado pelo Santos, que joga nesta segunda-feira, contra a Chapecoense, na Arena Condá (SC). O clube baiano chegou aos 39 pontos e segue na 16ª posição. O empate foi bom também para o Corinthians, que depende apenas de uma vitória na próxima rodada, contra o Fluminense, para garantir o título matematicamente. O confronto ocorreu no estádio do Juventude, na Serra Gaúcha, devido ao show do ColdPlay que aconteceu na Arena do Grêmio no sábado. Com isso, o gramado do local não tinha condições de receber o jogo no domingo.

Desfalques
No Grêmio, o técnico Renato Portaluppi teve três desfalques. No gol, Paulo Victor entrou no lugar de Marcelo Grohe, que estava com dores na cervical. Na lateral-direita, Edílson, com um desconforto muscular, foi poupado e Léo Moura assumiu a posição. Sem Bruno Cortez e Marcelo Oliveira (lesionados), o treinador improvisou na lateral-direito Leonardo na esquerda. O restante da equipe foi toda titular. A curiosidade foi a opção pelo garoto Jaílson iniciar o jogo e Michel, considerado titular, ficar no banco de reservas. O técnico do Vitória, Vagner Mancini, teve três desfalques. O meia Yago, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, deu lugar para o retorno de Neílton. O volante Uillian Correia, expulso no duelo contra o Palmeiras, foi substituído por Ramon. O zagueiro Wallace pertence ao time gaúcho e está impedido de atuar devido a uma cláusula contratual, teve a posição ocupada por Bruno Bispo. As duas equipes retornam a campo no meio de semana pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), o Grêmio enfrenta o São Paulo, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS). Na quinta-feira, às 20h (de Brasília), o Vitória encara a Chapecoense, na Arena Condá, em Chapecó (SC).

Artilheiro
Assim como já havia ocorrido na última quarta-feira, o Corinthians contou com um novo artilheiro no Brasileirão para vencer neste sábado. O atacante Kazim encerrou o jejum que durava desde o dia 18 de fevereiro ao marcar o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Avaí, pela 34ª rodada. Com o resultado, o Corinthians segue com chances de garantir o título brasileiro na quarta-feira. Para isso, o Timão precisa vencer o Fluminense, em Itaquera, e ver o Grêmio tropeçar em um dos dois próximos jogos, contra Vitória e São Paulo. Para levantar o troféu sem depender de outros resultados, o Timão só precisa somar mais cinco pontos. Com esse cenário, a torcida não se aguentou e cantou “é, campeão” nos minutos finais da partida. Antes, já haviam avisado: “começa a fazer festa que o hepta vem aí”. Se na quarta-feira passada o herói foi Giovanni Augusto, que voltou a marcar depois de mais de um ano e deu a vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-PR, neste sábado quem brilhou foi Kazim. Substituto do artilheiro Jô, suspenso, o “Gringo da Favela” mandou de peito, após cruzamento de Guilherme Arana, aos três minutos do segundo tempo.

Velocidade
Foi o gol que deu justiça à partida. Durante toda a etapa inicial o Corinthians pressionou e chegou a levar perigo, enquanto o Avaí praticamente não conseguia passar do meio de campo. Todo fechado, o time catarinense não tinha velocidade para contra golpear e ainda abusava dos erros de passes. O Corinthians, com o título bem perto, não mostrou ansiedade para construir o resultado. A equipe trabalhava bem a bola, principalmente pelo lado direito, com Fagner e Romero. Quem destoava era Rodriguinho, que não teve uma boa atuação e mesmo assim saiu aplaudido no segundo tempo. Isso só comprova como a Fiel está tranquila à espera do título. No segundo tempo, mesmo após o gol, o Avaí não mostrava forças para buscar o empate. O time errou muitos passes e só tinha lampejos de criatividade quando Marquinhos pegava na bola. Não é à toa que a equipe é penúltima colocada na tabela. Já o Timão novamente mostrou que é praticamente impossível o título escapar. Com o apoio da torcida, a equipe foi sólida e não deu brechas para a zebra aparecer em Itaquera.

Complicada
O Atlético-GO poderia até ter seu rebaixamento definido neste domingo, mas isso não acontecerá. Pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Dragão fez 2 a 0 no Sport, jogando em casa. Os dois gols, um em cada tempo, foram de Diego Rosa. Apesar do triunfo, a situação dos goianos segue muito complicada. O time foi a 30 pontos, ainda na lanterna da competição, com poucas chances de fugir da queda. O Sport, com 36, também ocupa a zona da degola. As equipes voltam a campo na rodada do meio de semana. Mais uma vez fora de casa, o Sport encara o Palmeiras, na quinta-feira. No mesmo dia, o Atlético-GO viaja ao Rio de Janeiro para encarar o Botafogo. Depois disso, com os visitantes sem forças para reagir, bastou aos comandados de João Paulo Sanches administrarem o jogo e deixarem o tempo passar, confirmando o triunfo no estádio Olímpico Pedro Ludovico.

Encarar
O Fluminense foi a Belo Horizonte na noite deste domingo para encarar o Cruzeiro no Mineirão, e saiu de campo derrotado por 3 a 1, em duelo válido pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os cariocas saíram na frente com Pedro, no início do jogo, mas viu Lucas Romero empatar logo na sequência. Na segunda etapa, o Flu teve o lateral Marlon expulso e, em desvantagem, tomou a virada, com gols de Diogo Barbosa e Thiago Neves. O resultado recolocou o Cruzeiro na quinta posição, agora com 54 pontos. Para o Flu, a derrota mantém a equipe em situação delicada em relação ao rebaixamento. Com 43 pontos, a equipe de Abel Braga é a 13ª, e ainda pode ser ultrapassada pela Chapecoense, que recebe o Santos no encerramento da rodada. Na próxima quarta-feira, o Flu visita o Corinthians em Itaquera, em jogo que pode decidir o título para os paulistas. Enquanto isso, o Cruzeiro volta a jogar no Mineirão, recebendo o ameaçado Avaí. Com 3 a 1, o Flu estava batido em campo. O Cruzeiro ainda chegou duas vezes com perigo antes do apito final, e esteve perto de uma goleada. Dois minutos após o gol, Thiago Neves cruzou e Robinho desviou de cabeça. Cavalieri salvou o Flu mais uma vez. Aos 36, foi a vez do garoto Jonata fazer boa jogada e soltar a bomba, mas a bola desviou na zaga e foi pela linha de fundo. Depois disso, a Raposa administrou a vitória e garantiu os três pontos.

Decisão
Em um duelo com cara de decisão entre dois times lutando contra a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, Coritba e Ponte Preta ficaram no empate em 1 a 1, no estádio Couto Pereira. O resultado não foi tão bom para o Coxa, que chegou aos 40 pontos e segue na 15ª colocação, mas pior ainda pra a Macaca, que soma apenas 36 pontos, na 18ª posição. Depois de um primeiro tempo que passou em branco, a equipe paulista abriu a contagem aos 19 minutos, com Léo Gamalho aproveitando escanteio para desviar. Dois minutos depois, Yan Sasse empatou para a equipe da casa. Na próxima rodada, o Coritiba enfrenta o Flamengo, quinta-feira, no estádio Couto Pereira, na capital paranaense. Já a Ponte Preta terá pela frente o Atlético Paranaense, quarta-feira, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. A partida era equilibrada e muito disputada no Alto da Glória. Aos 26 minutos, pressão coxa-branca, que terminou na cabeçada de Alan Santos por cima da meta. A Macaca respondeu, aos 30 minutos, com Danilo soltando uma bomba para defesa de Wilson. Aos 32 minutos, Kléber pegou de primeira para certar a rede, pelo lado de fora. Aos 40 minutos, Lucca cobrou falta e a bola passou raspando o poste. Resultado foi ruim para os dois times, mas pior para o Alvinegro.

Ofuscado
O centroavante Deyverson marcou os gols do Palmeiras no recente triunfo por 2 a 0 sobre o Flamengo, alcançado no último domingo, no Estádio Palestra Itália. Com os primeiros tentos sob o comando do técnico interino Alberto Valentim, o jogador ganha força para seguir como titular contra o Sport. Titular na gestão de Cuca, Deyverson não marcava desde o dia 9 de setembro, data em que fez o gol do Palmeiras no empate por 1 a 1 contra o Atlético-MG, no Independência. Ofuscado por Willian e Borja na gestão de Valentim, ele findou o jejum contra o Flamengo. “Quem está no dia a dia sabe quanto o Deyverson se esforça. Ele saiu do time para a entrada do Willian. Depois, quando precisamos dele, entrou muito bem no jogo contra o Cruzeiro. Treina muito forte e não se abateu por ter eu colocado o Willian quando assumi. Isso que é legal”, elogiou Valentim. Artilheiro do Palmeiras na temporada com 17 gols, Willian sofreu edema na coxa direita durante a vitória por 2 a 0 sobre a Ponte Preta, no dia 19 de outubro. O atacante, enfim recuperado, ficou apenas como alternativa no banco de reservas diante do Flamengo e não atua desde a partida disputada no Pacaembu.

Bastidores
A diretoria do Corinthians trabalha nos bastidores para ter o goleiro Cássio no estádio de Itaquera para a partida desta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), contra o Fluminense, que pode marcar a conquista do sétimo título brasileiro do clube. Capitão em algumas oportunidades e um dos líderes do elenco, o arqueiro está a serviço da Seleção até o jogo contra a Inglaterra, marcado para as 18h (de Brasília) da terça. “Seria importante tê-lo aqui, independentemente de título ou não”, comentou o presidente Roberto de Andrade, que descartou a possibilidade de o jogador ser utilizado na partida, mesmo que ele não entre em campo no amistoso do Brasil. “Não, não há essa chance”, confirmou o mandatário. Como o duelo termina em um horário difícil para quem vai pegar voos intercontinentais, a ideia corintiana é que Cássio consiga embarcar em algum voo que saia de manhã no horário londrino, chegando a São Paulo no final da tarde da quarta-feira.

Entidade
“Se a gente conseguir que ele pegue um voo diurno, a chegada se daria umas três horas antes da partida. É possível”, informou Roberto, que tem na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) o seu ex-gerente, Edu Gaspar, hoje coordenador técnico de seleções da entidade. Na avaliação dos alvinegros, a presença do camisa 12 já seria um impulso para os jogadores frente aos tricolores, principalmente para o goleiro Caíque França. Acionado devido à lesão do reserva Walter e em meio a uma polêmica com Matheus Vidotto, ele teve como suplente diante do Avaí o jovem Filipe, do sub-20. Sem Cássio nem Balbuena, suspenso, Carille deve ficar entre Fagner e Jô como capitães no possível duelo do título. Isso não garante, porém, que um deles será o responsável por erguer a taça de campeão, entregue normalmente na rodada seguinte à confirmação do título.

Resultado
Em meio a tantos desfalques para o jogo contra o Bahia (12 no total), o Atlético-MG precisou mostrar, mais uma vez, poder de superação para buscar um bom resultado fora de casa. Dono de cinco viradas no Campeonato Brasileiro, líder no quesito, o Galo não conseguiu completar a reação na Arena Fonte Nova, mas após levar a virada do Tricolor, mostrou reação para empatar o jogo em 2 a 2, em Salvador. Tirando os 20 minutos após o intervalo, quando o Bahia conseguiu a virada, o Galo controlou as ações na maior parte do tempo, principalmente na primeira etapa. Victor não precisou fazer nenhuma grande defesa, a não ser em jogadas de bola aérea, que o time baiano insistiu bastante durante os primeiros 45 minutos. O gol muito cedo foi um fator fundamental no jogo, pois deu tranquilidade para o Atlético-MG, que vinha sendo bastante pressionado. Mesmo recuado, o time jogou bem. Quando levou a virada, não se abateu e foi para cima. Com a consciência que precisava atacar, sem deixar espaços para o contra golpe do Bahia, o Galo jogou com inteligência e se apoiou em dois jogadores que tiveram viradas no ano para buscar o ponto fora: Luan e Robinho.

Defesa
O goleiro Caíque França deixou o gramado elogiado pela torcida corintiana presente à vitória do Corinthians por 1 a 0 sobre o Avaí, na noite deste sábado, mas não aparentava ter carregado tamanha pressão por segurar uma defesa intacta na partida, decisiva para as pretensões de título do Campeonato Brasileiro. Com o mesmo semblante calmo que apresenta durante os treinos, ele agradeceu os cumprimentos dos companheiros e o incentivo de Cássio, titular da posição. “Estou trabalhando sério. Pude fazer um grande jogo e estou preparado para quarta-feira, sim. Fico feliz de ter passado essa boa impressão a todos”, disse o jovem de 22 anos, negando que vá perder noites de sono até a partida de quarta-feira, contra o Fluminense, também no estádio de Itaquera. “A gente fica ansioso, mas tem que descansar. Acho que eu consigo dormir normal”, observou o jogador, que disse ter sido pego de surpresa pelo afastamento do companheiro Matheus Vidotto. “Não teve um acontecimento, fiquei sabendo mais ou menos hoje do que aconteceu, mas não estou por dentro disso”, despistou, assim como a maioria dos envolvidos no caso.

Culminando
Um ano para se apagar. É assim que todo torcedor do Santa Cruz vai se lembrar de 2017, que acabou culminando com mais um rebaixamento para a Série C do Campeonato Brasileiro, com a derrota para o Boa Esporte, em Varginha e a vitória do Guarani sobre o CRB, em outra partida da rodada. Faltando ainda três duelos para o fim da Série B, chegou a hora de juntar os cacos no Arruda e começar numa volta por cima. Enquanto isso, o GloboEsporte.com relembra um pouco do que foi a campanha dos tricolores no torneio com momentos chaves para que o castigo acontecesse. Uma vitória na estreia não é nada mal. E como visitante, melhor ainda. No entanto, o duelo do Santa Cruz contra o Criciúma, logo na primeira rodada da Série B, fez com que o Tricolor perdesse o seu principal jogador para o restante do campeonato. Capitão da equipe e um dos únicos atletas que havia conseguido jogar bem no primeiro semestre, o lateral-direito Vítor sofreu uma grave lesão, com fraturas na tíbia e na fíbula da perna direita e precisou ser operado. Sem ele, Nininho e Gabriel Vallés passaram a ganhar chances, mas não conseguiram encantar. O argentino foi embora e o Santa ainda trouxe Alex Travassos, dispensado logo em seguida, por conta da parte técnica, e Walber, que até atualmente disputa posição com Nininho. Nenhum dos dois consegue ser titular absoluto.

Motivado
Depois da vitória fora de casa contra o Sport, o Botafogo voltou para casa ainda mais motivado, principalmente sabendo que os dois próximos jogos seriam no Estádio Nilton Santos, mas a derrota por 1 a 0, para o Atlético-PR, neste sábado, doeu e ligou o alerta. Com 51 pontos, o time precisa secar adversários diretos, que jogam neste domingo, para não ver a briga por uma vaga na Taça Libertadores ficar ainda mais afunilada e, consequentemente, aumentar a pressão para uma vitória na partida da próxima quinta, diante do Atlético-GO, no Nilton Santos. Rivais cariocas e mais próximos na tabela, Flamengo e Vasco entram em campo neste domingo. Com 50 pontos, o Rubro-Negro tem uma parada dura pela frente e visita o Palmeiras, em São Paulo. Porém, uma vitória o colocará na frente do Botafogo. Já o Vasco, que tem 48, recebe o São Paulo (44), em São Januário. O resultado positivo do cruzamaltino o fará empatar com o time de Jair Ventura na classificação. Outro jogo importante para ficar ligado é o entre Bahia e Atlético-MG, que será realizado na Arena Fonte Nova. As duas equipes têm 45 pontos e ainda sonham com uma vaga na Libertadores. O ideal, é claro, seria um empate.

Colocado
O Vasco está firme na briga por uma vaga para a próxima edição da Copa Libertadores da América. A equipe carioca empatou com o São Paulo por 1 a 1, em São Januário, no Rio de Janeiro, neste domingo (12/11). A partida foi válida pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado fez a equipe carioca ir para a oitava posição, com 49 pontos. O Flamengo, com 50, é o sétimo colocado e primeiro clube na zona de classificação para a Libertadores. Já os comandados por Dorival Júnior caíram para o 11º lugar, com 45 pontos. O consolo para o São Paulo foi manter sua invencibilidade para o Vasco. Atuando como visitante contra a equipe cruz-maltina pelo Brasileiro, o time tricolor não sabe o que é derrota desde 2005, há 12 anos. Na ocasião, o clube do Rio de Janeiro saiu atrás no placar, mas conseguiu alcançar a virada no marcador e vencer por 3 a 1. De lá para cá, o São Paulo acumula quatro vitórias e quatro empates no território do Vasco. O gol do São Paulo saiu aos 40 minutos do primeiro tempo. De fora da área, Marcos Guilherme soltou uma bomba e a bola entrou no ângulo esquerdo do goleiro. Aos 30 minutos do segundo tempo, Vasco empatou. Wagner finalizou, mas a bola bate em Rodrigo Caio e sobrou para Caio Monteiro, que chutou rasteiro para vencer Sidão. O São Paulo ficou com um jogador a menos, aos 37. Éder Militão cometeu falta dura em Henrique e recebeu o cartão vermelho.

Interino
Após a demissão de Guto Ferreira, o auxiliar Odair Hellmann recebeu a missão de conduzir o Inter como interino nos três últimos duelos pela Série B, para enfim garantir o retorno à elite nacional. O acesso, objetivo máximo desde o início da temporada, ganha ainda mais atenção em meio à turbulência recente. Mas o clube já começa a planejar seu próximo técnico para 2018, com alguns indicativos de profissionais e perfis de comando preferidos. Até o momento não há uma definição mais efetiva sobre um treinador específico ou estilo de trabalho – ao menos publicamente. Nomes como o de Abel Braga e o de Roger Machado ganham força junto à diretoria e são os mais comentados nos bastidores do clube, cada um com sua característica distinta. Há uma predileção inicial por um nome mais “cascudo”, com boa liderança de vestiário e distante do perfil de nomes emergentes que norteou a escolha por Antônio Carlos Zago e Guto Ferreira. A relação com Abel Braga é quase instantânea. O técnico campeão da Libertadores e do Mundial pelo clube em 2006 conta com prestígio de sobra com a torcida e ainda nutre um relacionamento pessoal muito próximo com o presidente Marcelo Medeiros e o vice de futebol Roberto Melo.

Emoção
O estádio de Itaquera já é a casa do Corinthians há três anos e está perto de receber um título brasileiro do clube, fato que pode acontecer nesta quarta-feira, caso o clube vença o Fluminense, às 21h45 (de Brasília), mas ainda surpreende pessoas que conheceram o clube antigamente. Presente ao local pela primeira vez desde a construção da arena, em 2014, o zagueiro Betão, hoje no Avaí, não escondeu a emoção por atuar no lugar em que treinou diversas vezes quando era da base corintiana. Aos 34 anos, ele relembrou quando caminhava pelo terreno corintiano no início do século. “Fiquei sem palavras, realmente, quando entrei no estádio, fiquei bem arrepiado porque tem muita gente que vem aqui no estádio e não sabe o que era isso. Eu sei”, comentou o defensor, que esteve no elenco profissional de 2003 a 2007, participando do título brasileiro de 2005. “No ano 2000, mais ou menos, a gente vinha treinar, tinha uns campos espalhados por aí e um buraco. Não sei nem onde era o buraco, não dá pra dimensionar onde era pelo tanto de coisa que tem agora. O pessoal falava que ia ser o estádio ali, mas a gente não acreditava, era difícil imaginar isso porque as coisas não andavam”, disse o atleta, sempre preocupado em se expressar bem.

Arrancada
O técnico Dorival Júnior ainda não considera o time do São Paulo livre do rebaixamento para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro, mas não abre mão de agradecer o auxílio da torcida na arrancada recente da equipe. Para ele, os são-paulinos mostraram como apoiar o clube sem violência em um momento difícil. “A torcida do São Paulo tem feito a diferença. Em momento nenhum foi agressiva e violenta. Mostrou outra forma de agir, respeitando sempre, buscando incentivar”, comentou o treinador, justamente na semana em que palmeirenses picharam o muro do Palestra Itália para reclamar da fase do time, atualmente terceiro colocado do Brasileiro. “Foi fundamental na recuperação da equipe. Isso é muito pouco falado, às vezes as agressões são muito valorizadas. A postura deles deveria ser enaltecida”, continuou o comandante, que não pegou grandes protestos dos torcedores na atual temporada. Ano passado, porém, alguns membros das torcidas organizadas chegaram a invadir o CT da Barra Funda. Elogioso aos aficionados, Dorival não quis fazer grandes promessas a eles para esse final do ano. Mesmo com 45 pontos, ele vê o Z4 ainda como ameaça antes de poder pensar em se classificar para a Libertadores da América do ano que vem. “Importante, cada momento, um ponto aqui e outro ali, acho que em razão da dificuldade que a equipe vinha tendo, mantemos uma regularidade, buscando pontos fundamentai”, concluiu o comandante do Tricolor, que terá pela frente o Grêmio, nesta quarta-feira, às 19h (de Brasília), na arena dos gaúchos.

Treinador
O ex-jogador e agora treinador de futebol, Toninho Cecílio, fez questão de elogiar a postura do goleiro Caíque França no elenco do Corinthians. Substituto do convocado Cássio e do lesionado Walter na partida contra o Avaí, ele ganhou a preferência em relação a Matheus Vidotto, que não aceitou o fato de ter ficado para trás na preferência de Fábio Carille. Para o entrevista do Mesa Redonda, da TV Gazeta, do último domingo, Caíque teve a calma necessária para ganhar uma chance, assim como aconteceu anteriormente com outros goleiros do futebol brasileiro. Diferentemente do seu companheiro. “Acho que o Corinthians não tem com o que se preocupar, essas coisas acontecem no futebol. Quando eu estava no Palmeiras, em 1989, a gente perdeu o Zetti em um jogo contra o Flamengo, no Maracanã. Ele quebrou a perna numa dividida com o Bebeto e aí entrou o Ivan (Izzo), terminou as últimas rodadas do campeonato”, relembrou, antes de continuar sua análise. “Mas, na pré-temporada, o Ivan também se machucou e acabou dando chance para o Velloso. E eu nem preciso falar do Velloso”, comentou Toninho sobre o arqueiro campeão brasileiro pelo Palmeiras em 1993 e 1994, fazendo questão de apontar quem ele pensa ser fundamental nesse processo.

Episódio
Dezenas de torcedores organizados protestaram diante da Academia de Futebol antes do jogo contra o Flamengo, disputado na tarde deste domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Dudu, dono da tarja de capitão do Palmeiras, garantiu que não está abalado pelo episódio, mas se disse triste e revelou que um atleta foi atingido por estilhaços de vidro. Os torcedores pediram a saída de 11 jogadores e, na saída do ônibus que transportou a delegação da Academia de Futebol para o Estádio Palestra Itália, atiraram objetos contra o veículo. O atacante Keno e uma integrante do departamento médico do Palmeiras teriam sido atingidos por estilhaços, ambos sem gravidade. “A gente ficou um pouco triste. Saindo para trabalhar… Não sei se foi pedra, o que foi, mas quebrou o ônibus. Jogaram alguma coisa no ônibus, veio estilhaço em jogador. Mas é passado. A gente sabe o amor que eles têm pelo clube, querem sempre o melhor. Nós também sempre queremos vencer, o melhor pelo clube”, disse Dudu. Autor de 39 gols em 158 partidas no Palmeiras, o atacante tem status de ídolo após participar decisivamente dos títulos da Copa do Brasil 2015 e do Campeonato Brasileiro 2016. A despeito da hostilidade demonstrada pelos torcedores, ele negou estar abalado pelo protesto.

Destaque
O diretor desportivo Óscar Árias, do Sevilla, marcou presença e falou sobre diversos assuntos no XII Encontro de Adeptos Sevillistas, evento que reúne torcedores e os coloca em contato com o que se passa dentro do clube, por meio de palestras e conversas com os responsáveis da entidade. É algo comum a outros clubes europeus, como Real Madrid e Barcelona. Um dos tópicos abordados pelo dirigente foi a possível chegada de Guilherme Arana, lateral esquerdo e destaque do Corinthians, ao time espanhol. “Nós não paramos de trabalhar e conhecemos bem nosso modelo de negócio. Quando Daniel Alves chegou a Sevilla, ninguém o conhecia. Teve um rendimento altíssimo que resultou em um projeto muito importante para o clube. Nós trabalhamos com uma filosofia e não a mudaremos. Muitas vezes apostamos em jovens talentos que podem apresentar grandes resultados”, apontou. Além dos Rojiblancos, outros times também estariam de olho na contratação de Arana, como Atlético de Madrid e Barcelona. O jogador tem 20 anos de idade e, por mais que esteja na equipe principal do Corinthians desde 2014, ganhou destaque apenas neste ano, sob o comando de Fabio Carille. O contrato do jogador com o Timão se encerra em dezembro de 2019 e o presidente Roberto de Andrade promete dificultar sua saída antes disso, por mais que boa parte da imprensa já tome como certa a ida ao Sevilla, já em janeiro de 2018.

Arbitragem
Raramente o fim de semana do futebol brasileiro passa sem uma polêmica da arbitragem. No empate entre Bahia e Atlético, por 2 a 2, na Arena Fonte Nova, na tarde deste domingo, também teve. No segundo gol marcado pelo Bahia, os jogadores atleticanos reclamam de alguma irregularidade e o jogo ficou parado por alguns minutos para as reclamações. O meia-atacante, Robinho, reclamou da postura da arbitragem e lamentou. “Dificilmente falo da arbitragem, nem vi o lance, nem reclamei até por estar pendurado, mas eles são confusos, mal preparados, o critério não é o mesmo”, criticou o camisa 7 em entrevista ao canal SporTV. Ele ainda disse que o Galo precisava vencer para ficar mais próximo da vaga na Copa Libertadores. “Fizemos um grande jogo, as duas equipes buscaram o gol o tempo inteiro, a gente queria ganhar, pontuar mais, ficar próximo da briga pela Libertadores, todos buscaram, todos deram o máximo”, finalizou. No lance criticado por Robinho, a arbitragem teve atitude correta ao validar o tento de Edigar Junio, pois o atleta saiu atrás da linha de defensores e desviou a bola de cabeça. O Galo volta a campo contra o Vasco, na próxima quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), no Rio de Janeiro e terá o reforço de quatro titulares.

Expulso
O Fluminense encarou o Cruzeiro no Mineirão na noite deste domingo, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro, e fazia uma boa partida até que o zagueiro Marlon foi expulso aos nove minutos do segundo tempo. Com uma menos em campo, o Tricolor, que havia saído na frente no placar, tomou a virada logo após a expulsão, e não encontrou forças para reagir. O Cruzeiro dominou inteiramente o restante do confronto e fez ainda mais um gol, fechando o placar em 3 a 1. No lance que resultou na expulsão de Marlon, para o técnico Abel Braga, faltou pulso ao árbitro para manter a sua interpretação. A bola tocou no braço do zagueiro do Flu sem que este tivesse intenção, e não seria na visão do treinador um lance para cartão amarelo – o jogador recebeu um amarelo no primeiro tempo por falta. “O árbitro disse que não era pra amarelo. A figura máxima, que comanda, é o árbitro. Ele diz que não é lance para amarelo, pode quem está atrás falar, mas ele tem ou não tem autoridade para resolver? Ali resolveu o jogo, ficou complicado com o 2 a 1. Para nós, o jogo teve 57 minutos,” disse Abel, antes de elogiar sua equipe.

Lamentou
“Nós tivemos as melhores chances. No primeiro tempo foram duas opções mal feitas, poderíamos ter feito mais gols, o jogo se resume até 12 minutos do segundo tempo, na expulsão. O Fluminense foi muito bem até a expulsão,” se lamentou o treinador. Consolo para o Fluminense foi o fato que sua situação em relação ao rebaixamento não piorou. Mesmo caindo uma posição na tabela (13º com 43 pontos), a distância para o 17º colocado, o primeiro na zona do rebaixamento, permaneceu em sete pontos. “A gente não saiu do lugar, pensando em rebaixamento foi bom, porque é menos um jogo, se manteve a distância,” afirmou Abel. O próximo compromisso do Fluminense será contra o Corinthians, nesta quarta-feira, em Itaquera, no jogo que pode dar o título ao Timão. O elenco inicia a preparação para o duelo nesta segunda-feira, ainda em Belo Horizonte, e treinará na Cidade do Galo.

Evitado
O meia Thiago Neves tem em seu currículo uma bela passagem pelo Fluminense. Talvez por isso ele tenha evitado comemorar o gol, na vitória por 3 a 1 do Cruzeiro sobre o Fluminense, na noite deste domingo, no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro. Mas, segundo o jogador, não. A ausência de vibração ocorreu em respeito ao técnico Abel Braga. O treinador passou pela perda de um filho em julho de 2018. O jovem Jonh Jonh como era chamado pelos familiares caiu da janela do apartamento, no Rio de Janeiro, motivo pelo qual Neves preferiu não comemorar seu tento. “Sim, mas mais em respeito ao Abel. Tudo que ele passou com o falecimento do filho, eu o conhecia, eu conheço a esposa dele. Obvio que tenho respeito pelo Fluminense, mas mais pelo Abel”, salientou o camisa 30 do Cruzeiro que ressaltou a capacidade da equipe azul de se superar em campo com a vitória de virada. “Estou feliz pela minha atuação, não só minha, mas o time inteiro foi bem. Aproveitamos as chances. A equipe se superou, conseguiu crescer dentro do jogo e conseguimos o resultado”, acrescentou. O treinador e o meia trabalharam juntos no Fluminense, clube que conquistaram o titulo brasileiro de 2012 e, por lá, construíram uma relação de amizade.

Desempenho
Vasco e São Paulo protagonizaram um duelo de equipes em alta na reta final deste Brasileirão 2017. Com desempenho muito abaixo do esperado no primeiro turno, as duas equipes estiveram ameaçadas pelo rebaixamento, mas conseguiram reagir no segundo turno e até sonham com uma vaga na Libertadores. O São Paulo saiu na frente com um gol no final do primeiro tempo. Jogando em casa, o Vasco correu atrás da reação e conseguiu a igualdade no placar aos 31 da etapa final. O resultado não era o que esperava o técnico Zé Ricardo, já que uma vitória em casa teria feito sua equipe ultrapassar o Flamengo, derrotado pelo Palmeiras, e fechado a 34ª rodada no G7. Em sua coletiva após a partida, o treinador vascaíno admitiu seu desapontamento, mas também elogiou o empenho de seus atletas para não serem derrotados em seus domínios. “Não fiquei satisfeito com o resultado, mas com a recuperação da equipe, com a produção do segundo tempo”, disse.

Ansiosos
“Enfrentamos uma grande equipe, primeiro tempo um pouco ansiosos demais, não conseguimos produzir muita coisa tecnicamente . Equipe não desistiu, buscou a vitória até o final. Teve oportunidades para virar a partida,” completou. O Vasco terá pela frente na próxima rodada o Atlético-MG, concorrente direto por uma vaga na Libertadores. O Vasco é o oitavo colocado na tabela com 49 pontos, três a mais que o Galo, que é o décimo. “Acredito que tenhamos produzido o suficiente para vencer a partida. Mas sempre caminhando para a frente, não conseguimos dar um passo maior, mas quarta-feira contra o Atlético vamos fazer melhor,” aposta Zé Ricardo, que não deu folga para o grupo, que se reapresenta nesta segunda para iniciar a preparação para o confronto.

Irregular
O Flamengo continua com campanha irregular no Campeonato Brasileiro. No domingo passado, sucumbiu diante do Grêmio em Porto Alegre, perdendo por 3 a 1. Na última quarta-feira, derrotou o Cruzeiro com atuação convincente. Já neste domingo, em partida recheada de erros, caiu para o Palmeiras por 2 a 0, no Palestra Itália. Com três derrotas, um empate e apenas uma vitória nas últimas cinco rodadas, a equipe que ocupou por várias semanas posição confortável no grupo que estará na Libertadores em 2018, está seriamente ameaçado de ficar fora do G7. Com 50 pontos, o Rubro-Negro carioca é o sétimo, com Vasco (49), Bahia (46) e Atlético-MG (46) chegando. Na partida deste domingo, o Fla até começou bem em campo, mas um erro defensivo aos 13 do primeiro tempo deixou o Palmeiras em vantagem. O Verdão ampliou aos 35, e o Fla não foi capaz de reagir após ficar dois tentos atrás. Na próxima quinta-feira, o Flamengo visita o Coritiba, no Couto Pereira, pela 35º rodada do Brasileirão. Depois disso, serão mais três partidas para a equipe tentar se garantir na Libertadores: em casa, contra Corinthians e Santos, e na última rodada, contra o Vitória, no Barradão.

Garantida
O Grêmio enfrentou o Vitória neste domingo, no estádio Alfredo Jaconi, com quase todos os titulares e empatou em 1 a 1. O resultado não agradou os torcedores, nem o técnico Renato Portaluppi. O treinador ressaltou que os jogadores estão com o pensamento no dia 22 de novembro, data da primeira partida da final da Libertadores, e por isso não estariam entrando com tanta vontade nos jogos do Campeonato Brasileiro. Contudo, Renato destacou que ninguém tem vaga garantida no time para a decisão do torneio continental. “A indefinição está em todas as posições. Esta semana eu falei duas ou três vezes a mesma coisa para eles: ‘entre com o pensamento no adversário do momento’. No caso, hoje, o Vitória. Não adianta o jogador entrar em campo com o pensamento no jogo do dia 22. Por isso que eu coloquei para eles: ‘Ninguém é titular no dia 22’. Então, eu estou fazendo revezamento em algumas posições e os jogadores sabem disso. Quem vai se escalar para o jogo do dia 22 é o próprio jogador. Então, não adianta o cara achar que está certo para o dia 22, ninguém está. Estou colocando todo mundo para jogar, independente da posição para ganhar ritmo de jogo e para ver o aproveitamento de cada um na sua devida posição”, alertou.

Diferente
Na saída de campo, os jogadores gremistas lamentaram o empate. O centroavante Lucas Barrios disse que o time vai ser diferente no duelo contra o São Paulo. “A gente queria ganhar o jogo. Vocês viram como a gente atacou. Não conseguimos fazer gol e a gente vai fazer de tudo quarta-feira”, afirmou. O goleiro Paulo Victor observou que a equipe gremista pressionou os adversários. “Infelizmente foi bom para o Vitória que jogou com um a menos. O importante é que o Grêmio lutou a todo momento, não faltou empenho de cada jogador, a equipe correu. É difícil falar, mas o Vitória se fechou lá atrás e infelizmente não conseguimos fazer o 2 a 1”, analisou. O elenco do Grêmio vai realizar dois treinamentos na segunda e terça-feira. Na quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), o time gaúcho enfrenta o São Paulo, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS), pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. Esta deve ser a última partida da equipe titular gremista no Brasileirão, após este duelo, o técnico Renato Portaluppi deve preservar uma boa parte do grupo de jogadores visando a final da Libertadores.

Liderança
Contra a Inglaterra, nesta terça-feira, a Seleção Brasileira faz seu último teste de 2017 visando a Copa do Mundo do ano que vem. Depois da liderança nas Eliminatórias, Tite terá seu primeiro amistoso contra uma equipe da Europa e, apesar dos desfalques, a palavra de ordem é foco para uma boa preparação e o melhor rendimento possível. Em entrevista coletiva, Gabriel Jesus revelou certa ansiedade por estreia em Wembley e Philippe Coutinho, poupado do último jogo, disse estar 100% para o jogo contra os ingleses. “Jogar em Wembley é uma honra e também um sonho. Se trata de um grande estádio em que ainda não tive o prazer de jogar. Além de bonito parece ser incrível, com uma ótima atmosfera. Porém, sabemos que a partida está acima de tudo isso e independente de qualquer coisa temos que vencer e jogar bem”, disse Gabriel Jesus.

Essencial
A proximidade da Copa faz com que a qualidade do futebol apresentado seja essencial neste momento. Entretanto, Jesus revelou que tenta não pensar nisso, para que não atrapalhe seu rendimento no clube. “Sabemos que a Copa está cada vez mais perto e isso nos motiva bastante, mas tento ao máximo pensar na Seleção apenas no momento certo, perto de alguma convocação ou do próprio jogo. Como sempre digo, temos que fazer um ótimo trabalho, com muito foco para termos uma boa sequência e poder, futuramente, realizar esse sonho de todos que é disputar uma Copa do Mundo”, disse o atacante. Uma novidade na partida diante dos ingleses deve ser o retorno de Philippe Coutinho ao time inicial. O meia do Liverpool chegou sem condições de jogo e foi poupado da vitória contra o Japão, assim como outros atletas considerados titulares. “Hoje posso dizer que estou 100%. Infelizmente tive uma lesão que me tirou dos últimos três jogos pelo clube. A previsão era que eu estivesse pronto justamente para esse jogo e fico feliz de estar bem. Voltei a treinar há alguns dias e me sinto pronto”, comentou o meia.

Insatisfação
Um dos alvos do Palmeiras para 2018, o lateral-esquerdo Diogo Barbosa, do Cruzeiro, demonstrou insatisfação com a Raposa ao fim da vitória de sua equipe por 3 a 1 sobre o Fluminense, neste domingo. Autor de um dos gols da partida no Mineirão, o jogador desabafou sobre a renovação de seu contrato. “Se fosse um jogador que não foi bem neste ano, tudo bem, mas um atleta que se destacou, campeão, que foi regular. A gente fica chateado. Uma demora para resolver a minha situação… Não sou dono do meu passe (sic), não sou eu que resolvo minha situação” afirmou o lateral. “Se a nova diretoria não quiser que eu fique, eu tenho de aceitar, ir em frente, seguir minha vida. Mas a minha vontade é ficar, ficaria feliz. Se querem esperar até o final do ano para resolver tudo, tudo bem. Se não resolve logo, aí vem outro e resolve. Isso me chateia. Não sei quem procurou, se procurou, mas estou chateado sim, muito chateado” completou Diogo Barbosa.

Desgaste
O técnico Dorival Júnior foi mais um a comemorar o ponto conquistado pelo São Paulo na tarde deste domingo, contra o Vasco, em São Januário, em partida válida pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. Culpando o desgaste físico dos atletas pela pressão que culminou no 1 a 1, ele valorizou a força para segurar os cariocas. “Buscamos os 3 pontos, mas no segundo tempo o Vasco melhorou. Houve um desgaste grande pelo jogo na quinta. Mas saí satisfeito pelo o que o time vem produzindo, jogando de uma maneira segura, esse era o momento que a gente queria que chegasse. São 5 jogos de invencibilidade. Vamos buscar algo a mais quando estivermos tranquilos em relação a Z4”, disse o comandante. O duelo contra a Chapecoense, na quinta-feira, aliás, foi um ponto em comum nas justificativas utilizadas pelos tricolores para a igualdade. Aliado à temperatura de 30ºC na cidade do Rio de Janeiro, o confronto deixou os são-paulinos com pouco poder de reação.

Antecedida
A vitória do Palmeiras sobre o Flamengo, alcançada na tarde deste domingo, foi antecedida por um protesto de dezenas de torcedores. O técnico interino Alberto Valentim, satisfeito com a exibição de sua equipe no Palestra Itália, evitou comentar a manifestação dos organizados. Reunidos em frente ao centro de treinamento, torcedores cobraram jogadores, comissão técnica e diretoria. Um manifesto, assinado pela torcida Mancha Alviverde, pediu a saída de 11 jogadores. Durante a partida contra o Flamengo, no entanto, houve apoio maciço e mais de 27 mil pessoas nas arquibancadas. “O que quero dizer ao torcedor: nossa entrevista coletiva conjunta foi para nos fortalecer, mas também para chamar os torcedores ao nosso lado, como estiveram hoje aqui dentro do estádio. Aproveito a chance para convocá-los novamente, porque vamos precisar muito deles”, afirmou Alberto.

Desafios
Quarto colocado da Série B, com 59 pontos, o Paraná encara dois desafios no Nordeste. Duas vitórias fora de casa, diante de Santa Cruz e CRL-AL, podem garantir o sonhado acesso à Série A, após dez anos, e o grupo paranista conta com isso. Enquanto o time pernambucano já caiu para a Série C, o clube alagoano luta contra o descenso – é o primeiro fora do Z4. “Com certeza, a (semana) mais importante do ano e dos dez anos que a gente está querendo. A torcida tá bem carente com isso. A nossa visão é voltar já do jogo contra o CRB com isso daqui (o aeroporto) lotado, e a gente já com o acesso” disse o zagueiro Rayan à RPC, que voltou a ser titular no triunfo diante do Luverdense. Com dois pontos de vantagem do Oeste, quinto colocado, o Tricolor pega um rebaixado Santa, que também vive crise financeira – jogadores ameaçam entrar em greve e sequer entrar em campo, o que não deve acontecer, por conta dos três meses de salários atrasados. O rival na disputa pelo acesso encara o Internacional, que precisa pontuar para garantir o retorno à elite do futebol brasileiro, em Barueri. Depois enfrenta o também rebaixado ABC-RN, longe de seus domínios.- Neste momento temos que pensar em nós, no que devemos produzir pra conquistar os três pontos, independentemente da situação deles e de como eles vão entrar em campo.

Amistoso
O técnico Tite praticamente confirmou a equipe que vai a campo na terça-feira, no amistoso contra a Inglaterra, em Wembley. O comandante da Seleção Brasileira abriu apenas 25 minutos do treinamento em trabalho específico por setores e, no pouco tempo liberado aos jornalistas, Philippe Coutinho estava entre os titulares. Contra os ingleses, Tite deve mandar a campo a sua formação ideal, como esteve presente no treino: Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho, Renato Augusto, Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus. Durante o treino, o auxiliar Sylvinho orientava o sistema defensivo e simulava a marcação sobre o centroavante. Sem Harry Kane, a Inglaterra deve ir com Jamie Vardy, camisa 9 de ofício. Do outro lado, os jogadores ensaiavam lances em profundidade e pelos lados do campo. O treino desde domingo foi realizado no Craven Cottage, estádio do Fulham. Brasil e Inglaterra se enfrentam na terça-feira, às 18h (de Brasília), em Wembley.

Igualdade
O técnico Oswaldo de Oliveira valorizou o empate do Atlético Mineiro com o Bahia, neste domingo, em Salvador. Ele considerou bom o resultado por causa dos desfalques de sua equipe e também pela história do jogo, em que o Atlético levou a virada e precisou buscar a igualdade no segundo tempo. Na Arena Fonte Nova, o time visitante entrou em campo sem sete jogadores, seis deles titulares. Foram baixa do Atlético Leonardo Silva, Fred, Adílson, Marcos Rocha, Cazares, Gabriel e Felipe Santana. “Quem jogou menos está com menos ritmo, sente a partida e alguns jogadores nossos sentiram muito. A saída do Yago, por exemplo, foi muito lamentada por nós porque ele vinha fazendo uma partida excelente, cumprindo as determinações à risca. Acho que, no final, o empate foi um bom resultado para o Atlético”, avaliou o treinador, ao fim do empate por 2 a 2. “Somar esse ponto aqui foi importante, dadas as circunstâncias em que viemos para cá. Temos jogadores em recuperação que vão poder voltar à equipe na quarta-feira, então, foi muito bom para nós”, disse Oswaldo de Oliveira. Para o treinador, o Atlético teve boa atuação, apesar das baixas entre os titulares. “Nossa equipe tinha muitas modificações. Isso sobrecarregou muito porque tinha jogador ali que ainda não tinha jogado ou, por motivo de contusão, não jogava há muito tempo, isso sobrecarrega muito o trabalho da equipe. Mas o time foi bem, conseguiu fazer um gol na frente, que desmontou um pouco os planos do Bahia, e resistiram heroicamente porque foi uma batalha muito grande”.

Cedendo
O Bahia ficou no empate em casa contra o Atlético-MG, por 2 a 2. O time saiu atrás, conseguiu a virada, mas acabou cedendo a igualdade. Mesmo com o tropeço na Fonte Nova, o técnico Paulo César Carpegiani se mostrou satisfeito com o desempenho do time. “Nós criamos muitas oportunidades. Lamento profundamente por não ter conseguido vencer, pelo resultado de empate. Fiquei realmente aborrecido”, afirmou o experiente comandante, que fez questão de elogiar a atuação de seus atletas. “Como disse para eles, é este futebol que espero dos meus atletas. Quero que continuem jogando assim sempre”, destacou. Apesar dos pontos perdidos, o Bahia aumentou sua série invicta, agora de cinco partidas (três vitórias e dois empates). Sobre o atacante Edigar Junio, que fez os dois gols do Esquadrão de Aço, chegando a 11 no Campeonato Brasileiro, Carpegiani foi só elogios ao seu camisa 11. “Excelente jogador. Rápido, com bom porte físico, velocidade e capaz de segurar os lances. Vive uma grande fase”, enfatizou. Com 46 pontos, o Bahia está quatro atrás do Flamengo, primeira equipe na zona de classificação à Libertadores. O próximo desafio é novamente em casa, contra o Santos, na quinta-feira. Um triunfo é fundamental para o Tricolor seguir sonhando com vaga na principal competição sul-americana.

Inspirada
A torcida corintiana não quis saber da matemática nos acréscimos da vitória por 1 a 0 sobre o Avaí, na noite deste sábado, no estádio de Itaquera. Buscando incentivar o clube em uma jornada pouco inspirada, porém efetiva pela 34ª rodada da competição, os torcedores gritaram “é campeão” para o conjunto de Fábio Carille, mesmo com a taça dependendo de alguns resultados para chegar ao Parque São Jorge. Os primeiros cânticos puderam ser ouvidos logo depois do gol de Kazim, ainda no começo do segundo tempo, mas só ganharam força nos minutos finais. Nem mesmo o quase gol de Maurinho, travado por Fagner na hora certa, amenizou a alegria dos cerca de 42 mil pagantes presentes ao duelo. Aliviados pelo apito final dentro e fora de campo, os corintianos jogadores pediram calma para aqueles na arquibancada. “É jogo a jogo, esse jogo era o mais importante, o que vem agora é o mais importante e a gente vai, pouco a pouco, buscar esse objetivo”, afirmou o meia Rodriguinho, que discursou a respeito do bom momento da equipe dentro de campo, alcançando os últimos nove pontos disputados no Brasileiro. “A equipe soube absorver os elogios quando vieram e também as críticas, conseguimos manter a tranquilidade, vimos que o trabalho vinha sendo feito dessa mesma forma. Tínhamos alguns garotos, os mais experientes tentaram passar para eles para não achar que estava tudo errado. Agora estamos conseguindo nossas vitórias e num caminho muito bom para conquistar esse título”, continuou o armador.

Consistente
No último sábado, a Série B do Campeonato Brasileiro conheceu um novo líder. Com o empate entre Internacional e Vila Nova, o América-MG fez o papel fora de casa, venceu o Figueirense por 2 a 1 e assumiu a ponta. Não suficiente, o Coelho chegou aos 66 pontos e garantiu o acesso à Série A de 2018. Com gols de dois defensores, Rafael Lima e Giovanni, a vitória veio sem grandes riscos e com um primeiro tempo bastante consistente. A partida teve um início avassalador do time visitante e um gol com menos de um minuto. Quando a partida estava mais tranquila, o Figueirense chegou ao gol de empate, mas sofreu o segundo tento no último minuto da primeira etapa. O segundo tempo foi mais cadenciado e o time da casa ofereceu poucos riscos ao goleiro João Ricardo. O triunfo garantiu o acesso e a ponta da Série B. Aos 29 minutos aconteceu o lance mais perigoso do segundo tempo e foi do time do América-MG. Gérson Magrão cobrou escanteio e Bill subiu para completar a bola que parou na trave e evitou a vantagem maior do time de Minas Gerais. A reta final foi na base da pressão e sem nenhuma organização. Dudu tentou, mas parou em João Ricardo, Henan também tentou e nada conseguiu para empatar o duelo.

Confusão
O STJD denunciou o volante Felipe Melo, do Palmeiras, e o atacante Clayson, do Corinthians, pela confusão no intervalo do Dérbi do último domingo, em Itaquera. O julgamento será na próxima quinta-feira. Deyverson, o árbitro Anderson Daronco e os dois clubes também irão para o banco dos réus. Felipe Melo e Clayson foram enquadrados no artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, por “assumirem conduta contrária à ética desportiva”, e podem levar gancho de uma a seis partidas. Os dois discutiram a caminho do vestiário e foram gravados atirando objetos um contra o outro. Deyverson, atacante do Palmeiras, foi enquadrado no artigo 254-A (agressão) e pode levar de 4 a 12 partidas de suspensão se a denúncia não for desqualificada para ato hostil (punição de um a três jogos). Ele foi expulso após atingir o rosto de um adversário com o braço. Anderson Daronco foi denunciado por “deixar de cumprir a regra do jogo” e pode ser suspenso de 15 a 120 dias. No edital de citação e intimação divulgado pelo STJD, não está especificado em qual lance o árbitro teria cometido a infração, mas ele não citou o entrevero do intervalo na súmula. Já os clubes foram denunciados por atraso para entrar no gramado. A pena é uma multa de R$ 1 mil por minuto.

Desgaste
O técnico Fábio Carille ficou decepcionado com a intensidade demonstrada pela sua equipe na noite deste sábado, mas disse que já esperava esse desgaste físico na vitória por 1 a 0 sobre o Avaí, no estádio de Itaquera. Para ele, jogar três jogos em menos de sete dias, com o cansaço acumulado do Derby, no domingo, e da partida frente ao Atlético-PR, na quarta-feira, acaba resultando nisso. “O jogo é um jogo que me preocupava muito, pela questão da intensidade, do que foi a semana, final de ano, de campeonato, o que foi o jogo contra o Palmeiras. E isso aconteceu”, disse o treinador, que preferiu exaltar a capacidade dos atletas em segurar o 1 a 0 mesmo com pouca inspiração. “Sentimos jogadores não dominando bem a bola, mostra que a cabeça está querendo e o corpo não está respondendo. Mas foi um passo importantíssimo para o título e sei que a nossa vantagem amanhã (domingo) aumenta, no mínimo serão oito pontos com um jogo a menos”, avaliou, sem querer falar em título antes de confirmar a conquista matematicamente.

Vantagem
“Dizer que está próximo, realmente está, mas não está nada definido ainda. É emoção. No mínimo vamos terminar com oito pontos de vantagem. Se o Grêmio não conseguir a vitória nossa vantagem aumenta. Mas, mesmo assim, com 12 pontos em disputa, a vantagem é muito grande. Torcida veio, encheu, ajudou muito”, observou, explicando as alterações ofensivas, com a entrada de Jadson, e defensivas, com a opção por Maycon. “A primeira foi tática, do Jadson, e as outras duas foram questões de cansaço. Clayson eu achei um pouco abaixo o jogo todo, estamos trabalhando para que ele melhore a parte física. Fui para um 4-1-4-1 com dois meias, prendendo o Gabriel, Depois para um 4-2-3-1 com o Maycon, saindo o Rodriguinho que estava mais desgastado”, avaliou o comandante, após o terceiro jogo consecutivo com um atleta em jejum de gols se tornando nome importante. “Eu fechei lá com os jogadores falando sobre isso. Giovanni ajudando lá em Coritiba, fez o gol decisivo. O Kazim, que tinha feito contra o Audax, em Osasco. Tenho certeza que se ele tiver mais oportunidade, ele melhora o jogo dele. Só que o Jô não dá espaço para isso. Estou muito feliz, sei o quanto os jogadores já ouviram. Teve jogo que chamei o Giovanni e o estádio veio abaixo em cima dele. Mas eu não desisto de jogador”, relembrou, confiante em afastar o “oba oba” do elenco.

(*) Wilson Barbosa é jornalista e cronista esportivo. Email: www.wilsonbarbosatreze@gmail.com

Deixe uma resposta