Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Colunistas | Wilson Barbosa | Panorama Esportivo – por Wilson Barbosa

Panorama Esportivo – por Wilson Barbosa

Desempenho

Roger foi o autor do primeiro gol botafoguense na partida – Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Buscando continuar no G4, a Chapecoense recebeu o Botafogo neste domingo na Arena Condá. Sem conseguir manter o mesmo desempenho das primeiras rodadas, o Verdão do Oeste teve dificuldades contra os rivais alvinegros, que não se intimidaram com a torcida adversária e com bastante objetividade conquistaram a importante vitória por 2 a 0, gols de Roger e Rodrigo Pimpão, para se aproximar das primeiras posições do Campeonato Brasileiro. Após quatro jogos sem vencer no Brasileirão, o Botafogo voltará para o Rio de Janeiro bem mais tranquilo. Pressionado por conta dos resultados recentes, o técnico Jair Ventura teve de lidar com as ausências do lesionado Camilo, mas ainda assim pôde conquistar o triunfo em Santa Catarina para diminuir os questionamentos por parte da torcida e da imprensa. O Botafogo volta a entrar em ação na próxima quarta-feira, quando encara o Vasco, às 21h (de Brasília), no estádio Nilton Santos, o Engenhão. Já a Chapecoense entra em campo na quinta-feira, contra o Flamengo, às 21h, no estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador.

Acompanhou
O Palmeiras finalmente venceu sua primeira partida fora de casa nesta edição do Campeonato Brasileiro. Após quatro derrotas longe do Palestra Itália, o Verdão bateu o Bahia por 4 a 2, na tarde deste domingo, na Arena Fonte Nova. O torcedor palmeirense que acompanhou a partida deste domingo pôde ver um Palmeiras com uma postura muito diferente em campo. Marcando em cima e sem dar sossego para os zagueiros do Bahia saírem jogando, o Alviverde abriu o placar em cobrança de pênalti de Róger Guedes, sofrido por Keno, aos 15 minutos. Depois do começo de jogo eletrizante, a partida perdeu em chances de gol, mas seguiu emocionante. O Verdão apostava na marcação alta, enquanto o Bahia abusava das bolas longas no costado da zaga alviverde, o que chegou a levar perigo em algumas oportunidades. Com 44 jogados, o Tricolor surpreendeu e apostou na jogada individual para empatar o confronto. Zé Rafael deu uma caneta em Mina e ficou de frente com Prass, que fez a defesa. No rebote, Edigar Junio cabeceou e o palmeirense pegou mais uma, mas nada pôde fazer no segundo rebote, quando Vinicius mandou para o fundo das redes.

Complementar
Na etapa complementar, o Verdão voltou ainda mais ligado na partida. Aos dois minutos, Róger Guedes marcou, mas o tento foi corretamente anulado. Um minuto depois, Keno dominou na entrada da área, limpou para o meio e bateu de direita. A bola explodiu na zaga e ficou com Tchê Tchê na área, que ajeitou para Guerra na meia-lua. O venezuelano dominou, levantou a cabeça e rolou para Keno, que arriscou nova finalização, e desta vez mandou a bola no ângulo. Depois de muito pressionar, o Palmeiras chegou ao terceiro gol graças a seu zagueiro artilheiro. Jean cobrou falta na área, Juninho cabeceou para o gol e, antes de a bola entrar, Yerry Mina deu o carrinho para conferir e mandar para as redes. Com o terceiro tento alviverde, a impressão era de que o Palmeiras iria controlar a partida até o seu final. A tranquilidade, porém, durou pouco, já que o Bahia diminuiu no ataque seguinte. Eduardo cruzou na área, Juninho cometeu falha bisonha ao errar o tempo de bola, e João Paulo ganhou disputa pelo alto para mandar para as redes. Por fim, coroando o belo jogo na Arena Fonte Nova, Willian anotou outro golaço alviverde. Bigode puxou contra-ataque pela direita, Erik ficou com ela na meia-lua e se enrolou com a bola. Na sobra, o atacante dominou e, sem deixar cair, emendou um sem-pulo acertando o canto de Jean, que nada pôde fazer. Na próxima rodada, o Palmeiras recebe o Atlético-GO, quarta-feira, às 21h (de Brasília), no Estádio Palestra Itália. Já o Bahia volta a campo apenas na quinta-feira, quando visita o Corinthians, às 19h30 (de Brasília), na Arena de Itaquera.

Acréscimos
Um gol marcado pelo peruano Trauco aos 49 minutos do segundo tempo evitou que o Flamengo fosse derrotado no clássico deste domingo diante do Fluminense, no Maracanã, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. O Flu estava vencendo até os acréscimos, mas sofreu o gol que decretou a igualdade no placar, encerrando a partida em 2 a 2. Wendel e Henrique Dourado marcaram para o Tricolor das Laranjeiras, enquanto Diego anotou o outro tento do Flamengo. A nota pitoresca da partida foi que o árbitro do jogo, Vinícius Gonçalves Dias de Araújo, sentiu uma lesão na coxa durante o segundo tempo e trocou de função com Flávio Rodrigues de Souza, assistente adicional 1, que estava atuando atrás do gol. Com o empate, as duas equipes chegaram aos 11 pontos, mas o Fluminense ocupa a 10ª posição, enquanto o Rubro-negro está na 11ª. O resultado espelhou o que aconteceu na partida. O Flamengo foi mais agressivo, enquanto o Tricolor mostrou mais objetividade para aproveitar as poucas oportunidades que apareceram durante o jogo. Na próxima rodada, o Fluminense vai enfrentar o Avaí, na Ressacada. Já o Flamengo vai receber a Chapecoense, na Ilha do Urubu.

Derrotado
Os 22.704 torcedores que foram ao Morumbi viram um filme repetido na noite desse domingo. Assim como no Campeonato Brasileiro do ano passado, o São Paulo acabou derrotado pelo Atlético-MG por 2 a 1. Dessa vez o duelo foi válido pela oitava rodada do nacional por pontos corridos. Se Maicosuel e Pratto, algozes do Tricolor em 2016, hoje defendem o clube paulista, Cazares e Rafael Moura foram os responsáveis por acabar com os 100% de aproveitamento do time de Rogério Ceni em casa. Marcinho descontou, mas não evitou o revés, que se soma a uma sequência de empate com o Sport e derrota no clássico com o Corinthians. Para o Galo, o triunfo teve gosto de alívio. Os mineiros tinham apenas uma vitória no Brasileirão até agora. Os primeiros três pontos fora de casa amenizam a pressão sobre o time afastam o clube da zona de rebaixamento.

Tricolor
Agora, o alvinegro é 15º, com nove pontos, enquanto o tricolor estaciona nos 10 pontos, mas cai para a 13ª colocação na tabela de classificação. De novo apostando na defesa postada com três zagueiros, a equipe de Rogério Ceni sofreu nos minutos iniciais para escapar de uma marcação alta dos atleticanos. Pressionados, Militão, Lucão e Maicon recorreram aos lançamentos longos para Júnior Tavares e Marcinho, os pontas do time, pelo menos cinco vezes nos minutos iniciais. Agora, ambas as equipes se concentram para quarta-feira, às 21h45. O São Paulo visitará o Atlético-PR na Arena da Baixada, em Curitiba, enquanto o Atlético-MG receberá o Sport Recife, no Independência, em Belo Horizonte.

Arbitragem
O Corinthians assumidamente jogou mal no empate por 0 a 0 com o Coritiba, na manhã deste domingo, mas poderia ter deixado o Couto Pereira com mais uma vitória. Já no final do jogo, a arbitragem errou ao anular um gol do centroavante Jô por impedimento, o que irritou a equipe comandada por Fábio Carille. “Parece ou não estava impedido?”, contestou o técnico, ao escutar uma pergunta sobre o lance polêmico. “O bandeira daquele lado estava muito estranho desde o começo do jogo”, acrescentou, antes de definir o gol como “legítimo”. Quem também não disfarçou o seu descontentamento foi o volante Gabriel, substituído por Camacho no segundo tempo. Sem que fosse questionado sobre o assunto, ele reclamou da decisão do árbitro Marcelo de Lima Henrique.

Incomoda
“Em se tratando de Corinthians, é para vencer qualquer jogo. Sabemos disso, temos essa responsabilidade. Hoje, não jogamos bem. Mas também foi um ponto que ganhamos que era para ter sido três por causa do erro crucial da arbitragem. Isso incomoda um pouco. Tem que ser revisto”, protestou. Um dos mais calmos com a situação era o próprio Jô. Ainda no gramado do Couto Pereira, o centroavante admitiu que não sabia dizer se estava impedido ao receber a bola do volante Maycon e completar para o gol. “Foi muito rápido, uma jogada de um-dois, como falamos no futebol. Não deu para ver se o impedimento foi do Maycon ou meu. O mais importante é que conseguimos pontuar. O time está cansado pela sequência de jogos, mas conseguiu um pontinho”, comentou Jô.

Satisfeito
O Vitória foi à Ilha do Retiro para enfrentar o Sport, em duelo que fechou os jogos de domingo da oitava rodada do Brasileirão, e saiu de campo extremamente satisfeito. O Rubro-Negro baiano teve uma grande exibição, venceu os pernambucanos por 3 a 1 e deixou a zona de rebaixamento, empurrando os adversários para o Z4. Com gols de Uillian Correia, Kanu e André Lima, o Vitória chegou aos oito pontos, alcançou a 16ª colocação no Campeonato Brasileiro e irá terminar a rodada fora da zona de rebaixamento. Já o Sport, que também tem oito, ficou na 17ª posição, entrando no Z4. O gol do Rubro-Negro pernambucano foi marcado por Diego Souza. Na próxima rodada, o Vitória irá receber o Santos, na quarta-feira, às 19h30(de Brasília), no Barradão. O Sport joga na mesma data, às 21h45(de Brasília), visitando o Atlético-MG, no Independência. No decorrer da segunda etapa, porém, o Sport perdeu o fôlego e o Vitória começou a pressionar. Aos 27, Patric arriscou de fora da área e obrigou Magrão a fazer uma grande defesa para evitar o gol. Na sequência, porém, o goleiro do Sport não pôde fazer nada. Aos 33, Cleiton Xavier fez boa jogada pela direita e cruzou rasteiro. Livre, André Lima apenas empurrou para a rede e fez o terceiro dos visitantes. Após sofrer o terceiro gol, o Sport tentou uma pressão desordenada e não conseguiu ser efetivo. Com isso, o Vitória apenas administrou a vantagem e garantiu o importante triunfo por 3 a 1.

Xingamentos
A derrota do São Paulo para o Atlético-MG nesse domingo caiu na conta de Lucão. Um erro do zagueiro já nos minutos finais do duelo culminou no gol de Rafael Moura e decretou o revés no Morumbi. O lance bastou para a torcida tricolor voltar a perseguir o zagueiro revelado pelas categorias de base do clube. Vaias a cada toque na bola e muitos xingamentos após o apito final tornaram o clima constrangedor para Lucão, que desabafou aos microfones. “É normal (pegarem no pé). Acho que faz uns quatro anos que a torcida pega muito no pé de alguns jogadores específicos. Normal. Eu não podia errar hoje, mas fui infeliz no lance, a bola bateu nele (Rafael). Se ela tivesse passado, seria normal. Mas não foi. Enquanto eu estiver aqui, eles vão pegar no meu pé. Eu tenho que ser profissional e lidar bem com isso. Para a alegria de muitos, eu sei que vou sair daqui em breve”, disse o jogador de 21 anos, surpreendendo os repórteres. Na sequência, Lucão foi indagado sobre sua afirmação e reiterou: “Sim, vou (sair)”. O curioso é que nem o jogador nem o São Paulo têm propostas de outros clubes. O que há é uma convicção do atleta de que não há mais clima para continuar defendendo um time em que não é bem quisto pela maior parte dos torcedores. Com isso, tanto o staff de Lucão quanto a diretoria são-paulina estão trabalhando para encontrar uma solução, que é sinônimo de um novo lugar para Lucão seguir sua carreira.

Tranquilo
Cuca repetiu o discurso da última quarta-feira e, acima dos três pontos, celebrou muito a atuação do Palmeiras e valorizou o futebol apresentado na tarde deste domingo, na goleada por 4 a 2 sobre o Bahia, na Arena Fonte Nova. No entanto, se no meio de semana o Verdão foi derrotado pelo Santos na Via Belmiro, o triunfo deste domingo deixa o técnico mais tranquilo de que sua equipe está no caminho certo. “O Bahia é um bom time, acho que é o melhor Bahia que a gente viu nos últimos anos, o campeonato vai provar isso. Saímos aliviados, lógico, porque trabalhar no Palmeiras e estar rondando a zona de rebaixamento é complicado, é difícil. A vitória é boa para dar uma respirada, resgatar a confiança de todos, mas temos que ter os pés no chão, porque quarta-feira temos que fazer outro grande jogo (contra o Atlético-GO, às 21h (de Brasília), no Palestra Itália)”, afirmou, antes de analisar a partida. “Foi um resultado merecido acima de tudo. O desempenho que a gente busca nos trouxe uma vitória, o mesmo desempenho que tivemos nos últimos jogos, mas que às vezes não vencemos. Foi um jogo difícil, o Bahia tem um quarteto de ataque que se movimenta muito, tem muita velocidade, tem uma influência grande da torcida. É uma equipe que só havia perdido um jogo aqui no ano, para o Vitória.

Hostilizado
Lucão acabou sendo o centro das atenções durante e depois da derrota do São Paulo para o Atlético-MG no Morumbi nesse domingo. Hostilizado pela torcida tricolor pela falha que originou no segundo gol do Galo, o zagueiro revelou, logo após o apito final, que vai deixar o clube por causa da perseguição que tem sofrido. O desabafo, no entanto, não caiu bem para o técnico Rogério Ceni, que questionou a postura de seu jogador aos microfones. “Não vi a declaração. Estou sabendo pelas suas palavras. Lamento que ele dê esse tipo de declaração, porque vaias e aplausos são do jogo. Ele é um patrimônio do clube e prefiro ver melhor exatamente as palavras que ele usou. É sempre ruim quando você é vaiado, mas tem de ter cabeça no lugar para não dar uma declaração que não possa se arrepender futuramente. Eu sou de uma época em que, independentemente de vaias, era sempre muito especial jogar pelo São Paulo. Queria que ele tivesse também esse tipo de sentimento”, disse o maior ídolo são-paulino em sua entrevista coletiva. Se por um lado não aprovou a declaração de Lucão, Ceni tratou de partir em defesa do camisa 4 nas questões referentes ao seu desempenho em campo. “(Problema) técnico, não. Emocional, pode ser uma influência, mas, independentemente dos erros individuais, a responsabilidade é minha. Eu que escolho sistema de jogo e as peças”, avisou, antes de completar.

Espancado
Um dos corintianos agredidos na manhã deste domingo em Curitiba teve alta do hospital nesta tarde. Após ser espancado, Jonathan José Gomes Souza da Silva, que chegou a ser dado como morto pelas autoridades locais, foi liberado após uma série de exames e já está a caminho de casa. O torcedor inclusive teria sido flagrado em uma fotografia nos arredores do estádio Couto Pereira surpreendentemente sorrindo e fazendo sinal de positivo. Em vídeo da confusão divulgado horas mais cedo, o torcedor corintiano aparece gravemente ferido após sofrer uma série de agressões de torcedores do Coritiba. Um deles desferiu uma sequência de chutes na cabeça de Jonathan José. Horas depois, este último teria sido identificado e preso pelo polícia local. Em trabalho conjunto das Polícias Civil e Militar, João Carlos de Paula, de 24 anos, foi autuado e detido nas arquibancadas do Estádio Couto Pereira. O torcedor do Coritiba, que faz parte da torcida organizada Império Alviverde, responderá por tentativa de homicídio e pode pegar de oito a 20 anos de prisão. Jonathan José Gomes Souza da Silva chegou a ser dado como morto pelo delegado Clovis Galvão, da Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos (Demafe). No entanto, a informação foi desmentida logo depois. O torcedor chegou a ser encaminhado para o Hospital do Trabalhador para receber atendimento. A confusão nos arredores do Estádio Couto Pereira teria ocorrido em virtude de três ônibus e uma van com torcedores do Corinthians terem passado sem escolta pela rua em que fica a sede de uma das torcidas organizadas do Coritiba. Segundo as autoridades locais, que concederam entrevista coletiva na sequência, os corintianos foram de encontro com os coxas-brancas com intenção de brigar.

Sequência
O Botafogo teve de lidar com uma sequência de quatro jogos sem vitória antes de enfrentar a Chapecoense, neste domingo, na Arena Condá. Após a vitória por 2 a 0 sobre os donos da casa, o técnico Jair Ventura exaltou o grupo e comemorou bastante a conquista dos três pontos longe do Rio de Janeiro. “Quando você não vence no futebol, começam alguns fantasmas. ‘O time está tomando muito gol, os atacantes não marcam…’ Hoje quebramos mais um tabu”, disse o comandante alvinegro. Em entrevista coletiva após o jogo, Jair disse que a vitória foi importante para motivar o time, que vinha jogando bem, mas não conseguia vencer. O treinador garantiu que o grupo não estava sentindo pressão por conta do desempenho satisfatório, porém, o resultado ajudará o grupo na sequência da temporada. “A gente sabe que no futebol se precisa do resultado, mas quem trabalha com performance, avalia a performance e não apenas o resultado”, afirmou. O Botafogo volta a campo na próxima quarta-feira, quando enfrenta o Vasco, às 21h (de Brasília), no estádio NIlton Santos, o Engenhão.

Experiente
O empate em 0 a 0 com a Ponte Preta, no último sábado, no Pacaembu, acabou com duas importantes sequências do Santos. A igualdade com a Macaca impediu o Peixe de chegar a sua quarta vitória seguida e encostar de vez nos líderes do Campeonato Brasileiro. Além disso, o tropeço no time de Campinas ainda encerrou com a série perfeita de 20 triunfos seguidos no Paulo Machado de Carvalho. Porém, nem tudo foi lamentação no estádio paulistano. Isso porque o resultado contra os pontepretanos fez o Alvinegro Praiano alcançar a marca de quatro jogos seguidos sem sofrer gols. O feito é inédito em 2017 e foi bastante comemorado pelos zagueiros santistas. “Conseguimos corrigir a defesa. Procuramos acrescentar em detalhes”, disse Lucas Veríssimo, que assumiu a titularidade e desbancou o experiente Cleber, contratado em dezembro por R$ 7,3 milhões junto ao Hamburgo, da Alemanha. Com o empate diante da Ponte, o Peixe ficou com 13 pontos e chegou na quarta colocação. O alvinegro volta a entrar em campo já na próxima quarta-feira, quando viaja até Salvador para pegar o Vitória, no Barradão, às 19h30 (de Brasília), pela nona rodada do Brasileiro.

Proposta
O zagueiro Fabián Balbuena não demonstrou muito entusiasmo – ao menos publicamente – com a proposta oficial que recebeu para se transferir para o Genoa, da Itália. O Corinthians já rejeitou a oferta, considerada baixa, e avisou que não pretende negociar o paraguaio de 25 anos, com quem tem contrato até o final de 2018. “A proposta que chegou foi do Genoa, e não da Lazio. É preciso falar com o Corinthians. Eles vão conversar com o meu empresário, mas continuo trabalhando da mesma forma, focado no time, nos treinos. A minha cabeça está só no Corinthians”, garantiu Balbuena, que desperta a atenção de outros clubes italianos. Após sofrer com a má fase coletiva do Corinthians em sua primeira temporada no futebol brasileiro, no ano passado, Balbuena se firmou em 2017. Ele tem formado uma elogiada dupla de zaga com Pablo e já acumula 71 jogos como corintiano, com três gols marcados.

Reconheceu
A última partida, contudo, não foi das melhores. Balbuena concordou com o técnico Fábio Carille e reconheceu que o Corinthians não jogou bem no empate sem gols com o Coritiba, na manhã de domingo, no Couto Pereira. “Esse horário das 11 horas afetou um pouco, por não estarmos acostumados. Acabou mudando a nossa alimentação. Mas também deveríamos ter entrado mais ligados. Encontramos um rival bom, que conhece o seu campo, muito seco”, disse Balbuena, sem desprezar completamente o empate. “O pessoal tentou. É um ponto que nos serve. O time está bem, firme e forte. Vamos seguir trabalhando”. O Corinthians deverá ter nova mudança no seu meio-campo diante do Bahia, na quinta-feira, em Itaquera. Poupado do empate sem gols com o Coritiba após reclamar de desgaste físico acentuado, o meia Jadson provavelmente ficará à disposição do técnico Fábio Carille na nona rodada do Campeonato Brasileiro.

Titular
Quem deixará a formação titular será o meia Marquinhos Gabriel, escalado contra Vasco, São Paulo, Cruzeiro e Coritiba. Nos dois últimos jogos, no entanto, ele sentiu uma lesão no músculo posterior da coxa direita e precisou ser substituído por Clayson. “Estamos preparados para todas as situações. Sabemos da importância do Jadson, da importância do Marquinhos, do que cada um pode nos dar. O grupo todo está preparado para entrar e fazer o seu melhor”, comentou Carille, que geralmente minimiza eventuais problemas para escalar o Corinthians. O técnico também não quis especular em torno da baixa de Marquinhos Gabriel contra o Coritiba – o seu time jogou mal na manhã de domingo, como o próprio Carille reconheceu, e ficou com a liderança do Campeonato Brasileiro ameaçada pelo Grêmio ao empatar no Couto Pereira. “O Marquinhos não vinha fazendo um bom jogo e voltou a sentir a coxa. O Clayson entrou e acompanhou a média da equipe, muito abaixo”, disse o comandante do Corinthians, que voltou a contar com Rodriguinho, antes na Seleção Brasileira, no fim de semana. Fábio Carille começará a preparar o seu time para o confronto com o Bahia na tarde desta segunda-feira, quando o elenco corintiano irá se reapresentar no CT Joaquim Grava. Marquinhos Gabriel passará por avaliação médica, e Jadson deverá trabalhar em campo.

Empatou
O empate no clássico conquistado pelo Flamengo no final da partida animou o técnico Zé Ricardo. Ele lembrou que o time já empatou cinco vezes no atual Campeonato Brasileiro, mas que esse teve um gosto diferente porque foi perseguido até o final. O treinador afirmou que o Flamengo teve chances de sair em vantagem durante a partida, mas o fato de nunca ter desistido depois de ficar duas vezes em desvantagem, mostra que a equipe está recuperando o seu melhor jogo. “Acredito que a tendência é que as coisas melhorem. Espero que na quinta a torcida compareça em massa para tentar a vitória contra a Chapecoense”, afirmou o comandante de 46 anos. Na entrevista coletiva, o técnico rubro-negro disse ter certeza de que o Flamengo vai entrar nos trilhos novamente e subir na tabela de classificação. Zé Ricardo disse que esperava que o time marcasse o segundo gol na frente do adversário e já estava preparando Conca para entrar, quando aconteceu o pênalti a favor do Fluminense. Mas ressaltou a determinação da equipe em buscar os resultados. “Os atletas estão compenetrados e sabedores do que é preciso fazer”. Já o experiente meia Diego estava decepcionado com mais um empate. O jogador disse que esperava um início melhor do Flamengo no Campeonato Brasileiro e que é necessário que o grupo ligue o sinal de alerta para ter condições de chegar a uma posição melhor na classificação.

Lamentou
O técnico Abel Braga não costuma criticar as arbitragens, mas quebrou a regra neste domingo após o empate diante do Flamengo. Na entrevista coletiva, o técnico lamentou que não se tivesse marcado o impedimento de Everton no lance que antecedeu o primeiro gol do adversário e que o árbitro também não puniu a violência de alguns jogadores do Flamengo. “Fair play ficou longe. Richarlison levou seis pontos no vestiário”. Para Abel, tudo está complicado no país e isso deve estar se refletindo também no futebol. Ele falou sobre a violência das torcidas em Curitiba e que o jogo do Maracanã foi um reflexo de tudo de ruim que está acontecendo. O técnico também lembrou que no jogo de quarta-feira teve um gol do Fluminense corretamente anulado, mas o deste domingo, do Flamengo, passou em branco. “Enfim. Foi aquilo de sempre. E os jogadores mostraram que não é um time sem vergonha. É um time de amor e de luta. De amor à camisa”, ressaltou. Sobre a entrada violenta de Conca que provocou a saída de Orejuela, o técnico do Fluminense disse que a entrada do argentino sobre um colega de profissão não teve o menor sentido. E que ele deveria ter sido expulso. ”Não sei se o Conca perdeu a cabeça com a vaia que aconteceu. Nada justifica o que ele fez”, analisou. Em relação à falta de jogadores experientes no elenco, Abel disse que vai colocar para jogar quem está no elenco. E não vai culpar a diretoria. “Não vou falar mal. Não vou justificar nada. O presidente é uma pessoa correta e também não fala nada que não pode. E não sei se, com jogadores cascudos, a gente não sofreria o gol”, avaliou.

Equilíbrio
A Chapecoense saiu de campo frustrada com a derrota por 2 a 0 sofrida para o Botafogo neste domingo na Arena Condá. Sem Rossi, principal peça de desafogo da equipe, o Verdão do Oeste teve Apodi como sua principal arma durante o duelo, no entanto, prevaleceu a consistência dos rivais cariocas. Para Wagner Mancini, faltou equilíbrio ao time atual campeão da Copa Sul-Americana. “Acho que hoje a Chape não teve o que é o forte dela: equilíbrio. A falta desse equilíbrio fez com que a gente permitisse ao Botafogo coisas que a gente normalmente não permite. Sabemos que a Chape pode render mais e diante disso precisamos saber que jogando fora de casa, diante do Flamengo, vamos ser testados, pressionados. Temos que ter a frieza da equipe que já fez bons jogos. Temos que parar de errar”, disse o técnico da Chapecoense já projetando o duelo da próxima quinta-feira, contra o Flamengo, no estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador. Embora a temporada 2017 já esteja se encaminhando para o segundo semestre, Mancini não escondeu que a Chapecoense ainda está em busca de reforços. Ciente de que o ano será longo e precisando se manter na elite do futebol nacional, o clube espera trazer novos nomes que possam agregar ao elenco mesmo com a limitação financeira que tem de lidar por ser um clube de menor expressão. Por fim, Mancini falou sobre a discussão protagonizada pelo zagueiro Victor Ramos e Apodi. O defensor chamou a atenção de seu companheiro de maneira bastante ríspida, mas o treinador garantiu que isso é necessário em uma equipe de futebol.

Empenho
O Atlético-MG venceu sua segunda partida no Campeonato Brasileiro, após bater o São Paulo, por 2 a 1, no Morumbi, na tarde deste domingo. Os gols foram marcados por Cazares e Rafael Moura e serviram para tirar o grupo preto e branco da zona de rebaixamento. Após o duelo, os atletas alvinegros comemoraram os três pontos e já querem uma sequência. “A gente jogou com raça desde o inicio, a gente sofreu o gol, mas valeu o empenho de todos, vitória com a cara do Galo, esperamos uma sequência boa agora”, ressaltou Robinho. O volante Elias comemorou o resultado desta tarde e lembrou que o Galo fez bons jogos, mas as vitórias não apareceram, algo que aconteceu nesta tarde. “Importante (vitória), a gente fez partidas boas, mas não conseguiu vencer, a única que a gente não jogou que não mereceu vencer foi conta o Vitória, estamos felizes, com a dedicação, com o futebol apresentado”, detalhou. O Atlético volta aos treinamentos na tarde desta segunda-feira, na Cidade do Galo. Na próxima quarta, o time entra em campo contra o Sport, no Independência.

Homenagem
O centroavante Jô recebeu uma homenagem da diretoria do Corinthians após o empate sem gols com o Coritiba, que marcou a sua 150ª partida a serviço do clube paulista. O jogador de 30 anos ganhou uma placa das mãos do diretor de futebol Flávio Adauto ainda no vestiário do Couto Pereira, neste domingo. Cria das categorias de base do Corinthians, Jô retornou ao clube no final do ano passado após rodar por CSKA Moscou, da Rússia, Manchester City e Everton, da Inglaterra, Galatasaray, da Turquia, Internacional, Atlético-MG, Al-Shabab, dos Emirados Árabes Unidos, e Jiangsu Suning, da China. Para triunfar novamente como corintiano, Jô diz ter deixado no passado a vida indisciplinada, apegando-se à religião. Comportado, o centroavante ajudou a conduzir o time de Fábio Carille ao título paulista de 2017 e à liderança do Campeonato Brasileiro, marcando gols decisivos. Jô já acumula 29 gols pelo Corinthians. Seriam 30 se o que ele fez nos minutos finais da partida contra o Coritiba não tivesse sido erroneamente anulado pela arbitragem, que viu impedimento no lance.

Rendimento
Com a experiência de quem já foi idolatrado e hoje tem sofrido com críticas pela queda de rendimento, Maicon resolveu mais uma vez dar a cara à tapa depois de um resultado negativo do São Paulo. Mais do que isso, o ex-capitão do time saiu em defesa de seu companheiro Lucão, vilão no duelo desse domingo contra o Atlético-MG e autor de um desabafo reprovado imediatamente por Rogério Ceni e que deve fazer com que o jovem zagueiro deixe o clube. “Lucão é um jogador com muita qualidade. Se parar para analisar ele tem quase 100 jogos (são 92) pelo São Paulo com 21 anos. Claro que a torcida nem sempre tem aquela paciência, mas o Lucão é um cara que tem muita qualidade, novo e pode dar muita alegria ao São Paulo”, opinou Maicon, antes de lembrar sua própria falha no clássico contra o Corinthians, em Itaquera, há uma semana. “Ninguém gosta de errar. Eu, quando tive a infelicidade de errar um passe contra o Corinthians, que resultou no segundo gol do Corinthians, também fiquei bem chateado. Se ele não ficasse chateado seria estranho, demonstraria acomodação. Jogador quando erra tem que ficar muito frustrado mesmo. Eu fiquei e tem que ficar”, ressaltou, minimizando o fato de Lucão deixar deixado o Morumbi cabisbaixo.

Situação
A derrota para o Galo acabou com os 100% de aproveitamento do Tricolor no Morumbi, levou a equipe ao terceiro jogo seguido sem vitória e ao 13º lugar no Campeonato Brasileiro. Ciente da pressão que deve assolar o clube por causa de toda essa situação, Maicon quer que todos recebam responsabilidades pela situação para que os zagueiros não assumam a bronca sozinhos. “Se parar para analisar, a defesa errou em dois jogos, contra o Corinthians e agora (contra o Atlético-MG). Se parar para analisar, às vezes o atacante erra uma cabeçada, erra um chute, mas, quando você erra e leva o gol, a defesa é sempre mais cobrada. Acho que a gente tinha de analisar de maneiras iguais. Até a bola chegar na defesa, ela vai passar pelo ataque, pelo meio, pelos laterais. A gente tem que corrigir os erros individuais. Até duas jornadas atrás nossa defesa era a melhor do campeonato”, lembrou. Em oito rodadas do Brasileirão, o time de Rogério Ceni já levou sete gols e marcou nove. E se Lucão revelou que não deve mais defender o São Paulo, Maicon tratou desmentir que também esteja de saída. Apesar da imprensa europeia ter noticiado o interesse dos turcos Galatasaray e Fenerbahce em seu futebol, Maicon novamente negou qualquer proposta ou intenção em deixar o São Paulo. “Não, a mim não chegou nada. Se chegou foi ao São Paulo, é com eles. E o meu foco é no São Paulo, tenho contrato até 2020 e pretendo cumprir”, finalizou.

Exemplo
O Sport foi surpreendido pelo Vitória neste domingo, em plena Ilha do Retiro, e acabou saindo de campo derrotado pelo placar de 3 a 1, entrando na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Um dos principais jogadores do elenco, o volante Rithely lamentou a derrota e disse que a equipe precisa seguir o exemplo do Atlético-PR, adversário direto do Rubro-Negro pernambucano, para buscar a recuperação no torneio. “Não era o que nós esperávamos. Dois jogos em casa, contávamos com duas vitórias para alavancarmos de vez no Campeonato Brasileiro. Não foi o que aconteceu. Mas vimos que o Atlético-PR fez jogos ruins em casa e conseguiu duas vitórias seguidas fora de casa. Podemos fazer a mesma coisa. Vamos jogar fora e tentar vencer estes jogos”, declarou o volante ao Sportv , fazendo menção às vitórias do Furacão sobre o Atlético-MG, no Independência, e diante do Atlético-GO, no Olímpico, ambas por 1 a 0. A sequência do Sport, porém, não é nada fácil. Na próxima quarta-feira, a equipe pernambucana vai ao Independência para enfrentar o mesmo Atlético-MG. Já no sábado, o Rubro-Negro visita o Santos, na Vila Belmiro.

Classificação
Rogério Ceni já disse em entrevistas recentes que via a classificação do São Paulo à Copa Libertadores do ano que vem como uma meta do time para esse Campeonato Brasileiro. Nesse domingo, depois de perder no Morumbi para o Atlético-MG e assim emendar três rodadas seguidas sem conquistar os três pontos, o técnico tricolor despistou ao ser questionado durante sua entrevista coletiva sobre qual é a verdadeira briga do São Paulo na competição. “Vai brigar por cada vitória em cada jogo, por cada 90 minutos para tentar vencer. Se vence hoje, estaria entre os seis primeiros colocados que iriam à Libertadores. Se você disser que o time não teve chances para vencer hoje… Mas é complicado falar só em cima dos resultados. Não posso ter uma análise pelos sete, oito últimos minutos de uma partida na qual criamos todas as oportunidades para conquistar a vitória”, comentou Ceni, que em outros momentos, preferiu minimizar a atuação de seus comandados para lamentar o revés. “Alternâncias dentro do jogo, todas as equipes têm. Pressionam mais, sofrem pressão, adiantam a marcação quando você está atrás do placar. Isso é do jogo, da imposição sobre o adversário”, avaliou. “O que me incomoda bastante é perder o jogo, porque queria vencer e tínhamos por onde”.

Importância
Autor do segundo gol do Atlético-MG na vitória por 2 a 1 diante do São Paulo, o atacante Rafael Moura falou da importância do primeiro triunfo atleticano depois de dias conturbados em Belo Horizonte. Depois de perder para o Atlético-PR em casa, no meio da semana, e voltar para o Z-4, jogadores receberam ainda mais cobranças por parte dos torcedores e da diretoria. “A importância da vitória é enorme. Vivemos um momento complicado na tabela, sofremos cobranças internas e externa. Tínhamos várias metas, mas agora só precisamos somar pontos. Fico feliz demais por termos conseguido a vitória. Agora temos que fazer o dever de casa porque também estamos devendo dentro do Independência e temos que subir na tabela” disse. Neste domingo, Rafael Moura teve pelo menos outras duas oportunidades de marcar. Ainda no primeiro tempo, o jogador recebeu em ótimas condições dentro da área, mas bateu com a perna canhota e a finalização saiu fraca demais. No segundo tempo, o atacante se envolveu em uma jogada com Junior Tavares, mas o pedido de pênalti não foi atendido pela arbitragem.

Enfrentaram
Cenas de violência envolvendo torcedores de Coritiba e Corinthians deixaram vários feridos nos arredores do estádio Couto Pereira, onde os times se enfrentaram pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro e empataram em 0 a 0 neste domingo. Após a confirmação de que o ferido com maior gravidade não morreu, ao contrário do que havia sido informado pela própria Polícia do Paraná anteriormente, os dois clubes emitiram notas oficiais sobre os episódios. “O Coritiba Foot Ball Club lamenta e repudia o ocorrido na manhã deste domingo (18), fora do estádio Couto Pereira, antes do jogo entre Coxa e Corinthians, na oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Os fatos dão conta que uma briga entre membros de torcidas organizadas resultou em vários torcedores feridos. Em nome da decência, o clube manifesta sua reprovação aos fatos ocorridos. Além disso, o Coritiba declara sua postura de absoluta colaboração para as investigações e demais esclarecimentos a fim de punir os envolvidos por tal conduta reprovável”, diz a nota oficial do Coritiba, que ainda fala em ajudar na identificação dos criminosos. “O Coritiba está em contato constante com a Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos (Demafe) buscando contribuir. Inclusive, com a colaboração do clube, um dos suspeitos de participar deste ato foi preso dentro do Couto Pereira, durante a partida”.

Punições
O Corinthians adota a mesma linha do Coritiba, pleiteando punições aos agressores: “O Sport Club Corinthians Paulista repudia com veemência os fatos ocorridos na manhã deste domingo (18), antes do jogo entre Coritiba e Corinthians, nas redondezas do estádio Couto Pereira. Infelizmente, a violência e a covardia se tornaram, mais uma vez, os principais assuntos em um domingo de futebol. O Corinthians espera que os órgãos competentes apurem e punam os responsáveis pelos atos de agressão. Por fim e mais importante, o Corinthians deseja pronto restabelecimento aos torcedores que sofreram com a violência no entorno do estádio”. Até mesmo os técnicos Pachequinho, do Coritiba, e Fábio Carille, do Corinthians, se manifestaram sobre os atos de violência ocorridos nos arredores do estádio do Coxa. “Vejo tudo com muita tristeza. Esses episódios mancham o futebol o brasileiro. São situações que não podem acontecer. O futebol é para dar alegria. E quando a gente vê esse tipo de atitude, fica muito triste. Espero que um dia isso acabe” disse Pachequinho, seguido imediatamente por Carille. “Eu não sei realmente o que aconteceu, mas a gente está cansado de pedir paz. Agora precisa ver da legislação, mudar as leis do país, porque todo mundo faz o que quer e ninguém é punido. Não adianta a gente ficar aqui dentro de campo e as nossas autoridades não se mexerem. É por isso que não vou falar, não quero falar, porque não sei o que aconteceu”.

Comandados
A Ponte Preta conquistou um importante ponto fora de casa ao empatar com o Santos sem gols neste sábado, no Pacaembu. Jogando fora de casa, os comandados do técnico Gilson Kleina mostraram bastante comprometimento tático para segurar o ímpeto dos rivais, entretanto, o atacante Emerson Sheik minimizou o fato de sua equipe ter conseguido sair de campo em igualdade com o Peixe. “Na verdade, o lance de ser fora de casa é só por conta do mando, porque acaba sendo um campo neutro”, disse Emerson Sheik ao Premiere , lembrando que o Pacaembu não pertence ao Santos. “Valeu porque conseguimos um ponto teoricamente fora, contra uma equipe forte, extremamente competitiva, técnica demais. É óbvio que fica um sentimento de poder ter criado mais, ter chegado mais no gol do Santos, principalmente na segunda etapa, mas valeu”, completou o atacante da Macaca. “Adoro jogar aqui. Acho um gramado fantástico, perfeito, o jogo fica mais rápido, a grama é fina. Tenho boas lembranças daqui”, finalizou Sheik. A Ponte Preta volta a entrar em ação pelo Campeonato Brasileiro na próxima quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), contra o Cruzeiro, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

Estacionou
Pressionado por uma reação no Campeonato Brasileiro da Série B, o Brasil de Pelotas deu uma boa resposta ao seu torcedor na noite desse sábado, diante do Vila Nova, equipe que briga na parte de cima da tabela. Pela oitava rodada da competição de acesso à elite, a equipe Xavante fez 3 a 0 nos goianos no estádio Bento de Freitas e chegou aos 11 pontos, provisoriamente na 12ª colocação. Já o Vila Nova estacionou nos 14 pontos, tem a terceira posição, mas viu frustrada a sua ideia de colar no líder Juventude. Apesar do bom momento do Vila na competição, o Brasil não se intimidou e iniciou a partida partindo para cima, tentando controlar as ações e o ritmo do jogo. A primeira boa chance de marcar veio aos 10 minutos, com Bruno Lopes, que acabou desperdiçando um rebote do goleiro Wendell. Na próxima rodada, o Brasil terá um clássico regional contra o Juventude no Alfredo Jaconi, às 19h15 de terça-feira, enquanto o Vila Nova buscará a reação em casa, no Serra Dourada, diante do Ceará, também na terça, mas às 21h30.

Defensivo
A vitória por 1 a 0 sobre o Avaí, sábado, em São Januário, encerrou uma série de oito partidas do Vasco sofrendo gols. A última vez que o sistema defensivo tinha passado ilesa foi há dois meses, na final da Taça Rio, contra o Botafogo. A equipe catarinense é a lanterna da competição, mas deu trabalho para a zaga, visto que o goleiro Martín Silva foi um dos destaques, com grandes defesas. Os cruz-maltinos, no entanto, seguem como os mais vazados do Brasileiro – 17 vezes em oito rodadas. O técnico Milton Mendes acredita que o Vasco fez por merecer não ter levado gol contra o Avaí. Ele contou que no intervalo corrigiu o posicionamento de Nenê e Pikachu para melhorar a compactação no meio de campo. “O Avaí teve envolvências, é uma equipe que joga bem. Impuseram um ritmo depois que levaram o gol. Acho que foi mais mérito nosso do que deles. Martín defendeu bolas boas, zaga tirou bolas boas, o meio estava compactado. Sofremos no fim do primeiro tempo porque nossos homens de lado não estavam indo para dentro. Arrumamos no intervalo e as oportunidades apareceram” disse Milton. Nesta quarta-feira, às 21h, contra o Botafogo, no Estádio Nilton Santos, o sistema defensivo cruz-maltino terá um grande desafio para tentar provar que evoluiu realmente. Antes da partida contra o Avaí, Milton Mendes avisou que vai rever a estratégia de escalar a equipe com uma formação mais defensiva. A tendência é de que o time seja repetido se Jean se recuperar em tempo da pancada que recebeu na coxa.

Garantindo
O Juventude segue tranquilo na liderança da Série B. Neste sábado, a equipe gaúcha foi ao Mangueirão para enfrentar o Paysandu e conseguiu segurar um importante empate em 0 a 0, garantindo a ponta do torneio por mais uma rodada. Com o resultado, o Juventude se manteve na liderança da Série B agora com 18 pontos, três a mais do que o segundo colocado Guarani, que já jogou na rodada e perdeu por 3 a 2 para o Criciúma. Já o Paysandu chegou aos 11 pontos, mas perdeu posições, caindo para a parte intermediária da tabela Ambas as equipes voltam a atuar pela Série B na próxima terça-feira. Às 19h15(de Brasília), o Juventude recebe o Brasil de Pelotas, no Alfredo Jaconi. Já às 20h30(de Brasília), é a vez do Paysandu ser anfitrião diante do Boa Esporte, no Estádio Curuzu.

Ultrapassado
O ABC visitou o Goiás no Serra Dourada na noite dessa sexta-feira como franco azarão, mas saiu de Goiânia com a vitória por 2 a 1, de virada, e acabou com a série de três triunfos seguidos do Esmeraldino no Campeonato Brasileiro da Série B. Com o revés no duelo pela oitava rodada da competição, o Goiás perdeu a oportunidade de se aproximar do G4 e acabou ultrapassado justamente por seu algoz de Natal. Agora, o ABC é sétimo na tabela de classificação, com 12 pontos, enquanto o Goiás, com um ponto a menos, vem logo atrás. Apesar da derrota, quem viu os primeiros minutos do confronto dessa sexta talvez não imaginasse o que estaria por vir. Logo aos quatro minutos, Tiago Luís acertou o travessão. E não demorou muito para os donos da casa abrirem o placar. Na próxima rodada, o Goiás terá a chance de se reabilitar fora de casa, na Arena Pernambuco, contra o Náutico, terça, às 19h15. Já o ABC terá a chance de engrenar uma sequência positiva ao receber o CRB também na terça, mas às 20h30, no estádio Frasqueirão, no Rio Grande do Norte.

Escalação
A vitória do Vasco por 1 a 0 sobre o Avaí, sábado, em São Januário, marcou a escalação pela primeira vez de Nenê em um posicionamento mais aberto pela esquerda, um pouco diferente do que o camisa 10 estava acostumado. Antes ser barrado, ele atuava mais centralizado. No primeiro teste, o meia foi aprovado. Ainda falta, no entanto, um jogo com exigência mais forte para Milton Mendes poder comemorar de vez ter achado um lugar para o veterano. Contra o Avaí, apesar de ter tido um pouco de dificuldades para acompanhar até a defesa na marcação sem dar espaço, Nenê fez o que dele se esperava com a bola no pé. E decidiu o jogo. O meia usou bem sua técnica refinada para segurar a bola na frente e trocar passes. Em um lance individual, driblou seu marcador, avançou pela linha de fundo e deu na medida para Pikachu só desviar para dentro do gol, já na pequena área. Nenê conseguiu três roubadas de bola e fez dez cruzamentos na área, dois deles em jogadas pela linha de fundo. O camisa 10 parecia estar obstinado a provar que também pode ser um jogador obediente taticamente. Na próxima quarta-feira, o Vasco enfrenta o Botafogo no estádio Nilton Santos. Será um termômetro melhor para avaliar Nenê no novo posicionamento. Com a vitória, o Vasco chegou a 12 pontos e está na provisória sexta posição do Campeonato Brasileiro.

Retorna
O Botafogo passou com louvor pela sequência de dois jogos fora de casa. Com quatro pontos na bagagem, o time retorna ao Rio de Janeiro na tarde desta segunda-feira após empatar com o Vitória em Salvador e vencer a Chapecoense em Chapecó. O momento, agora, é de mostrar força em seu próprio estádio. Os dois próximos confrontos, com Vasco e Avaí, serão no Nilton Santos. E enquanto espera reforços da diretoria (o atacante Aylon, que está emprestado pelo Internacional ao Goiás, é quem está mais perto), Jair Ventura vai ganhar opções dentro do elenco para as próximas partidas. Muito provavelmente Leandrinho e Camilo estarão à disposição da comissão técnica contra o Vasco, na quarta-feira. Desfalque desde o Campeonato Carioca, o primeiro está liberado pela preparação física. Fora há quase três semanas, Camilo voltou a treinar com bola na última quarta e também deve ser relacionado. Jair, no entanto, adotou cautela quanto ao aproveitamento de seu camisa 10 após a vitória por 2 a 0 sobre a Chapecoense. Quem também está próximo de ganhar chance é Marcos Vínicius. O meia, contratado na troca que mandou Sassá para o Cruzeiro, chegou ao clube já recuperado da lesão que tinha na coxa esquerda. Porém, estava sem ritmo pelo longo tempo de inatividade, por isso passou os últimos dias pegando pesado nos trabalhos físicos com os preparadores. Nesta semana, além de ser apresentado oficialmente e regularizado, ele será liberado para treinar com bola.

Interromper
Após um longo período, o Inter, enfim, saiu do gramado sem buscar a bola no fundo das redes ao menos uma vez. O empate em 0 a 0 com o Santa Cruz, se evitou que o time entrasse no G-4 da Série B, serviu para interromper um hiato de mais de um mês. Depois de 35 dias, ou nove partidas, o Colorado conseguiu apresentar uma solidez defensiva. Fazia tempo. Desde a estreia, na vitória por 3 a 0 sobre o Londrina (ainda sob a batuta de Antônio Carlos Zago), que tal situação não se repetia. Pelo contrário. A sangria do sistema virou alvo de preocupação. Neste intervalo de oito compromissos até o duelo com os pernambucanos, o time sofreu nove gols. Acabou eliminado da Copa do Brasil pelo Palmeiras justamente em razão do tento fora de casa (perdeu como visitante por 1 a 0 e ganhou no Beira-Rio por 2 a 1) e levara sete gols na Série B. Tal feito mereceu a menção de Guto Ferreira. “Em cima das dificuldades da partida, não deixa de ser importante. Situação de campo, jogadores… O principal foi a equipe não levar gols” destacou. O fato de ser vazado constantemente fez Guto lançar um desafio. O treinador, incomodado pelo roteiro repetido, disse que espera ver o Inter terminar a Série B com 25 partidas sem ser vazado. Faltam 23 jogos, ou 76,66% para atingir a meta.

Libertadores
A semana do Botafogo começa com boas notícias não só dentro, mas também fora de campo. Depois de superar a Chapecoense lá na Arena Condá por 2 a 0 e voltar a vencer depois de cinco jogos de jejum, os jogadores ainda vão colocar mais uma grana no bolso. É que aquela última das três parcelas da Conmebol pela fase de grupos da Libertadores, que estava atrasada, enfim foi paga pela entidade: U$ 600 mil (cerca de R$ 1,9 milhão). Com isso, a diretoria vai acertar com o elenco a premiação prometida em caso de classificação para as oitavas de final, além dos bichos pelas vitórias no Campeonato Brasileiro. Lembra que no mês passado o presidente Carlos Eduardo Pereira teve uma reunião com o elenco antes de um treino no Nilton Santos? Era para passar o atraso da Conmebol e uma posição sobre o pagamento. Desde o início da Libertadores, os dirigentes combinaram com o grupo que metade de toda premiação seria dividida: metade para o clube, outra para repartir entre jogadores inscritos no torneio e comissão técnica. Porém, antes se retira uma parte para cobrir as despesas de logística dos jogos – a CBF arca com esses custos no Brasil, mas a confederação sul-americana não. O líquido restante, então, que é dividido.

Disposição
Além de fazer o Sport jogar bem coletivamente, o técnico Vanderlei Luxemburgo revelou ter uma outra situação importante para resolver na Ilha do Retiro. No último domingo, contra o Vitória, ele teve o meia Diego Souza à disposição depois dele servir a seleção brasileira. E não se mostrou convencido onde o camisa 87 rende melhor na equipe. Ao ressaltar a importância de Diego Souza, que inclusive fez um gol, na derrota por 3 a 1, Luxa garantiu o jogador como titular e prometeu fazer o máximo de testes para contar com ele em campo. “Estou descobrindo. Osvaldo chegou agora, Thomás, Patric e Sander chegaram agora, e estou descobrindo o que é melhor. Não posso mandar Diego embora. Tenho que aproveitar o melhor dele com os novos jogadores. Tenho que arranjar um jeito”. O jogo contra o Vitória foi o segundo de Diego Souza sob o comando de Vanderlei Luxemburgo. Ele foi escalado no primeiro tempo como um ponta esquerdo, bem aberto e com poucas aparições pelo meio do campo. O camisa 87 também esteve por alguns minutos da primeira etapa aberto pela direita e, no segundo tempo, fez a função no meio de campo. Antes de se apresentar para defender a seleção brasileira, Diego atuou sob o comando de Luxa, contra o Botafogo. Na ocasião, jogou como meia.

Momento
O Náutico vive momento difícil na Série B. Não venceu em oito jogos, é o lanterna e está a seis pontos de deixar a zona de rebaixamento da competição. Para o atacante Gilmar, só há uma forma de evitar que o desespero vá até o fim: união. E casa cheia – já a partir do duelo desta terça-feira, contra o Goiás, na Arena de Pernambuco. “Conversamos que nosso time tem que ter 30 decisões pela frente. Um momento delicado como esse é a hora de todos se unirem: diretoria, jogadores e, principalmente, a torcida. Temos trinta decisões pela frente. Nada melhor do que convocar nosso torcedor para ir na Arena, terça-feira, quando teremos um jogo difícil contra o Goiás” afirmou. O jogador falou sobre o que os jogadores precisam fazer para que a equipe evolua na competição. “Num momento como esse, temos que nos equilibrar. (Contra o Boa) Tomamos dois gols em erros nossos. Não foram jogadas construídas. Mas temos um jogo muito importante agora e só assim, juntando forças, podemos inveter a situação. O Náutico é grande, tem uma torcida imensa” declarou. Gilmar reestreou pelo Náutico no último sábado, diante do Boa Esporte, entrando no segundo tempo. Diante do Goiás, passa a brigar por uma vaga no time titular.

Escanteados
Além de fazer o Santa Cruz voltar a jogar um bom futebol, o técnico Adriano Teixeira tem sido importante no resgate de jogadores escanteados. O atacante Halef Pitbull é um exemplo. Titular absoluto no começo do ano e artilheiro da equipe com oito gols, o camisa 9 entrou de frente, diante do Internacional, no último sábado, no Arruda, e arrancou elogios do treinador – e “latidos” de parte da torcida. “Pitbull se superou na disposição e na entrega. A gente já está vendo ele diferente em campo. Correu muito contra o Inter e teve uma boa movimentação. É isso que quero dele. Está voltando a fazer coisas que fazia” comentou o técnico Adriano Teixeira. Enquanto o Santa Cruz era comandado por Vinícius Eutrópio, Adriano Teixeira, então auxiliar, percebeu a perda de foco de Pitbull. A partir daí, conversou muito com o jogador e, hoje, é o grande exponente do resgate do xodó dos tricolores. “Essas conversas não são de agora. Venho falando com ele há um tempo. Sabia que tinha perdido o foco e ele reconheceu isso. Sei do potencial dele. Ele disse a mim que ia entrar em sintonia com o grupo e contra o Inter provou isso”. Apesar da boa atuação na avaliação do treinador, Pitbull deve voltar ao banco de reservas, nos próximos jogos. O titular é Ricardo Bueno, que está com uma pequena lesão no joelho. “Vamos precisar de Pitbull bem. Não adianta estar meia-boca. Tem que vir 100% porque a competição é longa”.

(*) Wilson Barbosa é jornalista e cronista esportivo. Email: www.wilsonbarbosatreze@gmail.com

Deixe uma resposta