Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Colunistas | Wilson Barbosa | Panorama Esportivo – por Wilson Barbosa

Panorama Esportivo – por Wilson Barbosa

Superando

Cruz-maltina domina e vence o segundo turno da competição – Foto: Paulo Fernandes/CRVG

O Vasco se tornou o maior vencedor da Taça Rio. Em partida disputada neste domingo, no estádio Nilton Santos, o time de São Januário derrotou o Botafogo por 2 a 0 e conquistou o segundo turno do Campeonato Carioca. Agora, o Vasco chegou a dez títulos da Taça Rio, superando o Flamengo que tem nove taças. Os gols do clássico foram marcados por Douglas e Luis Fabiano, ambos no segundo tempo. O Fabuloso, finalmente, quebrou seu jejum com a camisa cruz-maltina. A vitória do Vasco foi justa porque o time, depois de um primeiro tempo inseguro, dominou completamente a segunda etapa e ainda foi favorecido pela expulsão de Marcelo no início do segundo tempo. Escalado com uma equipe reserva, o Botafogo lutou muito, mas acabou perdendo o gás depois que ficou inferiorizado numericamente. O Botafogo desanimou e acabou sofrendo o segundo gol aos 48 minutos. Anderson Manga investiu pela esquerda e tocou para Luis Fabiano, livre, marcar seu primeiro gol com a camisa do Vasco. Após o apito final, Bruno Silva ofendeu o árbitro e recebeu cartão vermelho.
Destacar
A derrota sofrida diante do Vasco na decisão da Taça Rio não abalou o técnico Jair Ventura. O treinador preferiu destacar a força do Alvinegro, que entrou para disputar a final com uma equipe reserva, e conseguiu ter ter um desempenho digno. “Mesmo com tantos meninos, 12 para ser mais preciso, fizemos um grande jogo”, avaliou o comandante do Glorioso. Na entrevista coletiva, Jair lamentou que tenha sofrido o primeiro gol em lance de bola parada. Ele revelou que esse foi o único fundamento que o grupo treinou na véspera, por causa do cansaço dos jogadores que voltaram de Medellín apenas para disputar o jogo decisivo. “Só não posso tirar o mérito do Vasco. Eles foram eficientes e mereceram sair com a taça”, completou. Jair Ventura disse que o Botafogo não vai ter tempo para remoer o resultado negativo e já falou em virar a chave. O treinador viajará com um grupo de jogadores para se juntar aos outros atletas que já estão em Guaiaqui para o confronto desta quinta-feira, diante do Barcelona, pela Copa Libertadores. Quando voltar do Equador, o Botafogo não terá tempo para descanso porque enfrentará o Flamengo, no domingo, pela semifinal do Campeonato Carioca.

Atropelamento
A Ponte Preta entrou em campo como se a vida de todos os seus jogadores estivesse em jogo. O Palmeiras parecia pesado por conta de um almoço de Páscoa em família. Resultado: um atropelamento. No primeiro duelo válido pelas semifinais do Paulistão, na tarde deste domingo, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, a Ponte venceu o Palmeiras por 3 a 0 e abriu larga vantagem no confronto. Todos os gols foram marcados no primeiro tempo: Pottker logo com 40 segundos, depois Lucca aos 7 minutos e Jeferson aos 33. O atropelamento foi tão intenso que Felipe Melo chegou a dizer que a Ponte “comeu” o Palmeiras no primeiro tempo. E a vitória poderia ser ainda maior, já que o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza ignorou pênalti claro de Fernando Prass em Willian Pottker – uma tesoura por trás do goleiro no atacante. O jogo da volta será no próximo sábado, na arena do Palmeiras, às 19h. O Palmeiras precisará vencer por quatro gols de diferença para se classificar. Se ganhar por três, a decisão da vaga vai para os pênaltis. O critério de gol fora de casa não é levado em conta no Paulistão.

Eficiente
A cada decisão que o Corinthians enfrenta no mês de abril, reforça-se a tese de que a equipe treinada por Fábio Carille não precisa ter a bola o tempo todo nos pés para construir, ser eficiente e ganhar partidas. A vitória por 2 a 0 sobre o São Paulo, neste domingo, no Morumbi, representa a atuação mais completa da equipe alvinegra em 2017. Defensivamente, mais uma partida segura. Ofensivamente, enfim, uma partida em que o time soube levar perigo, aproveitar suas chances e mostrar que não estava no Morumbi só para esperar o rival jogar. A chave de tudo isso? Um maior índice de acerto nos passes. Desde o início de seu trabalho, em janeiro, Fábio Carille pregava conceitos semelhantes aos de Tite: defesa forte, transição rápida para o ataque, com triangulações, jogadas rápidas e infiltrações. Faltava acertar o pé. Aos poucos, o time ganha sintonia nesse quesito. O clássico foi o jogo com menos erros de passes do Corinthians em abril. Nos dois jogos contra o Botafogo, pelas quartas de final do Paulista, na vitória sobre a Universidad de Chile, pela Sul-Americana, e no empate com o Internacional, pela Copa do Brasil, o time não errou menos de 50 passes por partida. Neste domingo, foram apenas 37. E um índice de 90% de acerto.

Dolorosa
A derrota por 3 a 0 para a Ponte Preta foi dolorosa para o Palmeiras que, da condição de favorito, passa agora a de franco atirador por uma vaga na decisão do Campeonato Paulista. O Verdão precisa de uma vitória por quatro gols de diferença para se classificar no tempo normal e, para que isso aconteça, será necessário aceitar a derrota e trabalhar forte durante a semana, de acordo com o técnico Eduardo Baptista. “Tem que trabalhar. Você tem que saber conviver com as derrotas, porque conviver com as vitórias é muito fácil. Quando você tem um grupo que sempre convive com vitória tudo fica fácil. Agora o grupo tem que se mostrar forte para que se possa trabalhar na semana com seriedade e concentração para que a gente possa buscar o resultado”, avaliou. Para o treinador, o maior problema demonstrado pelo Palmeiras no Moisés Lucarelli foi a passividade. Baptista viu o time apático e sem capacidade de reação depois de ter tomado dois gols antes dos dez minutos e o terceiro ainda no primeiro tempo. O comandante alviverde conta ainda com a força da torcida palmeirense para empurrar a equipe no Palestra Itália, no próximo sábado, às 19 horas (de Brasília), pelo jogo de volta das semifinais.

Nervosismo
“Fomos passivos, não tem nada a ver com nervosismo. O porquê é a resposta que temos de buscar. A equipe não se portou bem. Essa passividade não pode acontecer mais. Temos que reverter com uma mudança de postura. Contamos com o apoio de nossa torcida para reverter”, afirmou. Se uma vitória sobre a Ponte Preta pelo placar mínimo já era difícil, precisando buscar uma diferença elástica é ainda mais complicado. Ciente disso, Eduardo Baptista vai trabalhar ao longo da semana alternativas para abrir espaços na defesa alvinegra, que foi um dos trunfos da Macaca no primeiro confronto das semifinais do Paulistão. “A Ponte é um time reativo e temos de buscar espaços, que são pequenos, para chegar ao gol e reverter o placar. Vamos levantar a cabeça e trabalhar para no sábado tentar reverter o placar”, concluiu.

Desvantagem
O São Paulo perdeu por 2 a 0 para Cruzeiro e Corinthians, em pleno Morumbi, e se complicou na Copa do Brasil e no Campeonato Paulista. E, caso não reverta a desvantagem nas casas dos respectivos adversários, nesta semana, ficará 17 dias seguidos sem disputar partidas na temporada. Período em que o time se prepararia para o duelo de volta contra o Defensa y Justicia-ARG – o jogo de ida terminou empatado por 0 a 0 -, em 11 de maio, pela primeira fase da Copa Sul-Americana, em casa. A estreia no Campeonato Brasileiro está marcada para o dia 14, contra o próprio Cruzeiro, em Minas Gerais. A primeira eliminação do Tricolor pode acontecer nesta quarta-feira, quando visita a Raposa, no Mineirão, às 19h30 (de Brasília). No domingo, a partir das 16 horas, será a vez de tentar a sorte contra o seu arquirrival, no estádio de Itaquera. Em ambos os casos, precisa vencer por três gols de diferença para conquistar a vaga de forma direta, sem os pênaltis. O discurso é de brigar até o fim pelas duas improváveis classificações. “Temos que tentar reverter dois resultados difíceis fora de casa. Vamos analisar primeiro a situação do elenco, ver como se apresentam, porque correram muito e se cansaram no segundo tempo, alguns sentindo dores”, disse o técnico Rogério Ceni, após a derrota para o Corinthians, no último domingo, no Morumbi.

Confronto
Para o confronto com os mineiros, o treinador ainda tem um alento, já que terá à sua disposição os recém-chegados atacantes Marcinho e Morato, além de Sidão, que está recuperado de uma lombalgia. “Na Copa do Brasil podemos variar mais, mas no Paulista o elenco é mais reduzido, com lesões como do Buffarini. Vamos fazer o melhor time”, analisou. De uma coisa, porém, Ceni tem certeza. Não será agora que o São Paulo abdicará de seu estilo ofensivo. “Vamos trabalhar da mesma maneira como trabalhamos desde 4 de janeiro e o time vai jogar como foi em 20 e tantos jogos, sempre à frente, buscando o gol. Vamos fazer isso novamente, analisar parte física, desgaste e montar o time de acordo com a condição física e técnica para jogar sempre em busca do gol”, assegurou. “Jogar para frente não será tirado do time por causa de duas derrotas”, acrescentou, sem esconder a chateação pelo mau momento do Tricolor. “Não gosto de perder nem jogos que não valem três pontos. Sou um competidor na acepção da palavra em tudo que fiz na vida, como técnico também, comigo mesmo na parte tática, no desenvolvimento do time. Não me sinto feliz, tranquilo e completo com esses resultados”, refletiu.

Exibição
O técnico Fábio Carille ficou extasiado com a exibição da equipe diante do São Paulo no domingo, abrindo uma vantagem de 2 a 0 na semifinal do Campeonato Paulista, mas ganhou também uma preocupação para o jogo de quarta-feira, contra o Internacional, pela Copa do Brasil: o meia Jadson. Dono de boa atuação no primeiro tempo, o camisa 77 deixou o gramado reclamando de dores no joelho direito após se machucar sozinho em lance na lateral do campo. A avaliação inicial foi de entorse no local, mas a confirmação do diagnóstico só deve ser feita no treino da tarde desta segunda-feira, no CT Joaquim Grava. “Vamos esperar para saber. Não pretendo poupar ninguém contra o Inter, não, só se o departamento médico indicar isso”, disse o treinador, em entrevista ao programa Mesa Redonda, da TV Gazeta. Caso não possa utilizar o armador, Carille teria de delegar a função de armar quase que exclusivamente para Rodriguinho, outro nome que tem sido bastante elogiado por ele.

Paciência
“Eu considero o Rodriguinho o melhor jogador do segundo semestre do ano passado já do Corinthians. Ele passou por um processo que faltou a outros jogadores, ele teve paciência, jogou aquele 3 a 0 contra o Atlético-MG, em 2015, e jogou muito”, recordou Carille, vendo na sua estrela um processo que faltou a nomes como Giovanni Augusto, Guilherme e Marquinhos Gabriel. “No ano passado, com as saídas, o Rodriguinho chamou a responsabilidade e resolveu, mas muito porque já conhecia o que era o clube e tinha tido tempo para crescer”, avaliou, confiante na possibilidade de recuperar o trio de “esquecidos” contratado em 2016. “Eu vou recuperar esses outros jogadores, podem acreditar. Todos os que chegaram no ano passado, podem ter certeza que eu vou recuperar. Primeiro pelo interesse deles, depois porque sei que é possível. Marquinhos Gabriel teve uma participação ótima, três lances de gol saíram do pé dele contra o Inter. O Giovanni ficou 18 minutos em campo e deu uma resposta maravilhosa, e o Guilherme a gente sabe da qualidade dele”, concluiu o comandante.

Amarelão
A derrota por 2 a 0 para o arquirrival Corinthians, em pleno Morumbi, neste domingo, pelas semifinais do Campeonato Paulista, enfureceu a torcida do São Paulo. Em frente ao portão principal do estádio, na Praça Roberto Gomes Pedrosa, centenas de membros da principal organizada do Tricolor, a Independente, entoaram cânticos contra os jogadores. “Não é mole não, eu tô cansado de time amarelão”, gritaram os torcedores, impedindo a saída dos carros da Polícia Militar do estacionamento do estádio. A corporação, por sua vez, não agiu com violência, já que a manifestação foi pacífica. Ao mesmo tempo em que lideranças da organizada conversavam com membros da PM, os protestos continuavam, inclusive, com apoio do torcedor “comum”: “Ooooo… Muito respeito com a camisa tricolor, filho da p…”.

Estopim
O revés para o clube de Parque São Jorge foi o estopim da torcida, que já havia ficado impaciente após a derrota por 2 a 0 para o Cruzeiro, na última quinta-feira, também no Morumbi. Agora, a equipe treinada por Rogério Ceni – poupado nos protestos – se vê em complicada situação em ambas as competições, tendo que reverter as duas desvantagens por 2 a 0 na casa do adversário. Em meio à crise, o São Paulo será submetido a um processo de eleição nesta terça-feira à noite. O atual presidente, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, tentará um novo mandato contra o oposicionista José Eduardo Mesquita Pimenta. A Independente avisou que comparecerá no pleito a ser realizado no Salão Nobre do Morumbi.

Situação
A derrota por 3 a 0 para a Ponte Preta, neste domingo, no Moisés Lucarelli, colocou o Palmeiras em situação difícil nas semifinais do Campeonato Paulista. Agora, o Verdão precisa vencer por no mínimo quatro gols de diferença no Palestra Itália. Felipe Melo, um dos líderes do elenco palmeirense, não aprovou o desempenho do time em Campinas. “Hoje nós não fomos bem, mas é aquilo que eu falei também, nós não somos imbatíveis. A primeira derrota iria acontecer dessa maneira. É nessa hora que a gente vê os grandes guerreiros, os grandes líderes, os grandes jogadores e, sobretudo, os grandes times. Vamos correr atrás”, avaliou na saída de campo ao Sportv. Para Felipe Melo, o Palmeiras precisa manter a concentração na partida de volta, que acontece no próximo sábado, às 19 horas (de Brasília), no estádio palmeirense, para reverter o placar e buscar a classificação à final do Campeonato Paulista. “A gente tem que ter a mesma concentração como se de repente tivéssemos vencido o jogo. Três a zero é um placar amplo, é difícil de reverter realmente, mas não existe impossível, principalmente dentro do futebol. A gente quando ganha está todo mundo unido, sorrindo, mas eu falei há um tempo atrás daquela intimidade e essa intimidade vai fazer com que a gente corra o dobro para tentar reverter esse placar. Parabéns para a Ponte Preta que fez um ótimo jogo”, declarou.

Exaltando
Os jogadores do Corinthians saíram de campo exaltando a proposta de jogo adotada pelo técnico Fábio Carille na primeira partida da semifinal do Campeonato Paulista, neste domingo, no estádio do Morumbi, que culminou na vitória por 2 a 0 do Alvinegro sobre o São Paulo neste Majestoso. “Foi, ao meu ver, uma proposta acertada do Carille”, afirmou o volante Gabriel, explicando sua frase. “Sabíamos que eles iam vir para cima, eles estavam pressionados. Tiraram um volante e colocaram um atacante, nossa proposta era defender e sair no contra-ataque rápido, em momentos do jogo pressionar também. Foi uma das melhores atuações do ano do Corinthians”, continuou o meio-campista. Dono de boa atuação e de uma importante defesa no começo do segundo tempo, em chute cruzado de Gilberto, o goleiro Cássio ressaltou a entrega apresentada pelos seus companheiros durante os 90 minutos de bola rolando na casa do adversário.

Defender
“Todos de parabéns, viemos com a proposta de defender, todo mundo correu, lutou. Pode faltar técnica, mas a vontade e a dedicação não faltam. Não conseguimos a classificação, mas foi um bom resultado para sair na frente na semifinal”, contou com o goleiro, com opinião semelhante à de Jô. “Parabéns para a equipe toda que teve uma entrega muito boa. É difícil, a gente tem uma vantagem boa porque é muito difícil fazer gol na nossa equipe. Mas a gente sabe como é futebol, já vimos várias viradas incríveis. Temos de trabalhar para vencer o jogo lá também e ir para a final”, alertou o centroavante. Um dos nomes que mais simbolizam essa entrega o atacante paraguaio Ángel Romero se derreteu em elogios ao time. “Acho que a gente jogou muito no primeiro tempo, tentamos jogar, surpreendemos o São Paulo. Estamos fazendo sempre o que a gente fez aqui, trocando passes, mas hoje (domingo) a gente foi premiado com dois gols”, concluiu Romero.

Atitude
O técnico Gilson Kleina aprovou a atitude de Rodrigo Caio em negar a infração do atacante Jô, poupando o corintiano de receber o cartão amarelo que o tiraria do jogo de volta da semifinal do Campeonato Paulista. Comandando a vitória da Ponte Preta sobre o Palmeiras no Moisés Lucarelli, o treinador não teve tempo para acompanhar o clássico paulista, mas se notificou posteriormente e ficou bastante feliz com a postura do atleta tricolor. Segundo Kleina, o comportamento de Rodrigo Caio deve inspirar outros atletas. Pregando por um futebol mais honesto, o treinador da Ponte Preta categorizou a atitude do zagueiro como “exemplar”. “Precisamos tirar o chapéu para o Rodrigo Caio, isso e caráter. Isso é um divisor no futebol brasileiro, que isso possa se repetir. A gente também comanda e vê os erros que nós provocamos. A postura do Rodrigo Caio tem que ser seguida por todos os jogadores”, disse Gilson Kleina, convidado do programa Mesa Redonda da TV Gazeta.

Atacante
Feliz por ter quebrado o jejum com a camisa do Vasco e contribuído para a conquista do título da Taça Rio, o atacante Luis Fabiano se emocionou ao falar do primeiro gol após sete partidas. O Fabuloso dedicou o tento ao pai de sua esposa, que está internado na UTI de um hospital em Campinas, interior de São Paulo. Luis Fabiano disse que o gol é sempre o fruto de trabalho de muitos envolvidos. Ele revelou que sua família vive um drama com a doença do pai da sua esposa e que o título conquistado pelo Vasco pode servir para amenizar a dor que sua esposa está sentindo O atacante também não esqueceu das críticas da imprensa durante o período em que ficou sem marcar. Ele disse que também dedicaria o gol aos que acreditaram nele, mas não perdoou os que pegaram no seu pé pela falta de gols. “É muita baboseira que se fala na mídia. Existem comentaristas que falaram um monte de besteira, mas mesmo assim continuei trabalhando quieto e pude retribuir o carinho do torcedor fazendo esse gol justo numa final”, disse Luís Fabiano. O camisa 9 cruz-maltino também fez questão de homenagear o atacante colombiano Manga que lhe deu um passe preciso para marcar o segundo gol do Vasco. “Agradeço muito ao Manga pela generosidade de dar um passe açucarado e poder ter me ajudado a marcar”.

Excelente
Apenas três dias depois de conseguir uma excelente vitória por 2 a 0 sobre o São Paulo pela Copa do Brasil, o Cruzeiro teve uma atuação apenas mediana na tarde deste domingo, no estádio Independência, e ficou no empate por 1 a 1 com o América-MG no primeiro jogo da semifinal do Campeonato Mineiro. Messias abriu o placar para o Coelho e Thiago Neves deixou tudo igual. Com o resultado, a Raposa joga por mais um empate no segundo jogo, no próximo domingo, no Mineirão, para assegurar sua vaga na decisão do Estadual, enquanto os americanos buscam uma vitória simples. Antes disso, porém, os cruzeirenses têm pela frente o jogo da volta contra o São Paulo, quarta-feira, no mesmo Mineirão, quando podem até perder por um gol que passam às oitavas de final da Copa do Brasil. O primeiro tempo começou com o Cruzeiro mantendo a posse de bola por mais tempo e comandando as ações no meio-campo. A melhor chance nos 20 minutos iniciais de domínio cruzeirense, porém, veio apenas em um chute de fora da área do meia Thiago Neves. O jogador recebeu na intermediária, pelo lado esquerdo, avançou alguns passos e chutou forte com a perna esquerda, exigindo boa defesa do goleiro João Ricardo.

Pensamento
O Fluminense não tem compromissos neste fim de semana, já que a equipe acabou perdendo a semifinal da Taça Rio para o Botafogo, por 3 a 1. Por isso, o pensamento da equipe já está no duelo de volta contra o Goiás, pela Copa do Brasil. Na ida, no estádio Serra Dourada, os cariocas acabaram derrotados pelo placar de 2 a 1, de virada, e necessitam de um triunfo para avançar às oitavas de final do torneio. Para isso, os jogadores esperam contar com o apoio da torcida no Maracanã. O jovem zagueiro Nogueira, por exemplo, vibrou com a possibilidade de atuar em um dos maiores estádios do mundo, com casa cheia. “Vai dar tudo certo para nós no Maracanã e com o apoio da nossa torcida vamos sair com a vitória”, garantiu. Com o placar da partida de ida, o time de Abel Braga precisa de uma vitória simples, por 1 a 0, para passar. 2 a 1 leva para os pênaltis, enquanto triunfos por um gol, de 3 a 2 para cima, não servem, assim como empate ou derrota. Após a definição dos classificados, haverá sorteio para definir os duelos das oitavas, quando os times que jogam a Libertadores entrarão em ação, assim como Paysandu, Santa Cruz e Atlético-GO, que também iniciam a campanha direto nas oitavas.

Desempenho
Na manhã deste domingo, o Atlético-MG ficou apenas no empate com a URT, no Mineirão, pela primeira semifinal do Campeonato Mineiro. Após um bom desempenho no primeiro tempo, coroado com o gol de Rafael Moura, o Galo pouco criou no segundo, e ainda viu o adversário empatar o confronto. Em entrevista coletiva, o técnico Roger Machado exaltou a performance da equipe na etapa inicial da disputa, mas lamentou que seu time não tenha definido o jogo. “O primeiro tempo foi de altíssimo nível. Poderíamos ter saído com placar maior, não só pelas oportunidades, mas o jogo se tornou para o nosso lado, pois construímos bastante e impedimos o adversário de jogar. No segundo tempo, depois da conversa de intervalo, vimos que precisaríamos ter definido o jogo ainda nos primeiros 45 minutos”, disse Roger. Roger ainda lamentou a forma pela qual saiu o gol da URT. O Atlético-MG errou ao tirar a bola, e deu nos pés do adversário, que se aproveitou e chegou ao gol com Marques. “Estávamos jogando com uma equipe perigosa, que sabe contra-atacar muito. Esse gol foi um erro de passe dentro da nossa área que pegou nossa defesa aberta. Foi um erro defensivo, numa saída de passe de bola, que pegou nosso time aberto”, continuou.

Participação
O Coritiba não começou bem sua participação nas semifinais do Campeonato Paranaense 2017. O time foi ao norte do Estado e perdeu por 1 a 0 para o Cianorte, no estádio Albino Turbay. Agora, para o jogo de volta, o Leão do Vale tem a vantagem do empate par a chegar à decisão. O Leão começou muito bem a partida, mas abriu a contagem apenas aos 30 minutos da primeira etapa, com Eduardinho, recebendo com liberdade na área e tocando para as redes para marcar o único gol da partida. As duas equipes voltam a se encontrar no estádio Couto Pereira, em Curitiba, em data e horário ainda a serem confirmados pela Federação Paranaense de Futebol. O Cianorte quase fez o segundo, aos 22 minutos, com Breno, que roubou a bola, disparou sem marcação e chutou cruzado para defesa de Wilson. Aos 29 minutos, jogada pelo lado direito, com Eduardinho, que fez a festa no meio da defesa alviverde e chutou para intervenção de Wilson. Aos 33 minutos, em seu primeiro lance Filigrana apareceu com liberdade na área, mas chutou fraco. O Leão administrava bem e controlava o resultado com tranquilidade.

Empate
O Atlético Paranaense fez sua lição de casa na partida de ida das semifinais do Campeonato Paranaense 2017 e bateu o Londrina por 2 a 1, na Arena da Baixada. Com o resultado, o Rubro-Negro vai agora ao norte do Estado precisando apenas de um empate para garantir seu lugar na decisão. O Furacão precisou de 13 minutos de jogo para abrir a contagem, com Nikão, que aproveitou cruzamento para desviar no cantinho, de cabeça, e balançar a rede. Aproveitando contra-ataque, João Pedro ampliou, aos 37 minutos. No segundo tempo, Yaya, aos 29 minutos, descontou. As duas equipes voltam a se encontrar no estádio do Café, em Londrina, em data e horário ainda a serem confirmados pela Federação Paranaense de Futebol. O Tubarão conseguiu diminuir aos 29 minutos, com Yaya Banhoro, aproveitando cruzamento de Ayrton para, no segundo pau, chutar cruzado para a rede. O gol animou o Londrina. Aos 33 minutos, Gava chutou de longe, à direita da meta. O Atlético tentou responder com João Pedro, que pegou sobra de bola e César fez grande defesa.

Campanha
O Goiás saiu na frente na disputa por uma vaga na grande final do Campeonato Goiano. Enfrentando o Atlético-GO, o time esmeraldino mostrou por que é o dono da segunda melhor campanha geral da competição e conquistou a importante vitória por 2 a 1 no estádio Serra Dourada. Os gols do Goiás foram marcados por Patrick e Tiago Luís. Júnior Viçosa foi quem balançou as redes para o Dragão. O primeiro tempo foi marcado pelo equilíbrio. Ambas as equipes propuseram o jogo e buscaram o gol durante os 45 minutos iniciais, no entanto, o Goiás acabou aproveitando melhor as oportunidades que criou. Em boa jogada pela esquerda, Patrick invadiu a área e chutou na saída do goleiro para abrir o placar. Tentando correr atrás do prejuízo, o Atlético-GO ainda tentou empatar antes do intervalo, porém o goleiro Marcelo Rangel assegurou a vantagem para os esmeraldinos. Apesar da superioridade do Atlético-GO no segundo tempo, o Goiás conseguiu retomar a vantagem no placar aos 40 minutos. Tiago Luís bateu forte cruzado e o goleiro Kléver não conseguiu evitar. Daí em diante bastou ao time esmeraldino segurar o rival, mesmo com Hélder sendo expulso após acertar com o pé o rosto de Bruno Pacheco, para sair na frente na disputa por uma vaga na grande decisão do Campeonato Goiano. O segundo confronto entre Goiás e Atlético-G0 acontece no próximo domingo, às 16h (de Brasília), novamente no Serra Dourada.

Clássicos
O primeiro dos clássicos entre Sport e Náutico, válidos pela semifinal do Campeonato Pernambucano, foi emocionante. Visitando o Leão, na Ilha do Retiro, neste domingo, o Timbu foi melhor na primeira etapa, construiu boa vantagem, e ia vencendo até os 45 minutos do segundo tempo, quando os donos da casa reagiram e arrancaram a virada por 3 a 2. Com o triunfo, o Rubro-negro garantiu a vantagem de avançar com qualquer empate no jogo da volta. Em caso de vitória alvirrubra por um gol de diferença, a decisão da semi será levada às penalidades. Depois do primeiro confronto entre os rivais, eles voltam a se encontrar na Arena de Pernambuco. O confronto está marcado para as 16h do próximo domingo. Mesmo ficando novamente atrás, o Leão manteve o bom ritmo, criou algumas chances, mas só conseguiu garantir o empate aos 45 minutos, com Juninho. E o atacante não se conteve com apenas um gol e decretou a virada, aos 46.

Conquistou
O Santa Cruz conquistou uma vitória magra pela primeira partida das semifinais do Campeonato Pernambucano. Recebendo o Salgueiro, neste sábado, o Tricolor contou com gol solitário de Anderson Salles para sair com a vitória por 1 a 0 e garantir uma pequena vantagem para o jogo de volta. Com o triunfo, o time Coral se garante na final do Estadual com qualquer empate no duelo da volta. Caso o SAC vença, independente do placar, o finalista desta chave será conhecido após disputa de pênaltis. O confronto desta noite foi marcado por falta de criatividade de ambos os lados. No começo, nenhuma das equipes conseguia ficar muito tempo com a bola e emendar chances claras de marcar. O Santa Cruz se soltou um pouco mais conforme o intervalo se aproximava, mas não conseguiu balançar as redes. O placar do estádio do Arruda só sofreu alteração aos 12 minutos da segunda etapa, quando Anderson Salles converteu cobrança de pênalti, e ficou assim até o final. Depois do primeiro tento da noite, o futebol pouco inspirado dos semifinalistas voltou a tomar conta do gramado e a vitória magra dos donos da casa não foi ameaçada. Coral e Carcará ainda têm mais um encontro para decidir quem vai à final em Pernambuco. O duelo da volta, no estádio Cornélio de Barros, está marcado para as 19h do dia 22 de abril.

Arrasador
O Ceará se saiu bem no segundo confronto da série de melhor de três da semifinal do Campeonato Cearense e está a um passo da final. Recebendo o Guarani de Juazeiro neste domingo, o Vovô sofreu no começo, mas foi arrasador nos minutos finais e venceu por 2 a 0, com gols de Lelê e Magno Alves. Depois do empate em 0 a 0 no primeiro encontro das equipes na semi e do triunfo desta tarde, o Ceará volta a jogar no Castelão precisando de um simples empate para avançar. O terceiro duelo da série será realizado às 16h do próximo sábado. O duelo desta tarde na capital cearense foi marcado pelo equilíbrio e pela falta de criatividade de ambas as partes. Apesar de algumas boas chances do Ceará no final da primeira etapa, o 0 a 0 persistiu no placar até os 36 minutos do segundo tempo, quando Lelê recebeu dentro da área e mandou no cantinho. Aos 45, Magno Alves marcou seu 101º gol com a camisa do Ceará e deu números finais ao encontro. Pelo outro lado da chave, o Fortaleza amargou empate em 1 a 1 diante do Ferroviário, dentro de casa, e se complicou na semifinal. O Tricolor havia perdido o primeiro encontro por 2 a 0, e precisa de uma vitória no terceiro jogo, que será realizado na próxima quarta-feira, ás 21h45.

Favoritismo
O Bahia conquistou um importante resultado na noite deste domingo. Visitando o Fluminense de Feira, em Feira de Santana, o Tricolor não se intimidou e fez prevalecer o favoritismo superando os rivais com o expressivo placar de 3 a 0, gols de Hernane, Renê Júnior e Régis. O início do primeiro tempo foi pouco agitado e as duas equipes não produziram muito em campo. A situação mudou aos 32 minutos, quando Hernane aproveitou o vacilo da zaga adversária, que não conseguiu cortar e deixou o atacante livre dominar para bater certeiro e estufar as redes. Daí em diante o Bahia ficou mais solto e criou mais oportunidades. Aos 36 minutos o Tricolor ampliou com Renê Júnior. O volante ficou esperto na entrada da área para pegar a sobra do bate-rebate e vencer o goleiro Jair. Antes de ir para o intervalo, o Bahia ainda chegou ao terceiro gol com Régis. Aos 44 minutos o meia bateu firme sem deixar a bola cair no chão e marcou um golaço no Joia da Princesa. Sem conseguir chegar ao empate, o Vitória já ia se conformando com a derrota, quando já nos acréscimos o time arriscou tudo no cruzamento de Euller. Após o levantamento na área, André Lima cabeceou entre dois zagueiros e mandou a bola no cantinho para conseguir o empate. O segundo confronto entre Vitória e Vitória da Conquista acontece no próximo domingo, às 16h (de Brasília), no Barradão, em Salvador.

Abatido
Visivelmente abatido por mais uma derrota do São Paulo por 2 a 0 no Morumbi, o técnico Rogério Ceni reconheceu que o Corinthians, algoz deste domingo, teve “mais pegada” durante o primeiro tempo, em que o adversário marcou os dois gols e construiu a vitória. O treinador, contudo, elogiou a postura de sua equipe nos últimos 45 minutos, apesar de não ter conseguido sequer diminuir o prejuízo para o jogo de volta das semifinais do Campeonato Paulista. “No primeiro tempo, achei que faltou a gente competir mais. O Corinthians teve mais pegada. No segundo tempo, tenho de elogiar o time, que tentou de todas as maneiras reagir. O Gilberto entrou muito bem no jogo, Jucilei fora de série, cruzamos 39 bolas na área do Corinthians, o Cássio fez boas defesas, fizemos o que o jogo pedia”, explicou Ceni, em entrevista coletiva. “Jogamos num losango no meio-campo, com Jucilei, Cícero, Thiago (Mendes) e Cueva para municiar Pratto e Gilberto, mas a defesa do Corinthians tirou as bolas e as que cabeceamos foram para fora”, lamentou. A exemplo do revés para o Cruzeiro, pelo mesmo placar, na última quinta-feira, o São Paulo não teve êxito em furar o bloqueio adversário e acabou castigado em erros defensivos. Mesmo assim, o treinador vê sua equipe com bom repertório ofensivo.

Escalação
O meia Rodriguinho foi o último jogador confirmado pelo técnico Fábio Carille na escalação da equipe para o Majestoso deste domingo, no estádio do Morumbi. Combalido por uma gripe desde sexta-feira, o armador só reuniu condições de atuar na manhã deste domingo, dando-lhe a chance de marcar pela primeira vez em um clássico pelo Corinthians. “Meu primeiro gol em clássico, consegui achar aquele passe para o Jô também”, comentou o meio-campista, lembrando da sua participação no gol feito por Jô, que abriu o placar. Na ocasião, ele recebeu a bola após o centroavante ganhar pelo alto de Júnior Tavares, trouxe para a perna esquerda e colocou o camisa 7 cara a cara com Renan. “Foi um jogo muito especial para mim. (O chute de fora da área) É uma arma que a gente procura usar, espero até poder fazer mais isso, acertar mais vezes, fui bem de ela ir ali no cantinho”, avaliou Rodriguinho, ressaltando a importância do 2 a 0 na casa do rival.

Condição
“Primeiro muito feliz de ter conseguido dar o passe e fazer o gol, uma grande vitória aqui dentro, nos dá uma condição muito boa para tentar a vaga em casa. Mas é um resultado perigoso também, é um time forte, temos que descansar agora para pensar na quarta contra o Inter”, avaliou, explicando o recuo alvinegro na etapa final. “Tem que entender que jogando na casa do adversário ganhando 2 a 0, tinha que se cuidar um pouco mais para levar essa vantagem para a nossa casa”, contou o atleta, que espera um Corinthians longe de estar recuado no duelo da volta. “Temos de propor o jogo dentro da nossa casa, vamos para cima do Inter para conseguir essa vaga e, no domingo, fechar essa classificação. Dentro da nossa casa nós temos de pressionar um pouco mais, vamos ver qual estratégia a gente vai adotar”, concluiu.

Dominou
A Chapecoense dominou o Joinville na tarde deste sábado, na Arena Condá, venceu o rival por 2 a 0 diante da sua torcida e assegurou a conquista da taça Sandro Pallaoro, entregue ao campeão do returno do Campeonato Catarinense. De quebra, a equipe está classificada para a final do Estadual, que será disputada diante do Avaí, equipe que conquistou o primeiro turno. Com uma rodada ainda a ser disputada no próximo final de semana, o time de Chapecó poderá descansar antes das finais, marcadas para os dias 30 de abril e 7 de maio. O primeiro duelo será na Ressacada, casa do Avaí, enquanto o segundo será na Arena Condá. Antes deles, o time tem os dois jogos diante do Nacional-URU, nos dias 17 e 25 deste mês, pelo Grupo 7 da Libertadores da América. Nos outros jogos da rodada, o Almirante Barrosos conseguiu uma importante vitória por 1 a 0 sobre o Avaí, fora de casa, e ganhou fôlego na briga contra o rebaixamento. Com o resultado, o time chega aos mesmos 15 pontos do Metropolitano, que empatou por 2 a 2 com o Criciúma, ambos apenas um ponto atrás do Inter de Lages, que perdeu do Brusque fora de casa e é o primeiro time fora da zona de rebaixamento.

Operação
O meia Diego passou por cirurgia na manhã deste sábado, após sofrer lesão no joelho direito durante a vitória do Flamengo sobre o Atlético-PR por 2 a 1, na última quarta-feira, pela Libertadores. De acordo com o departamento médico do clube, tudo correu bem na operação. “Foi realizada uma artroscopia para tratar a lesão de menisco, depois trataremos a lesão do colateral medial junto na fisioterapia. Correu tudo bem”, garantiu o médico do Rubro-Negro, Márcio Tennure. O meia sofreu lesão no ligamento colateral medial e também no menisco medial. A previsão é de que o atleta fique até seis semanas parado. “A previsão é de alta hoje, e segunda-feira ele iniciará o processo de fisioterapia. Acreditamos que de 4 a 6 semanas ele estará apto a voltar às suas rotinas de treinamento”, confirmou o doutor, mantendo o prazo de recuperação de Diego.

Tratamentos
O Flamengo confirmou que o jogador deve se reapresentar já na segunda-feira, para iniciar os tratamentos. Por conta da lesão, o meia não atua mais no Campeonato Carioca, além de perder o restante da fase de grupos da Libertadores e, ainda, as primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro. O técnico Zé Ricardo tem os meias Mancuello e Ederson, além dos jovens Matheus Sávio e Lucas Paquetá, como principais opções para substituir Diego. O segundo, porém, ainda está em fase final de recuperação física, e não atua desde 2016. O próximo compromisso do Fla é a semifinal do Carioca, no fim de semana dos dias 22 e 23 de abril, diante do Botafogo. Pela Libertadores, o Rubro-Negro joga no dia 26, novamente contra o Atlético-PR, desta vez em Curitiba.

Temporada
A Raposa segue invicta na temporada. O duelo contra o São Paulo, vitória por 2 a 0, no Morumbi, além de comprovar a boa fase azul serviu para animar ainda mais a expectativa de títulos. Agora a série de decisões terá início, com jogos em sequência pelo Campeonato Mineiro e Copa do Brasil. Para entrar forte nos torneios e levantar taças, a Raposa convoca a torcida para ajudar com gritos das arquibancadas. “O mais importante é que o torcedor do Cruzeiro vá ao campo, se coloque do lado da equipe. O comportamento que o time vai ter, seja com essa ou aquela formação, vai ser um comportamento que orgulha o torcedor. Ele vai enxergar os jogadores lutando muito pela camisa do Cruzeiro, buscando com muita doação para superar cada adversário que se coloca na frente. É por isso que ainda não perdemos na temporada. Não é por que a gente é imbatível, é porque o comportamento dos jogadores é muito bom para buscar os resultados. É isso que vamos fazer no domingo diante do América-MG (pela semifinal do Mineiro)”, destacou Mano Menezes.

Abalado
O mundo do futebol foi abalado na semana passada por conta das explosões que atingiram o ônibus do Borussia Dortmund, feriram o zagueiro Marc Bartra e adiaram de terça para quarta o jogo entre o time local e o Monaco, pela Liga dos Campeões. O caso é tratado pela polícia alemã como ato de terrorismo. A competição está de volta nesta terça-feira com dois jogos. Um deles envolve dois gigantes, Real Madrid e Bayern de Munique, que se enfrentarão no Santiago Bernabéu às 15h45 (horário de Brasília), com transmissão ao vivo da TV Globo e do GloboEsporte.com – o pré-jogo no site começa às 14h. Um dos destaques da seleção brasileira e da equipe merengue, Casemiro falou sobre o que passa em sua cabeça em relação ao terrorismo, que tem sido recorrente na Europa. “Nós estamos tão concentrados no jogo que não cabe pensar nisso. O Real tem um sistema de segurança por trás que é excepcional. Claro que isso preocupa, porque são jogadores como nós. Mas estamos tão concentrados no jogo que isso não nos afeta” disse Casemiro, em entrevista coletiva.

Obrigação
As derrotas por 2 a 0 para o Cruzeiro, na última quinta-feira, e para o Corinthians, no último domingo, deixaram o São Paulo com a obrigação de marcar muitos gols nos jogos de volta da Copa do Brasil, quarta-feira, em Belo Horizonte, e no domingo, na arena alvinegra em Itaquera, pelo Paulistão. O que preocupa é o momento ruim dos atacantes do Tricolor, que parecem ter perdido o rumo do gol. Diante de Cruzeiro e Corinthians, os são-paulinos não encontraram o caminho das redes. Tiveram muita dificuldade na criação das jogadas. Nem mesmo o retorno de Cueva, recuperado de lesão muscular na coxa esquerda, mudou a situação. O São Paulo foi previsível nas duas partidas. Encontrou adversários que marcaram muito bem e não encontrou novas alternativas de jogo. Individualmente, os atacantes não vivem bons momentos. Wellington Nem, que ainda não encontrou seu melhor futebol desde que foi contratado, é dúvida para as partidas da próxima semana, já que sofreu um trauma no joelho esquerdo no primeiro tempo da partida contra o Corinthians e precisou ser substituído.

Remodelado
Martín Silva, Madson, Luan, Rodrigo e Henrique; Julio dos Santos, Andrezinho, Escudero e Nenê; Eder Luis e Thalles. Esses eram os 11 titulares que começaram a partida do dia 29 de janeiro de 2017 contra o Fluminense. Quase três meses depois, o Vasco revê o Fluminense de Abel Braga bem remodelado. O técnico Milton Mendes substituiu Cristóvão Borges e a equipe é outra. O Vasco que venceu o Botafogo por 2 a 0, na final da Taça Rio, neste domingo de Páscoa, é outra equipe, o que não é difícil de perceber só de olhar a escalação. Apenas Martín, Rodrigo, Henrique, Andrezinho e Nenê seguem no time vascaíno. Mas o confronto do próximo sábado com o Fluminense, ainda sem local definido, é um belo dever de casa para os comandados de Milton Mendes. O primeiro e o segundo tempo do confronto com o Botafogo tem alguma coisa a ensinar. Remanescente daquela equipe que sofreu para subir à Série A de 2016, Andrezinho, ao lado de Luis Fabiano, de 36 anos, e Nenê, de 35, inegavelmente torna o time mais cadenciado e menos físico – ou, para ser mais claro, lento mesmo.

Assustar
A altitude costuma assustar os times brasileiros na Libertadores. E o Santos vai jogar contra o Santa Fe com 2.640 metros acima do nível do mar na próxima quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), em Bogotá, na Colômbia. Mas isso não preocupa. O preparador físico Celso Resende explica que a única ressalva é o fator psicológico dos jogadores do Peixe. Por isso, a comissão técnica evita até falar sobre o assunto para que o time entre em campo como se atuasse na Baixada Santista. “Não tem mudança significativa. É importante deixar bem claro que só acima de 2.500 metros que se começa a ter uma preocupação maior. É uma altitude aceitável na Colômbia. Até evitamos tocar no assunto para os atletas por causa do efeito psicológico que poderia ser criado” disse Celso. A altitude não inquieta o Alvinegro, mas alguns cuidados serão tomados para que os jogadores não sintam qualquer defícit físico na Colômbia. “Tomaremos algumas preocupações: hidratação mais constante, repouso maior, diminuir o tempo entre as refeições. Mas não existe preocupação específica com altitude. É só um cuidado maior” completou o preparador. O Santos viaja para Bogotá na manhã desta segunda-feira. O elenco fará o reconhecimento do estádio El Campin na noite de terça-feira.

Mensagem
Pelé, Robinho, Diego… Vários ídolos do Santos deram os parabéns pelos 105 anos de fundação, comemorados na última sexta-feira. Mas os torcedores sentiram a falta de uma mensagem de Neymar. O atacante do Barcelona não fez qualquer publicação e explicou os motivos. “Não tenho obrigação alguma de dar parabéns. Sou grato, agradeço tudo que fizeram por mim. Amo e amei jogar pelo Santos, toda minha família é santista, eu mesmo acabei virando santista, mas não sou obrigado a fazer tudo que quiserem” disse Neymar ao “Esporte Interativo”. A relação entre o jogador, família e o Peixe ficou estremecida após uma ação judicial. O presidente Modesto Roma acredita em irregularidades na negociação com o Barcelona em 2013. “Tenho respeito e carinho enorme pelo Santos, minha família toda é santista, só que também tem o lado ruim. O Santos entrou na Justiça contra a gente por algo que não entendo até hoje. Disseram que só faltou eu fazer gol contra na partida diante do Barcelona (no Mundial de 2011). São detalhes que ninguém sabe e começam a me cobrar, então é complicado. Ninguém sabe dessas histórias, só o que vê por fora” completou. Por fim, ao ser perguntado sobre o time que gostaria de jogar no retorno ao Brasil, o craque voltou a citar o Flamengo. “Eu tenho muita vontade de jogar pelo Flamengo, Maracanã lotado, Libertadores…” concluiu.

Credenciar
Cinco gols em cinco jogos. Os números do atacante Juninho nas últimas partidas do Sport já podem credenciar o jovem atacante rubro-negro a ser titular da equipe. Ainda mais pelo fato de André e Leandro Pereira, outros centroavantes do elenco, não passarem por uma boa fase. No último domingo, ele saiu do banco de reservas para fazer dois gols nos acréscimos que garantiram a vitória do Leão por 3 a 2 sobre o Náutico. Essa não foi a primeira vez que o garoto de 19 anos decidiu para o Leão, nos últimos dias. Ela já havia sido determinante contra Joinville, Copa do Brasil, e Campinense, Copa do Nordeste. Apesar do momento altamente positivo na Ilha do Retiro, Juninho ainda não está garantido como um dos titulares absolutos do time. Pelo menos, isso é o que garante o técnico Ney Franco. De acordo com o treinador, ainda é cedo para falar sobre o assunto. “Não quero antecipar sobre isso de ser titular. Vamos dar uma pensada para definir a equipe. Ele fez gol a cada jogo, mas ainda não quero adiantar se vai ser titular”.

Treinador
Juninho vem encantando o técnico Ney Franco a cada dia no Sport. O treinador chegou a chamar o jovem atacante de talismã e a compará-lo ao atacante Gabriel Jesus, hoje no Manchester City e ex-jogador do Palmeiras. “Ele está fazendo muito bem a transição da base para o profissional e vem definindo os jogos. Tem um talento enorme. Está sendo bem preparado”. Juninho tem cinco gols pelo Sport no ano e todos foram marcados nos últimos cinco jogos. No dia 30 de março, fez um gol que ajudou o Sport na derrota por 3 a 1 sobre o Campinense na Copa do Nordeste. No jogo de volta, o Leão conseguiu avançar pelo gol marcado fora de casa. Na semana passada, salvou o time ao marcar o gol da vitória por 2 a 1 sobre o Joinville, na Copa do Brasil. Ainda fez gol também contra o Central, numa vitória por 3 a 1.

Tristeza
Não deu para esconder o tamanho da tristeza do Náutico após a derrota por 3 a 2 para o Sport, neste domingo. Mais ainda por causa da maneira que o placar se desenhou, com uma virada rubro-negra nos acréscimos. O técnico Milton Cruz reconheceu que o placar foi dolorido, mas disse que a decisão ainda está em aberto. Principalmente porque o regulamento não prevê vantagem por gol marcado fora de casa. Uma vitória simples do Timbu leva a decisão para os pênaltis. Por dois ou mais gols, dá a classificação à final. “Viemos para jogar, mas a torcida pressionou, criou-se um clima, o Sport foi para cima dentro de casa, o que é normal. No primeiro tempo, saiu o gol de falta e começamos a jogar. Na Arena, a gente conhece mais. Eu acho que o Sport teve seus méritos, mas o jogo foi equilibrado. O Náutico vai jogar da mesma maneira”. Milton Cruz se mostrou chateado com um gol do Náutico, anulado pela arbitragem. No segundo tempo, Ewerton Páscoa subiu para cabecear e se chocou com Magrão. A arbitragem anulou o lance no momento em que a partida estava empatada em 1 a 1. Minutos depois, Anselmo fez o segundo gol do Timbu. “É doída. O time conseguiu fazer reverter depois de sofrer o empate. No lance de Páscoa, até Magrão falou que não foi falta. É um absurdo. Aí você vê… Mas nosso time mostrou brio e vamos jogar de igual para igual. Vamos ter o apoio da nossa torcida e está tudo em aberto. Estamos no bolo”.

Suspenso
O atacante Jô esteve suspenso para o segundo jogo da semifinal do Campeonato Paulista por alguns segundos na noite deste domingo, durante a primeira partida da disputa contra o São Paulo, no Morumbi. Após ser advertido com o cartão amarelo por uma falta que não fez, viu o zagueiro Rodrigo Caio admitir que ele era quem havia atingido o companheiro Renan Ribeiro, anulando o cartão. “Tem que valorizar essa atitude do Rodrigo Caio, teve uma atitude de homem, admitiu que foi ele quem pisou no Renan”, disse o centroavante, que estava pendurado e reclamou incessantemente do cartão com o árbitro Luiz Flávio de Oliveira nesse período de tempo. O próprio juiz, por sinal, parabenizou a atitude do defensor. “É uma amostra que o futebol está mudando, que dá para ser honesto. Eu fiquei tranquilo porque sabia que não tinha pegado no Renan, mas ainda bem que o Rodrigo teve a honra de admitir”, continuou Jô, que havia acabado de fazer o primeiro gol da partida. “Que legal essa postura do Rodrigo Caio, que legal. Lembro que o Tite pedia sempre para não ser malandro e, num jogo desse tamanho, ele teve essa atitude. Pode ter certeza que eu vou dar um abraço nele no domingo”, prometeu o técnico Fábio Carille.

Reservas
Em suas 34 edições, disputadas desde 1982, a Taça Rio jamais tinha sido decidida com uma das equipes atuando com os reservas. Mas a regra foi quebrada no domingo (16) pelo Botafogo. O Alvinegro levou a campo um time alternativo para a final contra o Vasco e perdeu por 2 a 0, no Estádio Nilton Santos, o Engenhão. A equipe titular foi poupada por causa de jogo contra o Barcelona de Guayaquil, pela Libertadores, na quinta (20), no Equador. A Taça Rio corresponde ao returno do Campeonato Carioca e foi criada para ter peso semelhante à Taça Guanabara, tradicionalmente entregue ao vencedor do primeiro turno. Por vários anos, a Taça Rio foi disputada em sistema de pontos corridos, sem fase semifinal ou final. Mas, nos anos em que houve decisão específica para se conhecer o campeão do returno, os clubes sempre escalaram o que de melhor havia no elenco. A opção do Botafogo pelos suplentes no clássico do domingo é um exemplo do esvaziamento do Campeonato Carioca e expõe o fracasso do regulamento da competição para o ano de 2017. O Vasco, apesar de campeão da Taça Rio, não terá vantagem nenhuma na semifinal do Estadual, que começará no próximo fim de semana com dois confrontos Fluminense x Vasco, no sábado, e Flamengo x Botafogo, no domingo.

Decepcionou
A torcida atleticana não saiu nada satisfeita do Mineirão neste domingo. O resultado de 1 a 1 não foi péssimo, já que o Galo continua com a vantagem do empate no próximo jogo contra a URT, no próximo domingo, para ir à final do Mineiro. O desempenho do time, porém, decepcionou – especialmente no segundo tempo. Por isso, após o apito final, boa parte da torcida presente no Gigante da Pampulha vaiou os jogadores. O treinador Roger Machado também foi alvo de muitas reclamações e analisou como natural a bronca do torcedor. “Competitividade é do ser humano e do atleta. É uma junção de vários fatores que, quando somados, você tem time competitivo. E foi isso que a gente viu no começo do jogo. Não vamos isentar nossa responsabilidade, a minha responsabilidade. Não vou colocar a culpa no calor ou no desgaste pelo pouco tempo de recuperação. Torcedor tem o direto de cobrar quando não gosta. E hoje pelo segundo tempo, que não gostou”. O volante Elias – que chegou a marcar um gol anulado pela arbitragem no primeiro tempo – também comentou a resposta da torcida após o jogo. “Eles vêm, incentivam os 90 minutos, é o que a gente pede. Depois, quando o resultado não é o que eles esperavam e não é o que nós queríamos também, têm o direito de vaiar. O trabalho é bem feito, agora é cabeça erguida. Esperamos que no próximo, com o horário das 16h, possamos estar recuperados da Libertadores para fazer um bom jogo”.

Comandante
Joel Santana fica ou não fica no Boavista para a Série D do Campeonato Brasileiro? Ao que tudo indica, esta pergunta vai ser respondida nesta segunda-feira. Segundo o gestor do clube, João Paulo Magalhães, neste dia, uma reunião será realizada entre o clube e o comandante para definir a permanência ou não do técnico para a disputa da competição nacional. “Vou sentar com ele na segunda-feira para conversamos e definirmos” disse brevemente o homem forte do Verdão de Saquarema, ao comentar a situação do treinador. Apresentado pelo Boavista no dia 12 de dezembro para o Campeonato Carioca, Joel Santana comandou o clube em 15 jogos entre o estadual e a Copa do Brasil. À frente do time, o treinador teve cinco vitórias, sete derrotas e três empates. Sem mais compromissos pelo Campeonato Carioca pela frente, o Boavista começa a reformular o elenco para a disputa da Série D do Campeonato Brasileiro. O próximo jogo oficial do clube está previsto para acontecer no dia 21 de maio, contra a Caldense. A tendência é que o clube volte aos trabalhos no próximo dia 24 de abril de olho na disputa da competição nacional.

Responsável
O goleiro Rafael foi o grande responsável pelo empate por 1 a 1 entre Cruzeiro e América-MG na tarde deste domingo, no estádio Independência. Dono de pelo menos três excelentes defesas, sendo a última dela em uma cabeçada de Mike, já nos acréscimos da partida, com direito a muitos cumprimentos dos companheiros após o lance. “Pude fazer a defesa no final, saímos com o empate nos primeiros 90 minutos da semifinal. Ao meu ver, o empate foi justo”, afirmou o arqueiro, que não quis nem eleger qual teria sido sua intervenção mais bonita de se ver na partida. Para ele, todas as bolas que conseguiu parar foram de importância parecida, apesar de reconhecer o valor maior da realizada nos acréscimos. “Agora é descansar, porque semana que vem temos dois jogos muito importantes. No jogo da volta espero fazer um grande jogo e poder sacramentar a classificação. Toda defesa é bonita porque é muito importante, é como se fosse o gol. A última foi a mais bonita pela plástica”, explicou o jogador. Na frente, a Raposa mostrou muita dificuldade em conseguir furar o bloqueio do adversário, aproveitando com Thiago Neves uma das poucas vezes em que conseguiu finalizar dentro da área do América-MG. Para Rafael Sóbis, porém, o resultado foi justo pelo que os dois lados apresentaram.

(*) Wilson Barbosa é jornalista e cronista esportivo. Email: www.wilsonbarbosatreze@gmail.com

Deixe uma resposta