Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Geral | Novembro Azul: homens do Cabelos de Prata recebem atendimento médico e orientações sobre o câncer de próstata

Novembro Azul: homens do Cabelos de Prata recebem atendimento médico e orientações sobre o câncer de próstata

Idosos do Cbelos de Prata receberm atendimento - Foto: Semuc/PMBV

Idosos do Cbelos de Prata receberm atendimento – Foto: Semuc/PMBV

Um dos maiores desafios para a detecção precoce do câncer de próstata é o preconceito por parte dos homens e também pela falta de conhecimento sobre a doença. Por isso a Secretaria Municipal de Saúde está orientando e informando a população masculina sobre o assunto, principalmente a população idosa. Nesta terça-feira, 10, os integrantes do Cabelos de Prata do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Centenário receberam orientações médicas.

Durante as atividades do programa, todos os homens tiveram orientações com os médicos. A residente do Programa Saúde da Família, Andreia Caren, explicou que todos receberam encaminhamento para fazer o exame de sangue e o de toque retal. “Além das informações necessárias, como a percepção de alteração no organismo. Explicamos que o câncer de próstata pode ser tratado, quando diagnosticado cedo. Depois de feito os exames, os idosos vão retornar com o médico da unidade de saúde para mostrar os resultados”, explicou.

Seu Agenor Soares, 75, disse que faz os exames todos os anos e na semana passada mostrou os resultados ao seu médico. “Todos os anos me preocupo em acompanhar minha saúde. É uma garantia de que está cem por cento. Os homens têm preconceito com o exame de toque, mas é melhor do que ficar numa cama de hospital morrendo de dor, esperando a hora de morrer”, argumentou.

Estatística

O câncer de próstata é a segunda doença que mais mata homens no país, ficando atrás apenas do câncer de pulmão. Estatísticas apontam que um a cada seis homens é portador da doença. A estimativa é de que, em 2015, 69 mil novos casos sejam diagnosticados, ou seja, a descoberta de um caso a cada 7,6 minutos.

Simeão Wanderley

 

Deixe uma resposta