Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Política | Mozarildo denuncia abandono das famílias retiradas da Reserva Raposa Serra do Sol

Mozarildo denuncia abandono das famílias retiradas da Reserva Raposa Serra do Sol

Mozarildo: situação na reserva indígena é difícil - Foto: Agência SenadoNove anos depois da demarcação da Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, as pessoas expulsas da região vivem no Projeto de Assentamento Nova Amazônia, sem qualquer tipo de assistência do governo federal, denunciou o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR).

As famílias chegaram à região há quatro gerações. Elas produziam cerca de 25% do produto interno bruto de Roraima, com o cultivo do milho, soja e arroz, informou o senador.

Agora, muitas delas encontram dificuldade para exercer alguma atividade que lhes renda dinheiro para a subsistência, disse o senador, ao lembrar que outras famílias que não estão no assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária vivem na periferia de Boa Vista.

E o que é pior, acrescentou Mozarildo Cavalcanti, é que também os índios que ficaram na Reserva Raposa Serra do Sol sofrem com o descaso do governo federal.

O senador ainda lamentou a entrega, aos moradores do assentamento, de casas inacabadas do programa Minha Casa, Minha Vida, mais uma prova do desrespeito do governo com as pessoas que foram obrigadas a deixar suas terras onde hoje é a Reserva Raposa Serra do Sol.

Em recente visita ao assentamento Truaru, zona rural de Boa Vista, o senador Mozarildo conversou com os produtores que moravam na região da Raposa. O pecuarista Jorge Figueira, disse que foi assentado num lugar sem água potável, sem energia e sem Posto de Saúde. – Se alguém adoecer aqui não tem pra onde correr, e na época da chuva ficamos isolados. A estrada é péssima, desabafou o pecuarista.

A situação na reserva indígena também é difícil. – Eu fico estarrecido. Agora pergunto de novo, como médico: e como estão os seres humanos índios lá, melhoraram de vida? Negativo, eles estão vindo para a cidade porque não podem mais sobreviver ali, porque o emprego que eles tinham do próprio estado foi extinto. Tiveram que ir para a capital – finalizou o senador.

 

Deixe uma resposta