Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Geral | Merenda escolar: cardápio é aprimorado e escolas começam a receber os gêneros

Merenda escolar: cardápio é aprimorado e escolas começam a receber os gêneros

A medida adotada pela atual gestão contempla 30 itens, além de gêneros da Agricultura Familiar - Foto: Neto Figueredo

A medida adotada pela atual gestão contempla 30 itens, além de gêneros da Agricultura Familiar – Foto: Neto Figueredo

Os mais de 74 mil alunos da rede estadual de ensino começaram a receber esta semana alimentação escolar de qualidade, com valores calóricos preconizados pelo Ministério da Educação. A medida adotada pela atual gestão contempla 30 itens e o valor do processo é de R$ 9,9 milhões.

No novo cardápio da alimentação escolar estão: açúcar, iogurte natural, carne bovina, peixe, frango, charque, carne de sol, carne moída, arroz, alho, leite em pó, pimentão, sal, abóbora, cenoura, cebola, macaxeira, biscoito, extrato de tomate, feijão, farinha de mandioca, farinha de tapioca, milho branco, coco ralado desidratado, macarrão, óleo, sardinha em conserva, suco de frutas, vinagre e batata.

O cardápio foi elaborado por uma equipe técnica, com acompanhamento de um nutricionista que vistoriou todo o processo, desde a escolha dos alimentos até a distribuição e acondiciomento. As cozinhas das escolas estão passando por adaptação e a Seed (Secretaria Estadual de Educação e Desporto) está adquirindo os equipamentos e utensílios para as unidades produzirem a merenda no local.

Agricultura familiar

Atendendo a legislação em vigor, este ano os alunos da rede pública terão reforço nutricional com a aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar. O investimento anual será de R$ 3,5 milhões para a compra de frutas, verduras, hortaliças e polpas de frutas de uma cooperativa de produtores de Roraima.

Kit do aluno

Para garantir a segurança alimentar dos estudantes, a Seed adquiriu 50 mil kits para a merenda escolar com bandeja plástica, copo, talheres e pratos (raso e fundo) em alumínio, seguindo as orientações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O investimento é de R$ 2 milhões.

Leandro Freitas

 

Deixe uma resposta