Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Política | Linhão de Tucuruí: Hiran Gonçalves solicita à Justiça do Amazonas sua participação na ação civil publica movida pelo MPF

Linhão de Tucuruí: Hiran Gonçalves solicita à Justiça do Amazonas sua participação na ação civil publica movida pelo MPF

Deputado Hiran Gonçalves: “Não podemos permitir que a população roraimense continue sofrendo com a instabilidade no fornecimento de energia elétrica” - Foto: Divulgação

Deputado Hiran Gonçalves: “Não podemos permitir que a população roraimense continue sofrendo com a instabilidade no fornecimento de energia elétrica” – Foto: Divulgação

O deputado federal, Dr. Hiran Gonçalves (PMB/RR) solicitou a 3ª Vara da Sessão Judiciária Federal do Estado do Amazonas sua participação junto à ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal que impede a construção da rede de distribuição elétrica de Tucuruí, que ligará Manaus a Boa Vista.

Caso seja deferido o pedido de sua habilitação no processo, o parlamentar pretende entrar com recurso contra a limitar que impede o andamento das obras.

“Por ser um legislador me sinto na obrigação de representar os interesses da população e ao mesmo tempo, zelar pelo bem estar de todos os cidadãos do meu Estado. É importante ressaltar que essa ação movida pelo Ministério Público Federal atinge de forma direta o povo roraimense”, informou.

Na justificativa, Hiran Gonçalves ressalta como necessária a construção do Linhão de Tucuruí.

“Infelizmente Roraima sofre diariamente com apagões no fornecimento de energia elétrica, conforme é constantemente noticiado nos veículos de comunicação roraimenses, justamente por não possuir um serviço de qualidade, seja na zona urbana, quanto na zona rural. Grande parte da energia fornecida ao Estado, com exceção das regiões que possuem termoelétricas, vem da Venezuela, o que nos torna reféns. Vale lembrar que essa energia elétrica não é confiável, principalmente pela situação de instabilidade vivida no país Venezuelano, restando o Linhão de Tucuruí como a única alternativa confiável”, justificou.

Jânio Tavares

 

Deixe uma resposta