Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Interior | Escola de assentamento é reformada e ganha ar condicionado nas salas

Escola de assentamento é reformada e ganha ar condicionado nas salas

Escola foi totalmente reformada - Fotos: Fernando Oliveira

Escola foi totalmente reformada – Fotos: Fernando Oliveira

Os alunos da Escola Estadual Albino Tavares, localizada no Projeto de Assentamento Nova Amazônia, na BR- 174- KM 35, zona rural de Boa Vista, agora só saem da sala de aula se for para brincar no parquinho. Eles estão adorando o clima das salas, que ganharam ar condicionado na primeira reforma que a unidade de ensino recebeu, depois de 12 anos de abandono. A nova estrutura da escola foi entregue à comunidade pela governadora Suely Campos, neste domingo, 17.A solenidade contou com a presença da comunidade estudantil, de pais, professores e de políticos. A reinauguração foi marcada por apresentações culturais como a Banda de Música da Polícia Militar, o coral da escola Albino Tavares e da Fanfarra Imperial Brasil, formada por alunos das escolas Ana Libória e Olavo Brasil Filho.

Com o compromisso voltado para a melhoria da educação, a governadora Suely Campos não tem medido esforços para reformar e revitalizar as unidades escolares do Estado. “É mais um passo importante. Uma vitória do governo do povo. Entregar a segunda escola toda reformada em quatro meses de gestão demonstra o nosso compromisso com a educação”, declarou a governadora.

Ela ressaltou que outras escolas que estavam em piores condições, estão passando por reforma. “Vamos reformar todas as escolas que estiverem precisando de reparos. Nossa preocupação vai além da estrutura física. Temos que melhorar a qualidade do ensino, investir e capacitar os nossos professores, temos que dar passos importantes na melhoria da qualidade do ensino, essa é uma prioridade do nosso governo”, observou.

A secretária de Educação, Selma Mulinari, contou que encontrou a escola desativada. “Os alunos estavam sendo atendidos em um anexo cedido pela Universidade Federal de Roraima e, em pouco mais de 60 dias, a escola está pronta”, disse.

Selma explicou que “a cozinha foi ampliada, o anexo foi revitalizado, tem biblioteca, fizemos jardins e colocamos um parque. Educação não é só construir prédio bonito e colocar professor lá dentro. É o todo. A criança tem que gostar de ir para a escola. A escola é a sua segunda casa. Então, é importante que o entorno também seja cuidado. É oportunizar aos alunos mais espaços para que possa ficar na escola. Fizemos uma quadra de areia para a prática do voleibol, do futebol”, explicou a secretária.

A gestora da escola, Cleocimar Teixeira, lembrou que o espaço era inadequado para o aprendizado e para receber os alunos. “É um sonho para nós moradores, funcionários, para os alunos e para os pais de alunos do PA Nova Amazônia ver essa transformação”, declarou.

escolalbinotvares2Todas as salas de aula foram reformadas e estão climatizadas. A cozinha foi ampliada e adaptada para produzir os gêneros da alimentação escolar, que conta com itens da agricultura familiar. Foram refeitas as instalações elétricas e hidráulicas, construção de rampas de acessibilidade, como também pinturas em geral, reparos no forro e piso, e troca de itens danificados.

Satisfeito com a nova escola, o aluno Paulo Vitor disse que antes tudo estava deteriorado. “Um dia, uma lâmpada caiu bem do meu lado. As janelas estavam quebradas, a pintura estava velha, chão esburacado, mas, agora, está tudo arrumado, forrado, ar condicionado funcionando, o parquinho agora tem brinquedos, antes a gente brincava na árvore. Eu agradeço a governadora Suely por ter feito isso pra nós”, declarou.

Com um sorriso estampado no rosto, a aluna Brenda Rosa falou do antes e depois da reforma. “Era tudo danificado, os banheiros sujos e com mau cheiro, a gente entrava porque era necessário. Quando chovia alagava tudo. Agora tá bom. Temos parque pra brincar. Dá orgulho entrar na nossa escola”, declarou a estudante.

“A mudança foi 100%. Temos que agradecer a governadora. A reforma ficou muito boa. Muito bonito mesmo. Minha filha vem com todo gosto pra escola”, reconheceu Vilma Silva, mãe de aluna.

O engenheiro Neudo Campos tem acompanhado todo o trabalho e participado das reinaugurações. Ele disse que “o objetivo é fazer disso uma rotina até que a última escola esteja reformada e que todos gostem e apreciem. Para que as crianças e os professores se orgulhem de suas escolas”, disse.

Histórico

Guilherme Albino Tavares foi fazendeiro na região do Amajarí. Com 13 anos de idade começou a trabalhar em Manaus como balconista na firma JG de Araújo Jorge. Filho único, deu prosseguimento às atividades dos pais nas fazendas Santa Izabel, Aracati, Nova Esperança, Nova Cruz, São Pedro, Nova Aliança, Predileta e São João do Acara, na região do Amajarí. Era simples, sem grandes sonhos financeiros. Gostava de doar gado para seus vaqueiros, seus trabalhadores e até para estranhos.

Vânia Coelho

 

Deixe uma resposta