Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Colunistas | Wilson Barbosa | Coluna Panorama Esportivo 19.08.14 – Wilson Barbosa

Coluna Panorama Esportivo 19.08.14 – Wilson Barbosa

Ranking

Atlético-MG é campeão da Libertadores de 2013, mas é só 15º em ranking da CBF dos últimos cinco anos - Foto: AFPO sorteio que define as oitavas de final da Copa do Brasil nesta segunda-feira, às 11h (de Brasília) é pensado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para não colocar frente a frente, logo de cara, as equipes que ela considera as melhores do País. Mas qual o critério da entidade para definir os clubes que são cabeças de chave nesta fase da competição, além dos que jogaram a Libertadores e entram direto nesta fase? A resposta é o obscuro ranking da CBF, atualizado anualmente e que serve também para classificar automaticamente alguns times para a Copa do Brasil. Por que o Grêmio, que não vence um título nacional de primeira divisão desde 2001, é o primeiro colocado? E por que o Vasco, atualmente na Série B, é cabeça de chave das oitavas de final da Copa do Brasil? Entenda a seguir as contas feitas pela confederação que comanda o futebol brasileiro para definir a lista.

Alterado

O ranking da CBF tem o formato atual desde 2012, quando o modelo anterior foi alterado. O esquema antigo tinha características bizarras: enquanto o Campeonato Brasileiro distribuía pontos em uma escala (60 para o campeão, 59 para o vice, etc), a Copa do Brasil usava outra totalmente diferente (30 para o campeão, 20 para o vice, etc). Desta forma, era muito mais vantajoso vencer o torneio de mata-mata do que a principal competição do País. Outra peculiaridade do ranking antigo era que os pontos conquistados eram “eternos” – não importa quantos anos passassem, um clube nunca perdia seus pontos recebidos. Por fim, outro ponto que não fazia sentido era que os clubes que participavam da Libertadores não recebiam recompensa nenhuma, já que não se trata de uma competição da CBF. Portanto, como não podiam disputar a Copa do Brasil, perdiam a chance de somar uma grande quantidade de pontos – efetivamente, quem jogava o principal torneio do continente era prejudicado no ranking.

Pressiona

Ricardo Gareca abre nesta segunda-feira a semana mais importante de sua curta trajetória no Palmeiras. Com apenas um ponto conquistado em 18 disputados no Campeonato Brasileiro e o time dentro do Z-4, o argentino já começa a dar indícios de que pode interromper sua passagem pelo futebol brasileiro bem antes do previsto. Se depender da família, ele volta para a Argentina imediatamente. A mulher e os filhos torciam para que o comandante fechasse com o Racing antes do acerto com o Verdão. Não vieram morar no Brasil na ocasião, e agora querem que o técnico peça demissão logo. O presidente Paulo Nobre defende a permanência de Gareca e de toda a comissão técnica de qualquer maneira. Mas, desde que assumiu a equipe, na volta da Copa do Mundo, a atual comissão não conseguiu vencer no Brasileirão. Para piorar, como o time já vinha de três tropeços consecutivos com o interino Alberto Valentim, o Verdão soma nove rodadas sem vencer. A queda foi drástica na tabela de classificação.  

Torcedora

Um pênalti aos 42 minutos do segundo tempo representava para muitos torcedores do Fluminense a chance de iniciar uma reação relâmpago e evitar a derrota que se encaminhava para o Botafogo. Menos para Lorrane Sousa, torcedora que foi filmada na arquibancada do Mané Garrincha e apareceu para todo o Brasil com o que chamou de “cara de decepção”, instantes após Fred isolar a cobrança na marca da cal . A jovem tricolor, de 21 anos, assistia pela primeira vez seu clube de coração num estádio e, àquela altura do campeonato, previu o pior no momento em que o camisa 9 pegou a bola para bater a penalidade. Descrente com o desempenho do atacante desde a Copa do Mundo – quando marcou só um gol em seis partidas pela Seleção -, a torcedora disse que já imaginava o erro. E a reação, com as mãos na testa e os olhos esbugalhados, não foi de raiva, mas sim uma mistura de desapontada e conformada com oplacar de 2 a 0 desfavorável em sua estreia em jogos do Tricolor.

Pacotão

Diante do líder do Campeonato Brasileiro, o Santos somou sua terceira derrota consecutiva. Jogando no Mineirão, a equipe de Oswaldo de Oliveira perdeu por 3 a 0 para o Cruzeiro e se distanciou ainda mais do grupo que briga por uma vaga na Libertadores. A história do jogo, porém, poderia ter sido outra se Thiago Ribeiro estivesse com a pontaria boa. Além das duas boas chances desperdiçadas pelo atacante, o Peixe também chegou com perigo com Damião. Já o goleiro Aranha falhou no primeiro gol do Cruzeiro, em lance polêmico pela posição irregular de Ricardo Goulart. Antes de Marcelo Moreno abrir o placar para o Cruzeiro, a rede chegou a balançar no Mineirão, aos 19 minutos do primeiro tempo. Mas o árbitro anulou o lance, pois viu toque de mão do meia Éverton Ribeiro na jogada. Na verdade, não viu. Encoberto na jogada, Leandro Pedro Vuaden foi avisado da irregularidade pelo auxiliar que fica atrás do gol e prontamente anulou o que seria o primeiro da Raposa.

“Maratona”

O atacante Robinho deixou o Mineirão lamentando as oportunidades perdidas pelo Santos na derrota por 3 a 0 para o Cruzeiro, neste domingo, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. O astro ainda mencionou a sequência de jogos pela qual o Peixe vem passando – foi a oitava partida no período de um mês -, mas considerou o resultado merecido favorável à Raposa. – Difícil. Tivemos uma maratona de muitos jogos. Jogamos contra um time qualificado como o Cruzeiro. Tivemos oportunidades de gol no primeiro tempo, mas não fizemos. No segundo, eles nos apertaram e acabaram ganhando o jogo merecidamente – disse. Foi a terceira derrota seguida do Santos no Brasileirão. Antes do tropeço em Belo Horizonte, o Peixe havia perdido do Internacional e do Corinthians. De volta à equipe titular após nove meses, o zagueiro Edu Dracena pediu reação imediata ao time. O resultado deixou o Santos em 10º, com 20 pontos, ainda mais longe do G-4 do Brasileirão. O Peixe busca a reabilitação na quarta-feira, às 19h30, na Vila Belmiro, contra o Atlético-PR, pela 16ª rodada da competição. 

Brasileirão

Tudo bem que o Campeonato Brasileiro de 2014 ainda não chegou à metade, e os números não são definitivos. Mas, após o desfecho da 15ª rodada, os dados não são nada bons quanto à média de gols. Há muito tempo que o Brasileirão balança tão pouco as redes como tem feito nesta temporada. A média de 2,12 gols por partida é a menor desde a edição de 1990, que terminou com 1,89 gol marcado por jogo. E isso num tempo em que uma vitória valia dois pontos, e não três – o regulamento mudou em 1994. De lá para cá, o outro número baixo que mais se aproximou do da competição de 2014 foi o de 1991, que teve a média de 2,21 gols por partida. A melhor média nesse período foi a do Brasileirão de 2005, que alcançou o número de 3,13 gols. Depois aparece o de 2002, com 3,02. As outras mais altas foram de 2,89, em 2003, e 2,88, em 2009. As três últimas rodadas do Brasileirão tiveram média de gols inferior à do campeonato. A 13ª teve 2,0 gols; a 14ª teve 1,7; e a 15ª, novamente 2,0. As piores médias foram na décima primeira (1,5) e na primeira (1,6).

Suspenso

Alecsandro lamentou, chamou de bobo, mas a verdade é que o cartão amarelo recebido na vitória por 1 a 0 sobre o Coritiba, domingo, no Couto Pereira foi muito bem-vindo. Suspenso da partida contra o Atlético-MG, quarta-feira, no Maracanã, o atacante já não entraria em campo de qualquer forma. Na negociação para defender o Rubro-Negro ficou definido que ele não pode encarar o ex-clube em nenhum confronto nesta temporada.  Apesar de não se tratar de empréstimo e não ter nenhum tipo de vínculo com o Galo, o acordo foi feito para que o clube aceitasse liberá-lo sem custos para o Flamengo. Como tinha contrato até o fim de 2015, os cariocas teriam que dar uma compensação financeira para sua contratação. Nas conversas, o Atlético-MG condicionou a cessão gratuita diante da promessa de que Alecsandro não estaria em campo em nenhum confronto entre as equipes em 2014.   

Jogadores

Se a janela de transferências para o Brasil se encerrou, o período para estrangeiros contratarem jogadores no país segue vigente. E promete impactar a rotina do Inter. Ao menos quatro atletas já foram assediados pelos europeus. Metade deles deve ser negociada. Quem não deixará o Beira-Rio tão cedo é Aránguiz. A direção fará o possível para garantir o “fico” do volante ao menos até o final da temporada. Vender outros jogadores mais jovens, aliás, ajudaria nessa ideia. Ao se desfazer de talentos, o Inter conseguiria dinheiro suficiente para manter as finanças saudáveis sem precisar perder o chileno, ainda mais valorizado após a Copa. O investidor Delcir Sonda pagou cerca de R$ 15 milhões para Aránguiz ficar no Colorado. O presidente Giovanni Luigi avisa que já recebeu propostas que beiraram o dobro desse valor. 

Possibilidade

“Existem três, quatro jogadores. Clubes de fora estão conversando com a gente, existe a possibilidade de um ou dois saírem” afirmou, para em seguida completar: – Nosso grande esforço é a manutenção do Aránguiz. Nosso parceiro sequer levantou a hipótese de ele sair agora, é fundamental a permanência dele. A tendência é que ele fique e a gente acabe negociando outro jogador. Mas não tem nada fechado, estamos conversando. O próprio Aránguiz declarou diversas vezes que seu desejo é ficar no Inter. Sempre com boas atuações, o chileno se tornou jogador fundamental para Abel Braga, que conta com o volante para o restante da temporada. Além do Brasileirão, o Colorado irá disputar a Copa Sul-Americana no segundo semestre, após ser eliminado da Copa do Brasil.

Uruguaio

Cara nova no Vasco, Maxi Rodriguez mostrou no treino de domingo, seu primeiro pelo Vasco, que está com bom ritmo, já que vinha trabalhando regularmente no Grêmio, clube junto ao qual foi negociado por empréstimo. O meia atuou em quatro partidas da equipe gaúcha pelo Campeonato Brasileiro de 2014 – em uma delas, fez o gol da vitória por 2 a 1 sobre o Botafogo. Mas o tempo é curto para que ele seja relacionado para o jogo com o Vila Nova, nesta terça-feira, em Brasília. O uruguaio ainda precisa ser regularizado, e a tendência é que esteja pronto para estrear diante do Icasa, na sexta-feira. A questão da adaptação também é levada em conta. O técnico Adilson Batista ainda não teve tempo para testar direito o jogador. Após a vitória por 2 a 0 sobre o Ceará, em São Januário, o treinador disse esperar que o uruguaio aproveite a oportunidade no Vasco.  Em relação ao Maxi, é um menino com potencial. Colhi algumas informações, e foram ótimas. Ele tem talento, sabe jogar. Nós esperamos que ele aproveite essa oportunidade que vai ter num time como o Vasco – afirmou o técnico.

Potencial

O diretor de futebol Rodrigo Caetano acredita que, para o jogo contra o Vila Nova, fica difícil a relação de Maxi Rodriguez no grupo. – Acho que fica difícil ele já jogar contra o Vila Nova. O jogo é terça-feira, está em cima. Mas ele já vinha treinando e jogando no Grêmio. Para o próximo jogo, acredito que ele já estará à disposição – disse o diretor. Maxi Rodriguez chega, a principio, para disputar vaga com Dakson no meio-campo. Este último ganhou a posição de titular ao lado de Douglas quando Adilson resolveu mudar o sistema de três volantes para dois. Dakson levou uma pancada no tornozelo diante do Ceará e está lesionado. Na segunda colocação, com a mesma pontuação do líder Ceará, mas com uma vitória a menos, o Vasco enfrenta o lanterna Vila Nova nesta terça-feira, no Mané Garrincha, em Brasília. A partida será realizada às 21h50 (de Brasília) e é válida pela 17ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Lanterna

Descanso, treinos, contratações… A parada que o Campeonato Brasileiro sofre a cada quatro anos para a disputa da Copa do Mundo permite que os clubes se reabilitem ou caiam definitivamente de rendimento no retorno à principal competição do País. Há os que dizem que existe um torneio antes e outro depois do período dedicado à realização do Mundial. Como em 2014 o Brasil sediou o principal campeonato de futebol do planeta, o Terra decidiu olhar apenas para o que as equipes fizeram após a Copa. Contando somente os resultados da décima à 15ª rodada, a Série A teria o Internacional como líder e o Palmeiras, atual campeão da Série B, como último colocado. O time alviverde, que estreou o argentino Ricardo Gareca como treinador depois do Mundial, somou apenas um ponto em 18 possíveis desde a parada do Brasileiro. O pífio aproveitamento de 5% é o pior dentre o das 20 equipes da elite nacional entre a décima e a 15ª rodada do Brasileiro.

Temporada

O Corinthians ainda não está com seu elenco totalmente fechado para o restante da temporada, pois corre o risco de perder o zagueiro titular Cleber e também aguarda uma possível chegada de Nilmar. Em participação no programa Mesa Redonda, da TV Gazeta, o diretor de futebol alvinegro, Ronaldo Ximenes, confirmou que o atacante pode ser contratado. “O Nilmar é uma oportunidade que surgiu. Ele tem 30 anos, passou sua fase de ouro, mas não vamos deixar de dizer que se trata de um grande atleta. Se for conveniente financeiramente e em todos os outros pontos, estamos bem adiantados na conversa com seu representante”, afirmou. Nilmar, que atuou pelo Corinthians entre 2005 e 2007, deve voltar ao Brasil depois de passagem pelo futebol do Catar. Mano Menezes insiste que seu elenco precisa de mais um atacante, para suprir possíveis convocações do peruano Paolo Guerrero e do paraguaio Romero, e o nome do ex-corintiano é o que mais agrada ao treinador. No entanto, o Internacional também tem interesse no atacante.

Desfalque

Enquanto tenta reforçar seu ataque, o Corinthians trabalha para evitar um desfalque na defesa, pois Cleber recebeu sondagem do futebol da Alemanha. “Ainda não temos algo concreto, mas existe a possibilidade de ele ir. O empresário dele me falou que trará uma proposta amanhã (segunda) para levar o Cleber para lá. Estou aguardando”, declarou o dirigente. Se a oferta realmente chegar, o time alvinegro dificilmente conseguirá segurar seu jogador, já que os direitos do zagueiro não pertencem ao clube, e sim a investidores. Para evitar a saída, só se o Corinthians cobrir uma eventual oferta de fora. “O Corinthians não tem nada dos direitos. Se chegar, ou temos de cobrir a proposta, o que é difícil, ou somos obrigados a liberar. Temos esse direito de aquisição, mas precisamos ver a vontade do jogador também”, completou.

Destaca

O técnico Vanderlei Luxemburgo destacou a fuga do Flamengo da zona de rebaixamento após a vitória por 1 a 0 diante do Coritiba, na tarde deste domingo, no Couto Pereira. Porém, o comandante rubro-negro afirmou que o trabalho precisa continuar de maneira intensa por conta do Campeonato Brasileiro ainda não ter terminado. “Ainda não aconteceu nada. Porque se perder na frente e voltar para a confusão de novo, fica ruim. Ainda não terminou a competição, nós estamos com um percentual que nos deu tranquilidade para sair, mas não terminou a competição hoje. Se terminasse hoje estávamos fora do rebaixamento, mas não terminou. Precisamos continuar trabalhando. O importante dessa vitória fora é que não tínhamos feito gol fora de casa e estávamos sem vencer. Hoje matamos duas coisas de uma vez só”, afirmou o treinador.

Apresentados

O treinador Eduardo Baptista elogiou o time do Sport após o empate por 1 a 1 diante do Atlético Paranaense. Mas na entrevista após a partida deu a entender que, apesar da boa estreia do armador Régis, o clube pode apressar as estreias do meia-atacante Diego Souza e do volante Ibson. Os jogadores foram contratados para suprir uma das maiores lacunas do elenco, que é no meio de campo. “Eles estão em um período de observação, eu não vou dizer quando, mas está próximo. O Sport contrata atletas. Então nós falamos e vieram dois atletas. Então eu espero contar o mais rápido possível. Não conto como sendo titular, mas as vezes em uma partida o atleta (pode fazer diferença em) vinte minutos”, contou o treinador Eduardo Baptista, sem confirmar a possibilidade deles entrarem na partida contra o Palmeiras, na próxima quarta-feira, na Arena Pernambuco.

Ressaltou

Autor do gol do Sport, Régis foi elogiado por Eduardo Baptista, que ressaltou o fato dele ser “um jogador que ainda pode dar mais, fisicamente ele ainda não está no seu ideal. Ele pediu até para sair antes, mas eu vi que ele ainda estava bem e deixei ele mais dez minutos”, contou. Ele atuou como único armador durante a maior parte da partida, mas logo após ser substituído por Zé Mario o técnico colocou em campo também Aílton para reforçar o setor de criação. O treinador Eduardo Baptista preferiu elogiar o time, apesar de ter conquistado apenas um ponto nas últimas três partidas e caído da quinta para a nona colocação, com 22 pontos. “Eu não vou dizer tropeço, o Brasileiro é muito difícil. O Atlético vem com uma pontuação muito parecida, um ponto acima, mas eu ficaria preocupado se o time não jogasse”, disse, ressaltando que o time teve várias chances.

Atitude

Na opinião do técnico Vagner Mancini, o empenho dos jogadores do Botafogo foi preponderante para a vitória por 2 a 0, neste domingo, no Mané Garrincha, em Brasília, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. De acordo acordo com o treinador, mesmo com os problemas vividos pelo clube recentemente, ele sempre esteve confiante em um grande triunfo da equipe alvinegra. “Eu sabia que cedo ou tarde faríamos um jogo desse. O Fluminense é uma equipe muito boa. Jogar contra eles é ser testado os 90 minutos. Tivemos que ter um sistema de jogo inteligente, marcando mais à frente. Lógico que o treinador sabe o potencial da sua equipe. Eu vinha dizendo que havia necessidade de um ajuste melhor, uma equipe mais equilibrada em campo. O que vimos foi isso, do primeiro minuto até o final. Uma equipe que marcou bem, jogou bem, teve posse, finalizou mais. Menos nos cinco minutos finais, que o Fluminense se lançou à frente. Obtivemos êxito em função da atitude dos jogadores, de que seria possível desde que todos dessem o máximo possível de cada um”, disse Mancini, em entrevista coletiva, no Mané Garrincha.

Minimiza

Marcado pela derrota da Seleção por 7 a 1, contra a Alemanha, na Copa do Mundo, Felipão tenta apagar o passado. Neste domingo, após vitória do Grêmio por 2 a 0, ele foi questionado sobre seu próximo jogo, que acontecerá no Estádio do Mineirão, palco daquela goleada histórica. Mas o técnico disse não se importar com isso. “Vai ser o mesmo sentimento de voltar a Livramento ou Bagé no Campeonato Gaúcho do ano que vem. É a mesma coisa, minha vida continua. Alguns gostariam de ter me enterrado depois daquilo, mas eu não morri ainda”, afirmou Felipão. O Grêmio vai enfrentar o Cruzeiro, líder do Campeonato Brasileiro, no Mineirão. Depois de escalar três volantes contra o Criciúma em casa, Felipão disse que pode colocar até quatro para duelar contra o Cruzeiro. “Não quero tomar gol”, comentou, também durante a entrevista coletiva deste domingo.

Tranquilo

Valdivia não jogava pelo Palmeiras desde 10 de maio, e o torcedor pode ficar mais tempo sem vê-lo após sua atuação destacada de 14 minutos na derrota para o São Paulo. Exames constataram uma fratura no nariz do jogador mais caro do elenco, que pode precisar de cirurgia. A lesão ocorreu durante o treino de quarta-feira, quando o meia foi acidentalmente atingido por Wesley. Sem saber se havia fratura no local, o chileno apresentou inchaço e ficou com o olho um pouco mais roxo, mas nada que o impedisse de entrar em campo neste domingo. No primeiro choque que sofreu no clássico, Valdivia desabou no gramado. De acordo com a sua assessoria de imprensa, teve dificuldades para respirar, sofrendo grande pressão na testa e tontura. O jogador foi sacado no início do primeiro tempo e saiu do Pacaembu durante o segundo tempo dizendo à Rádio Globo não saber o que tinha acontecido.

Constatada

O médico do Palmeiras, Otávio Vilhena, encontrou-se com Valdivia e o acompanhou para realizar exames em hospital da capital paulistana, quando foi constatada a fratura no nariz. Um otorrino indicará em consulta nesta segunda-feira se será necessária realizar uma cirurgia no local. Em relação às dores na coxa direita, que fizeram o meia colocar a mão na região logo após o encontrão que o tirou do clássico, o discurso é de tranquilidade. Valdivia passará por exames no músculo, mas crê que as dores são apenas consequência do tempo sem jogar – antes deste domingo, tinha atuado em 23 de junho, na Copa do Mundo, e passou quase um mês sem treinar enquanto viajava por Emirados Árabes Unidos e Disney.

Homenagens

Antes da partida entre Sport e Atlético-PR, enquanto o time paranaense e os goleiros do Sport aqueciam no gramado, cerca de 30 jornalistas e profissionais da imprensa pernambucana fizeram uma homenagem às vítimas do acidente aéreo ocorrido na última quarta-feira. Com as bandeiras de Pernambuco e do Brasil, os repórteres, fotógrafos e demais cronistas foram até o centro do gramado e fizeram uma oração. O ex-governador Eduardo Campos, o jornalista e torcedor do Sport Carlos Percol e os fotógrafos Alexandre Severo e Marcelo Lyra eram os pernambucanos no voo, que teve ainda como vítimas o ex-deputado sergipano Pedro Magalhães e os pilotos da aeronave Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, Marcos Martins e Geraldo da Cunha.

Pernambuco

O time entrou em campo e se perfilou para o hino de Pernambuco com uma faixa em que aparecia uma frase que vem sendo muito utilizada por amigos, familiares e partidários de Eduardo Campos, “Não vamos desistir do Brasil”. O mesmo slogan também foi utilizado pelo Náutico na partida contra o Luverdense, que aproveitou para colocar as palavras no espaço do principal patrocínio das camisas. Além disso, o Sport jogou com uma tarja preta e também com a hashtag #eduardoeterno. O centroavante Neto Baiano vestiu uma camisa com uma homenagem ao jornalista rubro-negro Carlos Percol. O assessor de imprensa também dará nome à sala de imprensa do Centro de Treinamento do clube e sua família receberá a cadeira cativa dele na Ilha do Retiro, como mais uma maneira de homenagear o torcedor que morreu aos 36 anos. Pouco antes da bola rolar, os jogadores dos dois times voltaram a repetir o gesto dos jornalistas e ficaram a em volta do grande círculo, enquanto o sistema de som falou os nomes das sete vítimas, e a torcida fez um minuto de aplausos.

(*) Wilson Barbosa é jornalista e cronista esportivo. Email: www.wilsonbarbosatreze@gmail.com

 

Deixe uma resposta