Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Opinião | Artigo: Por outra Educação no Brasil – Bruno Peron Loureiro

Artigo: Por outra Educação no Brasil – Bruno Peron Loureiro

Deputados federais aprovaram o texto do Plano Nacional de Educação no fim de maio de 2014. Este Plano, que deverá vigorar de 2011 a 2020, tramitava no Congresso. Há vinte metas a serem alcançadas no prazo de dez anos, como aumento de matrículas em creches, valorização do magistério e erradicação do analfabetismo. O Plano anterior (de 2001 a 2010) veio com o mesmo propósito e teve metas muito parecidas, mas não tivemos uma revolução na Educação.

Com o novo texto, os investimentos em Educação pública passarão de 5% a 10% do Produto Interno Bruto, o que vejo como um grande avanço. No entanto, haverá briga com os setores onde o governo deixará de investir recursos. Além disso e o que considero mais importante, a Educação não mudará se não houver uso sensato dos recursos públicos. Assim, o aumento do salário dos professores – recomendo eu – não deve ser prioridade porque não garante melhora na qualidade da Educação. É preciso primeiramente mudar a mentalidade dos educadores (de modo que valorizem, por exemplo, as coisas, as exigências e as diversidades do nosso Brasil) e fazê-los abrir-se às necessidades dos estudantes num mundo em mudança constante.

O texto do Plano Nacional de Educação visa a melhorar o acesso à Educação no Brasil (ou seja, que os jovens passem mais tempo na escola e melhorem seus graus de escolaridade), mas também se propõe a melhorar a qualidade da Educação. Dessa forma, mantenho meu argumento – já publicado noutros artigos – de que o Brasil precisa de OUTRA Educação e não só de MAIS Educação. Portanto, não basta AMPLIAR as práticas educativas no Brasil. É preciso REVOLUCIONÁ-las, desaprender velhos usos e aprender novas técnicas. Há que tirar porcaria da cabeça e colocar aquilo que preste para que cidadãos aprendam a fazer e a pensar.

Um empecilho é que, infelizmente, gestores públicos deixam de ter propostas claras e diretas para formular políticas públicas que sejam realmente positivas para o Brasil porque arriscam a perder seus cargos. Isto se deve a práticas idólatro-egoístas de lóbis educacionais que paralisam a Educação no Brasil em prol de caprichos individualistas por aumento de salários de professores e por seus planos de carreiras. Por isso, movimentos grevistas costumam fazer pressão a favor de recursos para Educação, mas quase sempre têm força centrípeta-egoísta. Quantos destes mesmos grevistas leram e entenderam, por exemplo, as obras de Manoel Bomfim e Paulo Freyre para entender que mudanças substantivas em Educação reverteriam o sentido das decisões porque viriam de baixo, das camadas populares e dos que sonham pela visibilidade de suas culturas?

Jogo um pouco mais de lenha na fogueira. Entre o menino de treze anos que esfaqueou o motorista de um ônibus por alguns trocados em Fortaleza em maio de 2014 e o que limpa parabrisas de carros em semáforos de Belo Horizonte, há algo em comum mas também uma diferença. Os dois são filhos da mesma pátria, mas divergem quanto à noção de trabalho que aplicam. Que esperamos de nossos cidadãos jovens nos próximos dez anos? Esta é a pergunta que deve motivar educadores e gestores públicos em se tratando dos desafios da Educação no Brasil.

Quando me refiro à necessidade de OUTRA Educação no Brasil, não atribuo somente ao Estado tamanha responsabilidade. Seria peso demais sobre seus ombros flácidos e paternalistas. Estou pensando em várias instituições (família, religião, escola, comunidade). O Estado, portanto, não é um gigante superpoderoso que converte meio-cidadãos em cidadãos plenos a toque de mágica. Ele é um regulador de desajustes e retificador de descaminhos de desenvolvimento.

Assim, recomendo uma higienização da pretensão de autossuficiência do professorado para que se reconheça a necessidade dos jovens de expressão de suas culturas. Num mundo oprimido pelo consumismo, em que o “ter” vale mais que o “ser” e em que as indústrias fazem seus produtos durar cada vez menos, os jovens têm sentimentos reprimidos. Logo aquele que “é” mas não tem meios de expressão compartilha suas angústias com aquele que só “tem” mas carece o que expressar de seu vazio. Por isso aumenta a delinquência e a insatisfação generalizada no Brasil.

Que o magistério entregue o giz, o apagador e o lápis a seus “alunos”!

Seus “alunos” devem escrever sua própria história na lousa tupinica.

(*) Bruno Peron Loureiro é mestre em Estudos Latino-americanos por FFyL/UNAM. Site: http://www.brunoperon.com.br  

 

Deixe uma resposta