Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Colunistas | Hiram Reis e Silva | Artigo: Desafiando o Rio Mar e a Justiça Tupiniquim – Hiram Reis e Silva

Artigo: Desafiando o Rio Mar e a Justiça Tupiniquim – Hiram Reis e Silva

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto (…) E nessa destruição geral de nossas instituições, a maior de todas as ruínas, Senhores, é a ruína da justiça, colaborada pela ação dos homens públicos, pelo interesse dos nossos Partidos, pela influência constante dos nossos Governos. E nesse esboroamento da justiça, a mais grave de todas as ruínas é a falta de penalidade aos criminosos confessos, é a falta de punição quando se aponta um crime que envolve um nome poderoso, apontado, indicado, que todos conhecem (…) (A Falta de Justiça, a Fonte de Todo o Nosso Descrédito – Ruy Barbosa de Oliveira)

Justiça Tupiniquim – Meritíssimos ou “Meretríssimos”

O Meu País

(Livardo Alves – Orlando Tejo – Gilvan Chaves)

= https://www.youtube.com/watch?v=_6BgL9Zl4x4 =

Um país onde as leis são descartáveis

Por ausência de códigos corretos

Com quarenta milhões de analfabetos

E maior multidão de miseráveis

Um país onde os homens confiáveis

Não têm voz, não têm vez, nem diretriz

Mas corruptos têm voz e vez e bis

E o respaldo de estímulo incomum

Pode ser o país de qualquer um

Mas não é com certeza o meu país

Um país que perdeu a identidade

Sepultou o idioma português

Aprendeu a falar pornofonês

Aderindo à global vulgaridade

Um país que não tem capacidade

De saber o que pensa e o que diz

Que não pode esconder a cicatriz

De um povo de bem que vive mal

Pode ser o país do carnaval

Mas não é com certeza o meu país (…)

Uma “Suprema” justiça que alforria mensaleiros aproveitando o momento em que a massa ignara está com toda a sua atenção voltada para famigerada “Copa das Copas”. Uma justiça que compactua com a violência de abjetos manifestantes que destroem o patrimônio público e privado acobertados e financiados por partidos radicais e sindicatos despóticos que promovem o caos, a desordem e desmandos de toda a ordem. Uma justiça que encarcera cidadãos de bem nas suas residências com medo de sair às ruas e ter de encarar facínoras soltos por torpes e sutis manobras judiciárias. Uma justiça que justifica o cometimento de crimes hediondos por menores apontando como causa sua origem carente. Se isso fosse verdadeiro todo cidadão carente seria necessariamente um contraventor ? não seria isso uma visão preconceituosa de nossos “meretríssimos”? A criminalidade aumenta e os crimes tornam-se mais e mais violentos e nossos doutos magistrados, do alto de sua sapiência, protegidos por seguranças e nos  seus carros blindados, acham que nada precisa mudar. 

Morosidade Judiciária

Em junho do ano passado eu e meus irmãos resolvemos vender a casa que herdáramos de nossos falecidos pais. A dívida pecuniária acumulada nos últimos dez anos com o tratamento de minha esposa elevou-se a um patamar astronômico não nos deixando outra alternativa.

Nosso advogado fez constar do processo a questão da doença da esposa e a falta de capital decorrente das despesas decorrentes achando que, com isso, conseguiríamos uma maior agilidade ao processo – ledo engano.

Todos os tipos de imprevistos ocorreram dilatando mais e mais os prazos de maneira que até hoje não conseguimos fechar o negócio. Desde o início a proposta era passar o imóvel para meu nome e a juíza, depois de meses analisando a questão, passou-o para o nome de meu irmão, mais tarde o processo foi encaminhado para a Vara errada, outra demora interminável, um dos juízes argumentou que com meus vencimentos eu deveria arcar com os custos processuais, mais demora, embora meu irmão tenha pagado o estipulado no mesmo dia. Certamente sua “excelência” não leu a justificativa em que eu discriminava os gastos nos últimos dez anos com a saúde de minha esposa e demonstrava que minha receita mensal era negativa e que a sobrevivência de minha família se operava graças à colaboração de familiares e renegociações sistemáticas com três bancos.

A consequência de todo este imbróglio, que se arrasta há mais de treze meses, e ainda não foi concluído, é que minhas dívidas aumentaram substancialmente já que tive que parcelar o pagamento de cartões, com juros estratosféricos, fazer novos empréstimos com parentes, amigos e até agiotas, comprometendo o próprio tratamento de minha esposa.

Descendo o Amazonas I – Oriximiná/Belém

O resultado de toda essa incompetência crônica e da “Tábua de Marés” para o “Projeto Aventura Desafiando o Rio-mar” é que a descida programada para acontecer dia 03 de agosto próximo teve de ser adiada para março de 2015 quando contaremos com o apoio do Cabo Mário Elder Guimarães Marinho, que terá dado baixa do Exército, pilotando uma embarcação regional de sua propriedade. A passagem para Santarém, do dia 31 de agosto, doada pelo meu grande amigo Cristian Mairesse Cavalheiro será transferida para outubro quando iremos participar da jornada que homenageia o “Centenário da Expedição Roosevelt-Rondon”:

1° Fase – Assuncíon-Cáceres/Tapirapoan: Subindo o Rio Paraguai em barco comercial (gaiola); lanchas de alumínio no Rio Sepotuba. Pernoite na Fazenda visitada por Roosevelt: 15 dias.

2° Fase – Tapirapoan/Rio Roosevelt: Cavalos de carga ou mulas para cozinha, sacos de dormir e barracas. Visita a assentamentos Nhambiquara e Cachoeira Utiariti: 15 dias.

3° Fase – Rio Roosevelt/Rio Aripuanã: Balsas e caiaques infláveis: 15 dias.

4° Fase – Rio Aripuanã/Manaus: Descendo o Aripuanã e Madeira e subindo o Amazonas até Manaus – barco comercial.

5° Fase – Manaus/Santarém: apenas eu e meu caiaque.

Pedimos escusas aos nossos amigos investidores, mas afirmamos que os três projetos ? “Centenário da Expedição Roosevelt-Rondon”, Circunavegação da “Laguna dos Patos e Mirim” e “Descida do Amazonas II” (Oriximiná/Belém) acontecerão até o 1° semestre de 2015.

Fonte

OLIVEIRA, Ruy Barbosa de. Obras Completas de Rui Barbosa: Discursos Parlamentares ? Brasil ? Rio de Janeiro ? Ministério da Educação e Cultura ? Fundação Casa de Rui Barbosa ? Volume XLI – TOMO III – Departamento de Imprensa Nacional, 1974.

Versão Digital: (www.stf.jus.br/bibliotecadigital/RuiBarbosa/16040_V41_T3/PDF/16040_V41_T3.pdf)

(*) Hiram Reis e Silva é Coronel de Engenharia; professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA); pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx); presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS); sócio Correspondente da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER), membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS); Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS); Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG). Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN). E-mail: hiramrsilva@gmail.com; Blog: desafiandooriomar.blogspot.com.br

 

Deixe uma resposta