Templates by BIGtheme NET
PÁGINA PRINCIPAL | Geral | 9 de Novembro: policiais militares participam de manifestação com familiares das vítimas

9 de Novembro: policiais militares participam de manifestação com familiares das vítimas

Policiais militares se juntaram aos manifestantes durante caminhada pelas tres pessoas assassinadas - Fotos: Fernando Oliveira

Policiais militares se juntaram aos manifestantes durante caminhada pelas tres pessoas assassinadas – Fotos: Fernando Oliveira

Mais de 70 policiais militares, entre eles o comandante da PM, coronel Dagoberto Gonçalves, participaram da manifestação que reuniu parentes e amigos das três pessoas assassinadas pelo soldado Felipe Quadros, no dia 9 de novembro.

A passeata iniciou às 16 horas e reuniu aproximadamente 600 pessoas. Eles portavam balões pretos e usaram camisetas com as fotos das vítimas. Já os PMs usaram laço com fitas preta e branca, simbolizando luto e paz. Eles pediram justiça pela morte de Eliézio Oliveira Bezerra, 50 anos, a filha dele, Janielly Vicença Filgueira Bezerra, 27 anos e também do empresário Ernane Rodrigues, 47 anos.

A caminhada começou na frente do Palácio Senador Hélio Campos e seguiu até o quartel do CPC (Comando de Policiamento da Capital). Ao microfone, o comandante da PM, coronel Dagoberto Gonçalves, assegurou que o procedimento que apura a conduta do soldado Quadros, acusado dos homicídios, ocorrerá dentro do prazo de 30 dias, conforme prevê a legislação.

Ele reiterou que já pediu da Justiça a remoção do militar para outro local que não seja nas dependências da PMRR, devido à excepcionalidade do fato.

coronel Dagoberto Gonçalves,

coronel Dagoberto Gonçalves,

“Nós repudiamos atos como este, principalmente por uma pessoa que integrava nossa corporação que tem como missão servir e proteger a sociedade. Em 40 anos de história, a Polícia Militar nunca tinha vivenciando uma situação dessas, uma tragédia, uma barbárie. Não vamos permitir que isso macule nossa instituição. O procedimento será feito dentro do prazo legal para que seja aplicada a pena máxima do serviço público, que é a demissão”, afirmou.

Ainda conforme o comandante, a Corregedoria e a Ouvidoria da Polícia Militar serão reforçados, inclusive, com maior autonomia e independência, funcionando em outros locais para que a instituição atue de forma incisiva na apuração dos fatos e de forma preventiva para evitar que outras situações como esta venham a ocorrer.

A governadora Suely Campos está em Brasília, porém, a secretária adjunta de Comunicação do Governo do Estado, Loide Gomes, declarou que a governadora está solidária ao sofrimento dos familiares e amigos das vítimas e que reuniu a cúpula da segurança pública para determinar apuração célere e rigorosa desse caso e reforço nas ações de combate à violência doméstica.

Ela pediu celeridade e rigor na apuração dos fatos e dará todas as condições para o trabalho da Corregedoria e Ouvidoria da PMRR, pois, o Estado vai agir com tolerância zero para todos os casos em que ocorram desvios de conduta que venham a desabonar o trabalho de uma instituição séria como a Polícia Militar.

Ao final da manifestação, as vítimas foram homenageadas pela PMRR com o toque de corneta entoado em funeral de heróis. Para a professora, Nilra Jane Filgueira, as declarações do Comandante deram confiança de que, no âmbito militar, o fato não ficará impune. “Quero justiça, pelo meu marido, pela minha filha”, disse.

Tiana Brazão

 

Deixe uma resposta